O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou que as investigações sobre ofensas a ministros da corte tivessem início nessa manhã de Quinta-Feira (21). As buscas correrão de forma sigilosa e serão efetuadas por agentes da Polícia Federal em São Paulo e Alagoas.

Na última Quinta-Feira (14), o presidente do Supremo, Dias Toffoli, anunciou que iria abrir uma investigação para verificar “notícias fraudulentas”, ameaças e ofensas a ministros do tribunal.

Alvo das investigações

Um dos alvos das buscas, o advogado Adriano Laurentino de Argolo, disse que não era o autor de muitas das postagens que foram atribuídas a ele e que teve suas redes sociais clonadas. A Secretaria de Segurança de Indaiatuba afirmou que a Polícia Federal já cumpriu o mandato de apreensão dos equipamentos de Argolo.

Caso semelhante ao que ocorreu com o Trader e Digital Influencer, Daniel Fraga, que está fora do alcance das buscas, respondendo por um processo de calúnia e injúria por ter usado a imagem dos dois auditores federais como tema de seu vídeo e de ter chamado os dois de “os piores bandidos que existem”, os quais teriam como única função “roubar as pessoas”. Fraga teve sua conta bancária com apenas R$ 15,00 (quinze reais) aberta. Seu paradeiro atual ainda é desconhecido.