No Fórum Econômico Mundial de 2020, em Davos, Bob Prince, co-chefe de investimentos da Bridgewater Associates, chamou a atenção quando sugeriu em uma entrevista à imprensa que o ciclo de boom e bust, como o conhecemos nas últimas décadas, pode ter terminado. Este ponto de vista pode muito bem ter sido encorajado pelo fato de que a última ascensão econômica (“boom”) está acontecendo há cerca de uma década e que um fim não está à vista, como sugerido pelos dados macro e microeconômicos recebidos.

Mas será que isso não rejeitaria a visão-chave da teoria austríaca dos ciclos econômicos (TACE), que diz que um boom, provocado por taxas de juros de mercado artificialmente reduzidas e injeções de novos créditos e dinheiro produzido “do nada”, deve eventualmente terminar em um bust? No que se segue, vou lembrar da mensagem chave da TACE e delinear as “condições especiais” que devem ser tidas em conta se a TACE for aplicada a desenvolvimentos do mundo real. Contra este pano de fundo, podemos então formar uma visão sobre como a próxima crise pode parecer.

O que a TACE diz

A TACE é na verdade uma “teoria da crise”, e explica as consequências mais amplas se e quando os bancos centrais, em estreita cooperação com os bancos comerciais, aumentarem a quantidade de dinheiro na economia através da expansão do crédito – isto é, um aumento dos empréstimos bancários que não é apoiado por poupanças reais. O aumento da circulação da oferta de crédito inicialmente baixa a taxa de juro do mercado abaixo do seu “nível natural” ou, “o nível da taxa de juro originário”, para utilizar o termo da escola austríaca.

A taxa de juros de mercado artificialmente reduzida desencoraja a poupança e incentiva a expansão do consumo e do investimento. A economia entra em um boom. Entretanto, após a injeção inicial de novos créditos e dinheiro ter tido seu impacto nos preços e salários, as pessoas começam a perceber que a expansão econômica foi pontual. As pessoas retornam aos seus racionamentos poupança-consumo-investimento de antes do boom, o que significa que a taxa de juro do mercado regressa finalmente ao nível mais elevado da taxa de juro originário. Este é o próprio processo que faz com que o boom se torne um fracasso.

Para evitar que o boom se transforme em falência, os bancos centrais tomam medidas para fazer baixar ainda mais as taxas de juro do mercado. Pois se a taxa de juros de mercado cair ainda mais, a estrutura de produção e emprego pode ser mantida e o boom pode continuar. Em outras palavras: a trajetória das taxas de juros de mercado – que na verdade são uma representação de como as pessoas alocam seus rendimentos para poupança, consumo e investimento – é a questão crucial no ciclo de “boom-and-bust”. E é aqui que os bancos centrais têm assumido cada vez mais o controle.

Controlando as taxas de juros

Desde a crise financeira e econômica de 2008/2009, os bancos centrais, mais do que nunca, assumiram o controle das taxas de juros do mercado. Já não se limitam a fixar as taxas de juro de curto prazo, mas esperam também controlar as taxas de juro com prazos mais longos. De fato, os bancos centrais começaram também a fixar taxas de juro de longo prazo, através da compra, digamos, de obrigações governamentais, obrigações hipotecárias, obrigações empresariais e obrigações bancárias. Desta forma, eles influenciam diretamente os preços das obrigações e, portanto, seus rendimentos. As taxas de juro de mercado já não são determinadas em um “mercado livre”.

As taxas de juro do mercado não só foram distorcidas e fixadas a um nível demasiado baixo através das políticas dos bancos centrais, como também são impedidas de regressar a níveis economicamente sensíveis. Pelo menos é isso que os agentes do mercado financeiro parecem pensar: eles assumem que os bancos centrais continuarão a cuidar do mercado de crédito – eles sabem que se e quando as taxas de juro do mercado subirem, o boom sem dúvida se transformará em uma quebra, algo que os bancos centrais desejam evitar a todo custo.

E dado o poder basicamente ilimitado dos bancos centrais na determinação dos preços das obrigações e, portanto, dos rendimentos das obrigações, nenhum investidor (no seu perfeito juízo) vai querer apostar contra a autoridade monetária. Na verdade, os investidores têm um grande incentivo para negociar os preços das ações no nível que eles acham que o banco central gostaria de estabelecer no mercado. Em outras palavras: se o mercado achar que o banco central não quer taxas de juros mais altas, as taxas de juros permanecerão artificialmente baixas.

Atenção à “Rede de Segurança”.

Ao controlar as taxas de juro do mercado, os bancos centrais colocaram, de fato, uma “rede de segurança” sob as economias e os mercados financeiros. Como os bancos centrais sinalizaram ao público que se sentem responsáveis por uma economia saudável e, em particular, por assegurar que a “estabilidade do mercado financeiro” prevaleça, os investidores podem colocar dois e dois juntos: se as economias ou os mercados financeiros chegarem à beira do colapso, os investidores podem esperar que os bancos centrais intervenham, combatendo a crise iminente. Este entendimento encoraja os investidores a assumir riscos adicionais, a intensificar os seus investimentos e a ignorar e subestimar o risco.

A “rede de segurança” dos bancos centrais não é apenas uma ferramenta poderosa para sustentar o boom, é também uma intervenção bastante sutil e furtiva nos mercados de capitais. Com efeito, ela traz consigo um mercado financeiro totalmente manipulado: os preços são mais altos e os rendimentos são menores do que o que as forças de mercado desimpedidas justificariam. As políticas de rede de segurança dos bancos centrais equivalem a uma manipulação do sistema de mercado na maior escala possível. Com basicamente todos os preços e todos os rendimentos do mercado distorcidos, a economia e os mercados financeiros entram num regime de “hall of mirrors”, onde consumidores e empresas inevitavelmente se desorientam e tomam decisões erradas.

Contudo, sob tais condições, o boom pode ser mantido por muito mais tempo em comparação com um cenário em que as forças livres do mercado são autorizadas a fazer o seu trabalho – ou seja, estabelecer preços de ativos financeiros, bem como inflação, crédito e prêmios de liquidez de acordo com as realidades do mundo real. Contudo, o ambiente atual é bastante diferente: os bancos centrais, em sua tentativa de evitar que o atual boom se transforme em outra falência, corromperam efetivamente os papéis vitais que os mercados financeiros e as taxas de juros de mercado desempenham em um sistema de mercado livre.

O papel da taxa de juro originário

Seria um erro concluir que um boom pode ser mantido indefinidamente se os bancos centrais baixarem a taxa de juro do mercado para zero, ou mesmo empurrá-la para território negativo. De fato, sem uma taxa de juros de mercado positiva (em termos reais), a economia moderna, que repousa na divisão do trabalho e em complexos processos de “rotunda de produção”, não poderia existir. Esta é uma visão derivada da teoria austríaca da preferência temporal da taxa de juros [1]. Em poucas palavras, a preferência pelo tempo significa que o homem agindo valoriza mais a satisfação antecipada de uma necessidade do que a satisfação da mesma necessidade em um momento posterior.

A manifestação da preferência pelo tempo no mercado é a “taxa de juros originária”. Ela denota o desconto de valor que um bem que está disponível no futuro sofre em comparação com o mesmo bem que está disponível atualmente. A preferência de tempo do homem atuante e, portanto, sua taxa de juros originária são, por razões lógicas, sempre e em todos os lugares positivos. Eles podem muito bem aproximar-se de zero, mas nunca podem chegar a zero, muito menos tornar-se negativos. Esta é uma visão significativa, pois nos diz o que aconteceria se a taxa de juros de mercado caísse para zero: a economia de mercado moderna se desintegraria. É por isso:

Todo o homem interino carrega, por assim dizer, uma taxa de juro originária positiva em si mesmo. Assim, se a taxa de juro de mercado fosse zero, ninguém mais colocaria a sua poupança em processos de produção demorados. As pessoas não estariam dispostas a oferecer as suas poupanças para investimentos de substituição ou novos investimentos. Simplesmente as acumulariam “sob seus colchões”. O consumo de capital se instalaria. Em outras palavras: ao reduzir a taxa de juros de mercado para zero, os bancos centrais destruiriam a economia de mercado com sua divisão de trabalho, como a conhecemos hoje.

O Fim do Jogo

Nos últimos anos, a maioria dos bancos centrais tem-se concentrado em políticas que empurram para baixo determinados tipos de rendimentos de mercado, em particular os dos mercados de financiamento da dívida pública, dívida hipotecária e dívida bancária. Contudo, as consequências de tais ações são cada vez mais sentidas em outros mercados de ativos. Numa procura de rendimentos, os investidores usam cada vez mais os seus fundos para comprar, digamos, ações e bens imobiliários. Como resultado, esses preços dos ativos sobem, diminuindo assim seus retornos futuros. Em outras palavras: a política de taxa de juros zero dos bancos centrais arrasta basicamente todos os tipos de rendimentos com ela. Isto pode continuar por um bom tempo.

Mas quando todas as taxas de juro do mercado atingem zero, o verdadeiro problema começa: o boom transforma-se em falência. Os mercados de crédito fecham, os mutuários não podem mais rolar sua dívida vencendo, e nenhum investidor está disposto a emprestar novos fundos. Para evitar a inadimplência de crédito e o colapso da pirâmide da dívida, os bancos centrais presumivelmente entrariam como “emprestadores de último recurso”, refinanciando basicamente todos os tipos de mutuários necessitados. Começaria uma política de inflação descarada. No entanto, o consumo de capital e a regressão econômica entrariam em cena. O nível de vida das pessoas seria ensoberbecido; muitos seriam atirados para a miséria.

A aplicação da TACE aos desenvolvimentos do mundo real produz as seguintes percepções: Os bancos centrais não fizeram nada para pôr um fim ao ciclo de “boom-and-bust”. Ao invés disso, suas intervenções inescrupulosas nos mercados de crédito apenas prolongam o “boom”. No entanto, seria um erro assumir que, ao trazer as taxas de juro do mercado a zero, um boom perpétuo poderia ser criado. Tal política é autodestrutiva: uma vez que todas as taxas de juros do mercado tenham sido arrastadas para zero, o sistema econômico capitalista entrará em colapso. Então – no último momento – o boom se transformará definitivamente em colapso.

Nota do Editor

[1]: também ver Teoria Positiva do Capital por Eugen Von Bohm Bawerk Vol I e II para mais informações a respeito de como a preferência temporal influi na estrutura produtiva.


Escrito por Thorsten Polleit
Traduzido por Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por Pedro Micheletto Palhares (@DevilSSSlayer)