Gerald Cotten, o agora falecido co-fundador da falida exchange QuadrigaCX, transferiu fundos de usuários para suas contas pessoais, de acordo com um novo relatório da Ernst & Young (EY).

O monitor e o administrador nomeados pelo tribunal para investigarem a QuadrigaCX, segundo o quinto relatório publicado pelo EY na Quarta-Feira, dia 19, afirmando que “volumes significativos” de criptomoeda de usuário foram transferidos da QuadrigaCX para outras exchanges concorrentes em contas pessoais controladas por Cotten.

Esses fundos foram então negociados nas exchanges concorrentes e, em alguns casos, usados ​​como garantia para uma conta de margem de transações criada pelo Cotten, disse a EY.

O relatório afirmou ainda que a infraestrutura operacional da QuadrigaCX era “significativamente falha em termos de relatórios financeiros e de controle operacional”.

Também não havia registros contábeis, nenhuma segregação de ativos entre fundos da QuadrigaCX e fundos de usuários e nenhuma visibilidade da rentabilidade, de acordo com o relatório.

QuadrigaCX entrou em colapso no começo deste ano, após a morte repentina de Cotten em dezembro do ano passado. Cotten era a única pessoa que tinha a senha para acessar os cerca de 260 milhões de dólares armazenados em carteiras frias (cold wallets)

A EY, em seu último relatório publicado em maio, disse que a QuadrigaCX tem apenas US$ 21 milhões em ativos, mas deve aos credores US$ 160 milhões.

No início deste mês, o Federal Bureau of Investigation (FBI) também iniciou uma investigação sobre a QuadrigaCX, buscando informações das vítimas sobre se alguma vez retiraram moedas fiduciárias da exchange e usaram contas bancárias nativas dos EUA para realizar quaisquer transações.

Fonte: The Block Crypto