Por: Murray N. Rothbard

Nosso país é assolado por muitos mitos econômicos que distorcem o pensamento público sobre problemas importantes e nos levam a aceitar políticas governamentais insalubres e perigosas. Aqui estão dez dos mais perigosos desses mitos e uma análise do que está errado com eles. (Murray N. Rothbard)

Mito 1: “Déficits são a causa da inflação” ou “Os déficits não têm nada a ver com a inflação.” (duplo)

Nas últimas décadas, sempre tivemos déficits federais. A resposta invariável do partido fora do poder, qualquer que seja, é denunciar esses déficits como sendo a causa de nossa inflação crônica. E a resposta invariável de qualquer partido que esteja no poder tem sido alegar que os déficits não têm nada a ver com a inflação. Ambas as declarações opostas são mitos.

Déficits significam que o governo federal está gastando mais do que arrecadando em impostos. Esses déficits podem ser financiados de duas maneiras. Se eles são financiados pela venda de títulos do Tesouro ao público, então os déficits não são inflacionários. Nenhum dinheiro novo é criado; as pessoas e as instituições simplesmente sacam seus depósitos bancários para pagar os títulos, e o Tesouro gasta esse dinheiro. O dinheiro foi simplesmente transferido do público para o Tesouro, e então o dinheiro é gasto em outros membros da esfera pública.

Por outro lado, o déficit pode ser financiado pela venda de títulos ao sistema bancário. Se isso ocorrer, os bancos criam dinheiro novo, criando novos depósitos bancários e usando-os para comprar os títulos. O dinheiro novo, na forma de depósitos bancários, é então gasto pelo Tesouro. Assim entra permanentemente no fluxo de gastos da economia, elevando os preços e causando inflação. Por um processo complexo, o Federal Reserve permite que os bancos criem o novo dinheiro, gerando reservas bancárias de um décimo desse montante. Assim, se os bancos quiserem comprar $100 bilhões em novos títulos para financiar o déficit, o FED compra aproximadamente $10 bilhões em títulos do Tesouro. Essa compra aumenta as reservas bancárias em $10 bilhões, permitindo que os bancos façam a criação de novos depósitos bancários ou dinheiro em dez vezes esse valor. Em suma, o governo e o sistema bancário que ele controla efetivamente “imprimem” dinheiro novo para pagar o déficit federal.

Assim, os déficits são inflacionários conforme são financiados pelo sistema bancário; eles não são inflacionários quando são subscritos pelo público.

Alguns formuladores de políticas apontam para o período de 1982-83, quando os déficits estavam se acelerando e a inflação diminuindo, como uma “prova” estatística de que não existe relação entre déficits e a inflação. Isso não é prova alguma. Mudanças gerais de preços são determinadas por dois fatores: a oferta e a demanda por dinheiro. Durante 1982-83, o FED criou dinheiro novo a uma taxa muito alta, aproximadamente 15% ao ano. Muito disso foi destinado ao financiamento do déficit em expansão. Mas, por outro lado, a severa depressão desses dois anos aumentou a demanda por dinheiro (isto é, diminuiu o desejo de gastar dinheiro em bens), em resposta às severas perdas de negócios. Esse aumento temporariamente compensatório da demanda por moeda não faz com que os déficits sejam menos inflacionários. Na verdade, à medida que a recuperação avança, os gastos aumentarão e a demanda por dinheiro cairá, e o gasto do novo dinheiro acelerará a inflação.

Os déficits são inflacionários na medida em que são financiados pelo sistema bancário; eles não são inflacionários na medida em que são subscritos pelo público. (Murray N. Rothbard)