Os gêmeos Winklevoss apareceram no CBS Sunday Morning neste fim de semana, dias antes de seu rival, Mark Zuckerberg, se preparar para anunciar a nova criptomoeda do Facebook. Tyler e Cameron disseram à CBS que não estão preocupados com o lançamento da moeda Libra. “Há oportunidade demais para crescer”, disse Cameron.

Ainda assim, há uma parte importante do império de moedas dos gêmeos com o qual a moeda do Facebook quase certamente se alimentará: o Gemini Dollar (GUSD).

Tyler e Cameron compartilham uma relação tensa com o ex-amigo Mark Zuckerberg. Eles acusaram o CEO e co-fundador do Facebook de roubar a ideia da rede social e ganharam um processo judicial que arrecadou US$ 65 milhões em um acordo. Os irmãos passaram a aproveitar o potencial da indústria de blockchain e criptomoedas e fundaram uma nova empresa que administra o intercâmbio de criptomoedas, a Gemini, fora do mercado regulado do Estado de Nova Iorque. Eles também lançaram o Gemini Dollar (GUSD), uma stablecoin baseada no Ethereum lastreada ao Dólar Americano (USD).

Zuckerberg está agora entrando em um território semelhante com a moeda Libra, uma oferta de stablecoin do Facebook que busca pavimentar o caminho para o negócio de pagamentos da empresa. Como os ex-colegas de Harvard trabalham no mesmo setor, eles podem agora ser pressionados a superar suas diferenças devido a interesses comerciais.

A força disruptiva que o Facebook traz para a indústria de criptomoedas não incomoda os gêmeos. O Financial Times também relatou em Maio que os gêmeos tiveram conversas com Zuckerberg sobre a moeda digital.

De acordo com Tyler, os irmãos tiveram o seu “momento eureka” com o Bitcoin quando começaram a vê-lo como dinheiro que funciona como um e-mail. Eles acreditavam que o Bitcoin iria atrapalhar o ouro, um ativo com um valor de mercado de US$ 7 trilhões na época.

Os Winklevoss supostamente compraram Bitcoin originalmente quando custavam apenas 8 ou 9 dólares.

Fontes: Yahoo e Daneel