Artigos bases Economia Traduções

Como utilizar o Individualismo Metodológico

Por Jörg Guido Hülsmann

Eu conheci o Professor Salin no final de 1997, no seu escritorio na Universidade de Paris-Dauphine. Quando mencionei que fui atraído pela Escola Austríaca em primeiro lugar por causa da Epsitemologia Misesiana, ele levantou suas sobramncelhas e fez uma cara de cético. Eu parei de falar e ele lançou sarcasticamente, ” E toda a economia é para você nada além de epistemologia aplicada”.

Eu protestei que esta não era minha opinião, mas o ponto foi bem aceito. A economia não é um ramo da epistemologia; e não se pode dizer algo significativo sobre sua epistemologia antes que alguém esteja perfeitamente familiarizado com seu conteúdo. Meu interesse pelos problemas lógicos e epistemológicos da economia permaneceu inabalável, mas eu levei a reprovação de Pascal Salin ao coração e ao longo dos anos seguintes foquei na teoria econômica propriamente dita. Agora é a hora de fazer uma exceção. O presente artigo é um buquê epistemológico para o meu querido mentor, felizmente lembrando que ele me advertiu para não confundir o trabalho do florista com o do jardineiro.

I

Muitos escritores que se propuseram a descrever o caráter lógico e epistemológico da ciência econômica consideram que o preceito do individualismo metodológico está entre as características distintivas da análise econômica.1 Este ponto de vista é especialmente difundido entre os economistas austríacos.2 De acordo com esse preceito, a análise do comportamento individual não é apenas necessária para entender os microfenomenos como os gastos do consumidor; também é indispensável apreender macrofenômenos como inflação, desemprego e crises econômicas. A razão é que esses agregados ou macrofenômenos não existem independentemente da ação humana, mas resultado da interação de vários indivíduos

Não pode haver a menor dúvida de que esse raciocínio básico para o individualismo metodológico é simples, sólido e claro. Quem quiser rastrear o surgimento, a transformação e o declínio dos fenômenos sociais agregados para suas causas-raiz não pode evitar a análise das ações individuais.3 Ele deve lidar com as escolhas dos indivíduos. Ele deve lidar com o significado que os indivíduos atribuem ao contexto em que estão agindo e às opções alternativas que acreditam estarem em jogo.

É uma questão muito diferente, no entanto, se o individualismo metodológico é um método de economia ou, mais precisamente, de teoria econômica. No que se segue, argumentaremos que não é. Com base na distinção misesiana entre teoria e história, mostraremos que, enquanto o individualismo metodológico é adequadamente aplicado na história, não é um método que usamos em teoria.

II

Na análise causal do comportamento humano individual, devemos distinguir entre fatores invariantes e contingentes.

Qualquer ação humana tem certas causas e consequências invariantes. Consequências invariantes resultam de ação semelhante em qualquer lugar e a qualquer momento e é dito que elas decorrem disso por necessidade ou por lei. Por exemplo, um aumento da quantidade de dinheiro tende a acarretar um aumento do nível de preços acima do nível que teria alcançado, independentemente de quando e onde a oferta monetária é aumentada. Segundo Ludwig von Mises, o estudo de tais consequências é tarefa da praxeologia e da teoria econômica.

Mas a ação humana também tem causas e consequências contingentes. A mesma ação – aumentar a quantidade de dinheiro – pode ser inspirada por idéias e juízos de valor diferentes. E as consequências objetivas resultantes de qualquer ação podem provocar reações individuais muito diferentes em diferentes momentos e lugares. Em outras palavras, as cadeias causais através das quais idéias e juízos de valor estão ligados à ação humana são contingentes. Segundo Mises, a elucidação dessas cadeias causais contingentes é a tarefa específica da pesquisa histórica.4

Mises não excluía que juízos de valor e idéias individuais tivessem causas invariáveis, mas nem ele nem ninguém sabia o que eles eram. Atualmente, apenas algumas das causas contingentes da ação humana podem ser identificadas por compreensão histórica numa base caso-a-caso. E mesmo essa análise provavelmente não dará a imagem completa. Há um remanescente insondável que desafia qualquer explicação: a individualidade histórica. Mises explicou:

As características dos individuos, suas idéias e julgamentos de valor, bem como as ações guiadas por essas idéias e julgamentos, não podem ser rastreados até algo de que foram derivados. Não há resposta para a pergunta por que Frederico II invadiu a Silésia, exceto: porque ele era Frederico II.5

A análise histórica, se apenas se ativer aos fatos conhecidos, deve explicar todos os fenômenos sociais como resultantes da ação individual, e a cadeia causal de eventos deve começar e terminar com as idéias e juízos de valor dos indivíduos. A história descreve em retrospecto como a pessoa que atuava percebia a situação na qual ele tinha que agir, o que ele visava, o que ele acreditava ser os meios à sua disposição. E usa as leis fornecidas pela economia e as ciências naturais para descrever o impacto objetivo que a pessoa atuante teve por meio de seu comportamento. Assim, a missão da história é descrever o drama da evolução social e econômica do ponto de vista de seus protagonistas. Sua própria ferramenta específica nessa tarefa é “psicologia” ou – a expressão favorita de Mises – “timologia”.

III

Com essas distinções em mente, voltemos agora ao preceito do individualismo metodológico e veremos onde ele se aplica. De fato, mostrou sua utilidade em vários casos importantes. O exemplo mais conhecido é a explicação da origem do dinheiro.

Pensadores de Aristóteles a John Locke explicaram a origem do dinheiro com a ajuda de um atalho intelectual. Eles sugeriram que o dinheiro, sendo uma instituição social, surgiu por algum tipo de deliberação coletiva. O dinheiro é de fato tão útil que teria que ser inventado se já não existisse. Então, o que é mais natural do que supor que um grupo de sábios decidiu se sentar juntos e instituir o uso do dinheiro? O problema é que nenhuma dessas convenções é conhecida por existir.

Mas como Carl Menger argumentou, não é necessário postular que o dinheiro surgiu por meio da deliberação de um conselho tão misterioso.6 O dinheiro teria surgido mesmo na ausência completa de um processo de tomada de decisão coletiva coordenado. Considere-se que, na ausência de dinheiro, somente trocas de permuta (um passo) são possíveis e que as oportunidades de permuta são severamente restringidas por grandes problemas, em particular, pela exigência de que deve haver uma dupla coincidência de desejos. As “trocas indiretas” de duas etapas (com a ajuda de um meio de troca) ajudam a superar essa limitação. Mais importante ainda, a troca indireta pode ser benéfica mesmo com um meio de troca ad hoc, isto é, mesmo que ainda não exista um meio de troca amplamente aceito.

Os meios de troca tornam-se cada vez mais amplamente aceitos na medida em que são objetivamente mais adequados do que seus concorrentes na organização de trocas indiretas. A prata é mais adequada como meio de troca do que a cereja porque é durável, divisível, maleável, homogênea e tem um grande poder de compra por unidade de peso. É provável que os participantes do mercado reconheçam essa relativa superioridade em um processo de aprendizado e imitação e, eventualmente, a maioria deles usará a prata para realizar suas transações. Assim, pode-se explicar porque a técnica de troca indireta é adotada em um nível individual; e pode-se explicar porque meios específicos de troca se tornam geralmente aceitos e, assim, gradualmente se transformam em dinheiro. Não é necessário postular a criação de dinheiro através de deliberação coletiva.

O individualismo metodológico também tem sido aplicado com sucesso em vários outros casos, como a origem da divisão do trabalho, a origem das nações e questões bastante técnicas, como a explicação dos efeitos de redistribuição resultantes da produção monetária.7 Provou sua utilidade, especialmente naqueles casos em que nos propusemos a explicar fenômenos sociais agregados como resultantes de percepções, fins e valores individuais. Em suma, provou seu caso na análise histórica.

IV

Para entender nosso ponto de vista de que o individualismo metodológico não é um método de teoria econômica, é melhor começar com alguns exemplos do que é a teoria econômica. Considere as seguintes leis econômicas:

A produção mais rotativa é mais produtiva (em termos físicos) do que a produção menos rotativa.

Quando pessoas X dividem o trabalho entre si, seu trabalho é mais produtivo (em termos físicos) do que quando teria sido se essas mesmas pessoas tivessem produzido o mesmo tipo de produtos isoladamente um do outro.

Em troca indireta, o mercado (e, portanto, a divisão do trabalho) é maior do que em troca direta.

Essas proposições são proposições genuinamente teóricas no sentido misesiano. Eles fazem afirmações sobre relações invariantes no tempo entre causa e efeito. A troca indireta, por exemplo, não é considerada como tendo produzido maiores oportunidades de troca do que a troca direta no ano passado no Brasil – ou que terá esse efeito no próximo mês na Riviera Francesa. Diz-se que tem esse efeito em todos os momentos e em todos os lugares.

A questão é se o individualismo metodológico é necessário para demonstrar tais proposições. A resposta está no negativo. O individualismo metodológico ajuda-nos a entender por que e como os fenômenos agregados podem resultar de ações individuais. Mas isso não nos ajuda a demonstrar proposições sobre relações invariantes – ou mesmo necessárias – entre causa e efeito. É, por exemplo, estritamente falando impossível de introduzir dinheiro através de deliberação coletiva em um conselho; e também não é impossível que o aumento da oferta monetária não produza efeitos de redistribuição. Em contraste, as proposições da teoria econômica, segundo Mises, pretendem fazer afirmações sobre a causação necessária.

Vamos examinar nosso primeiro exemplo com mais detalhes para enfatizar nosso ponto. Conhecemos os efeitos da produção indireta em duas etapas: primeiro analisamos as condições de produção em geral e depois estudamos como um processo de produção mais ou menos indireto afeta essas condições. Na primeira etapa, percebemos que a produtividade física do trabalho está sujeita à lei dos retornos. Na segunda etapa, aprendemos que a produção mais indireta significa afastar-se da produção de bens de consumo, a fim de aumentar o suprimento dos outros fatores, para que o trabalho humano se torne mais produtivo. Observe que aqui não nos afastamos de nenhuma escolha concreta. Em vez disso, comparamos as consequências de duas ações hipotéticas diferentes: mais rotundas em comparação com a produção menos rotatória. Esses dois cursos hipotéticos de ação são a priori causalmente relacionados uns aos outros pelo fato de serem alternativas de escolha. Seu nexo causal é escassez – o fato de que a escolha de um curso de ação impede a realização de todas as outras ações que também poderiam ter sido escolhidas. A escolha da única alternativa causa necessariamente a renúncia das outras.

Nossa análise comparativa fornece insights sobre as consequências relativas de escolher uma, em vez da outra – independentemente de qual delas seria realmente escolhida. Se essas conseqüências relativas são invariantes, como no presente caso, identificamos uma lei econômica, isto é, uma relação necessária entre as alternativas de escolha, por um lado, e suas consequências relativas, por outro. No presente caso, como vimos, a lei pode ser formulada da seguinte forma: “A produção mais rotatória é mais produtiva (em termos físicos) do que a produção menos rotatória”.

Agora, suponha que apliquemos essa lei para explicar o comportamento observado. Então a lei ainda mantém sua natureza comparativa, mas a comparação não é mais puramente hipotética. Ele se transforma em uma comparação contrafactual quando comparamos o comportamento observado a cursos alternativos de ação que também poderiam ter sido escolhidos.8 Por exemplo, se observarmos Smith caçando coelhos com arco e flecha, poderíamos explicar: “Smith mata mais coelhos do que ele poderia ter matado com as próprias mãos, porque ele tirou um tempo para fazer primeiro arco e flechas “. E com a mesma exatidão, aqueles que vêem o copo meio vazio explicariam: “Smith mata muito menos coelhos do que ele poderia ter matado porque não tirou tempo suficiente para primeiro fazer uma espingarda”.

O individualismo metodológico não desempenha nenhum papel nesta demonstração. Tampouco teria desempenhado algum papel se tivéssemos examinado os outros três exemplos iniciais em mais detalhes. A razão é que ela serve um tipo muito diferente de explicação do que a oferecida pela teoria econômica. Isso serve para explicar o comportamento observado como resultante diretamente de motivações individuais (contingentes) que motivaram esse mesmo comportamento. Em contrapartida, as leis econômicas servem para explicar as causas (invariantes) e as consequências do comportamento humano em comparação com cursos de ação alternativos e completamente diferentes que estão relacionados ao comportamento observado através do nexo a priori de escassez.

O individualismo metodológico, portanto, não é uma espécie de fundamento básico sobre o qual erigimos o edifício da teoria econômica. Na verdade é o contrário. Somente se primeiro tivermos uma teoria econômica correta, poderemos aplicar com sucesso o individualismo metodológico para reconstruir o surgimento de fenômenos agregados. Por exemplo, na explicação mingauiana da origem do dinheiro, o ponto de partida é o fato de que a troca indireta em todos os momentos e lugares cria mais oportunidades de troca do que o escambo. Se não fosse por essa lei econômica, a explicação de Menger sobre a origem do dinheiro não faria qualquer sentido. Se a troca indireta fosse mais benéfica do que escambo apenas em alguns momentos e lugares, mas não em outros; ou se a prata fosse mais adequada como meio de troca do que a manteiga apenas em alguns momentos e lugares, mas não em outros; então não se pode argumentar que a técnica da troca indireta se torna cada vez mais difundida através de um processo de aprendizagem e imitação. As pessoas só podem aprender sobre algo se esse algo permanecer constante ao longo do tempo. É somente porque existe uma lei econômica em jogo que se pode aplicar com sucesso o individualismo metodológico para explicar a origem do dinheiro.

V

O individualismo metodológico é uma ferramenta preciosa para a análise histórica. Mas não é uma fundação da teoria econômica. Poder-se-ia, é claro, definir a teoria econômica num sentido tão amplo que incluísse até mesmo os elementos que são de fato obtidos com a ajuda do individualismo metodológico, como a explicação de Menger sobre a origem ou o dinheiro. Mas isso seria uma finesse puramente verbal. Existe uma diferença fundamental entre o caráter lógico das explicações baseadas nas leis econômicas, por um lado, e o caráter lógico das explicações baseadas no individualismo metodológico, por outro. O objetivo do ensaio acima foi enfatizar e explorar essa diferença.


1.The expression “methodological individualism” has been coined by Schumpeter. See J.A. Schumpeter, “Der methodologische Individualismus,” Wesen und Hauptinhalt der theoretischen Nationalökonomie (Leipzig : Duncker & Humblot, 1908), part I, chap. VI, pp. 88–98.

2.See in particular L. von Mises, “The Principle of Methodological Individualism,” Human Action (Scholar’s edition, Auburn, Ala.: Mises Institute, 1998 [1949]), chap. 2, sect. 4 ; F.A. Hayek, “The Individualist and ‘Compositive’ Method of the Social Sciences,” The Counterrevolution of Science (Indianapolis: Liberty Press, 1979 [1952]), pp. 61–76 ; L. Lachmann, The Legacy of Max Weber (Berkeley: Glendessary Press, 1971), pp. 37–43 and passimidem, “Methodological Individualism and the Market Economy,” Capital, Expectations, and the Market Process (Kansas City: Sheed Andrews & McMeel, 1977), pp. 149–165; M.N. Rothbard, “Praxeology as the Method of the Social Sciences,” The Logic of Action (vol. 1, Aldershot: Elgar, 1997), in part. pp. 52–57; F. Machlup, “Ludwig von Mises: The Academic Scholar Who Would Not Compromise,” Wirtschaftspolitische Blätter, vol. 28, no. 4 (1981); E. Butler, Ludwig von Mises — Fountainhead of the Modern Microeconomics Revolution (Aldershot: Gower, 1988), preface.

3.This has been famously argued by Carl Menger, Untersuchungen zur Methode der Socialwissenschaften und der politischen Oekonomie insbesondere (Leipzig: Duncker & Humblot, 1883), Bk. III, chap. 2, pp. 153–171.

4.Individual value judgments and actions “are ultimately given as they cannot be traced back to something of which they would appear to be the necessary consequence. If this were not the case, it would not be permissible to call them an ultimate given. But they are not, like the ultimate given in the natural sciences, a stopping point for human reflection. They are the starting point of a specific mode of reflection, of the specific understanding of the historical sciences of human action.” Mises, Theory and History (New Haven: Yale University Press, 1957) p. 310, emphasis added.

5.Mises, Theory and History, p. 183.

6.See Menger, Grundsätze der Volkswirtschaftslehre (Vienna: Braumüller, 1871), pp. 250–260; idemUntersuchungen, pp. 171–183.

7.On the theory of the emergence and decline of language communities see Mises, Nation, State, and Economy (New York: New York University Press, 1983), chap. 1. On redistribution effects of money production see idemTheory of Money and Credit (Indianapolis: Liberty Fund, 1980), chap. 12. For a discussion of the theory of the division of labor see Hülsmann, “Discursive Rationality and the Division of Labor: How Cooperation Emerges,” American Journal of Economics and Sociology, vol. 58, no. 4, pp. 713–727.

8.See Hülsmann, “Fact and Counterfactuals in Economic Law?” Journal of Libertarian Studies, vol. 17, no. 1, pp. 57–102.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s