O setor público consolidado brasileiro teve déficit primário de 14,9 bilhões de reais em Fevereiro. Ele teve uma melhora comparada ao mesmo mês do ano passado, quando o rombo havia sido de 17,4 bilhões.

O principal responsável pelo déficit, o governo central (governo federal, Banco Central e Previdência), ficou no vermelho em 20,6 bilhões de reais em Fevereiro, porém com o superávit dos estados e municípios, das estatais e também o corte de gastos, o déficit deu uma amenizada de 5,7 bilhões.

Em 2018, o déficit primário alcançou 120,3 bilhões. Para o ano de 2019, a meta é de um rombo primário de 139 bilhões, sexto resultado consecutivo no vermelho. Apesar disso, alguns especialistas dizem que o rombo terá uma queda considerável de 39,4 bilhões este ano, caso aquilo que foi prometido pelo novo governo seja cumprido.

Quanto à dívida bruta, os cálculos para 2019 e 2020 apresentaram uma pequena melhora. Neste ano, a dívida deve fechar a 78% do Produto Interno Bruto (PIB), sobre 78,2% no relatório anterior.