Projeto de lei visa incluir um código de ética para profissão, semelhante aos dos jornalistas. Além de regular a carga horária trabalhada.
 
Na quarta-feira, 31 de outubro, dia de halloween, um projeto de lei assombrou os internautas. Foi apresentadana câmara dos deputados uma PL, a fim de regulamentar a profissão de Youtuber. Segundo o autor, o deputado Eduardo da Fonte, do Progressistas de Pernambuco, a lei protegeria o profissional, muitas vezes autônomo de contratos abusivos e altas cargas horárias.
Todos nós sabemos que no Brasil a teoria é linda e a prática é perversa. Prova disso é que o projeto só visaàqueles que divulgam seus trabalhos no Youtube.Justamente o site que mais lucra com publicidade. Curioso, não? Ainda segundo a Proposta, aqueles que não possuíssem certa quantidade de seguidores também estariam isentos. Traduzindo, aqueles cujo rendimento não interessa ao Estado, não irão ser coercitivamente cobrados.
É claro que uma vez aprovada, seria mais um meio do Estado poder cobrar impostos sobre os Youtubers. Muitos inclusive não abrem empresas e se mantém como autônomos para fugir deste absurdo que é empreender no Brasil. Mas o Estado sempre encontra uma brecha. 

 

A ótica libertária

O projeto ainda não foi encaminhado para o presidente da câmara, Rodrigo Maia. Esperamos que Maia nem sequer apresente a supra citada para o parlamento. Imagina em quarenta anos começarmos a ter Youtubers aposentados. Sei que soa ridículo, mas uma vez posto em lei, terá de figurar na carteira de trabalho.