Diz-se que o gigante das mídias sociais está em conversações com empresas, incluindo Visa e Mastercard, para apoiar e financiar sua criptomoeda lastreada em moedas fiduciárias. Um relatório de quinta-feira do The Wall Street Journal, citando “pessoas familiarizadas com o assunto”, disse que o Facebook está trabalhando há mais de um ano para lançar uma plataforma de pagamentos baseada em stablecoin. O projeto, chamado internamente de “Projeto Libra”, visa o desenvolvimento de uma criptomoeda a qual permita que os bilhões de usuários da empresa enviem dinheiro entre si, além de fazer compras online. Juntamente com a Visa e a Mastercard, o Facebook conversou com a empresa de serviços financeiros First Data Corp. com o objetivo de levantar cerca de US$ 1 bilhão como garantia para que a stablecoin fique protegida contra volatilidade.

A empresa também está em discussões com empresas de comércio eletrônico, também para angariar fundos e para obter apoio e aceitação para a stablecoin, de acordo com o relatório. O Facebook também pode pagar os usuários na moeda digital para visualizar anúncios, bem como permitir que os anunciantes aceitem o token para mercadorias e, posteriormente, paguem por mais anúncios com ele. Notavelmente, o Facebook tem como objetivo eliminar as taxas de furto e processamento de cartões, geralmente em torno de 2% a 3%, pagas pelos comerciantes em cada transação para bancos e processadores de pagamentos e redes. “Se for bem sucedido, o projeto ameaça o domínio das redes de cartões sobre os pagamentos globais”, diz o WSJ.

Em dezembro, relatórios sugeriram que podem primeiro se concentrar no mercado indiano para permitir que os usuários transfiram dinheiro através da criptomoeda no WhatsApp, que foi adquirido em 2014 pelo Facebook. Ross Sandler, analista do Barclays, estimou recentemente que o projeto da criptomoeda do Facebook poderia render de US$ 3 bilhões a US$ 19 bilhões em receita adicional até 2021.

A empresa montou sua divisão blockchain em maio do ano passado, aparentemente para explorar a tecnologia. Desde então, a empresa vem expandindo essa equipe com novas contratações. Atualmente, conta com cerca de 22 posições abertas relacionadas à blockchain, incluindo especialistas jurídicos, engenheiros de dados, gerentes de marketing e muito mais. No início deste ano, o Facebook também contratou funcionários da Chainspace, uma startup especializada em escalar blockchains por meio de um processo conhecido como fragmentação.

Fonte: Coindesk