Há alguns ciclos de notícias — antes do surto do Corona nos ter abraçado, os bancos centrais enlouquecerem e os governos terem feito seu pior — as árvores foram por pouco tempo toda a fúria. Passando do medo apocalíptico de as cortar para esquemas utópicos de plantação, os debates sobre as árvores quase nunca pareciam equilibrados. Desta vez, se você se lembra, era sobre planos grandiosos de plantar um trilhão de árvores para resolver a mudança climática; Trump disse que assinaria a iniciativa e todos fizeram fila para elogiá-lo ou criticá-lo de acordo.

As coisas normais da mídia

Ninguém, parecia, parou para pensar se plantar árvores era uma boa ideia. E onde seria uma boa ideia reflorestar a natureza. Tudo o que todos podiam falar era sobre os serviços climáticos das florestas e como era impressionante que mesmo um país pobre como a Etiópia conseguisse plantar 350 milhões de árvores em um único dia no verão passado (não importa se esse número era mesmo remotamente exatos ou se esse era o melhor uso de recursos escassos em um país muito pobre).

A maioria dos países ricos já está re-cultivando suas florestas, pois suas economias modernas precisam de menos espaço para operar e seus consumidores modernos estão dispostos a pagar pela paz e tranquilidade adicionais (e sim, serviços climáticos) proporcionados pelas grandes e prósperas florestas. Em seu livro ‘More From Less‘, Andrew McAfee mostrou que, desde 1982, os EUA já devolveram à natureza uma área do tamanho do estado de Washington: “Depois de pararmos de cultivar a terra, ela eventualmente reverte para a floresta.”

Enquanto os EUA podem devolver terras à natureza, os países pobres ainda estão desmatando suas florestas, transformando florestas em terras de cultivo, lenha e madeira para exportação — como mostra claramente o The Big Amazonian Scare, de Agosto do ano passado. Ao contrário da opinião popular, países pobres desmatando algumas florestas é uma coisa boa: pessoas pobres e indigentes usam os bens que controlam para alimentar suas famílias e promover seu bem-estar econômico. Os países pobres deveriam derrubar mais árvores — não gastar seus escassos recursos plantando-as!

Árvores, Lobos e o que é o Grande Barulho

O escritor científico britânico Matt Ridley tem esta esplêndida história sobre as populações de lobos, tigres e leões. Os lobos, diz ele, estão aumentando; os tigres permanecem estáveis; e as populações de leões estão caindo. Como assim? Fácil, diz Ridley: os lobos vivem em países ricos, os tigres em países de renda média, e os leões em países pobres.

Esta história ilustra algo que tem sido óbvio para aqueles de nós que se preocupam em perceber que as capacidades produtivas de uma população são o que impulsiona seu desejo de proteger o meio ambiente. A proteção ambiental, o cuidado com a vida selvagem, com os rios e oceanos e com a qualidade do ar só se tornam objetivos valiosos após algumas necessidades econômicas básicas serem satisfeitas. Eles são bens “de luxo”, assumindo posições superiores na hierarquia das necessidades Maslow e só entram em jogo depois de um certo nível de renda ter sido alcançado.

As árvores, ao que parece, enfrentam uma história semelhante à dos ferozes predadores de Ridley. Os países ricos estão reflorestando, os países de renda média estão mantendo suas florestas e os países pobres estão desmatando.

Um artigo recente do Banco Mundial e pesquisadores do Instituto Tinbergen com o autor principal Bo Andrée, oferece algumas evidências convincentes dessa curva de Kuznets para o desmatamento. Em níveis de renda extremamente baixos, o desmatamento florestal de agricultores de subsistência para lenha geralmente não é suficiente para superar o crescimento natural das florestas, e assim os níveis de desmatamento total permanecem baixos. Em níveis de renda um pouco mais altos, onde as pessoas ainda pobres começam a liquidar seriamente os ativos de suas florestas – seja desmatando-as para atividades economicamente mais produtivas, como a agricultura, ou através da exploração madeireira em larga escala para exportação – as taxas de desmatamento aumentam rapidamente.

Geralmente é aqui que a análise termina, e os membros ecologicamente conscientes de nossa sociedade soam o alarme: as florestas estão encolhendo, e devemos fazer tudo ao nosso alcance para impedir que as pessoas pobres prejudiquem a natureza. Acrescente à mistura alguma inclinação irada contra o capitalismo e o consumismo sedento de matérias-primas, de tal forma que a culpa final é colocada aos pés dos ocidentais.

Numa linguagem que implica esta destruição como apocalíptica, mas segura, é introduzida a métrica totalmente não-científica de “campos de futebol/minuto” para descrever o ritmo de limpeza da floresta tropical. Quase nunca é essa medida vívida posta em perspectiva ao relatar o impressionante número de campos de futebol que mede as florestas da maioria dos países.

Só a área da parte brasileira da Amazônia é mais de um bilhão de campos de futebol, deixando o Brasil com mais 750 anos de floresta amazônica do tamanho de um campo de futebol para limpar. Isto não quer dizer que os brasileiros possam cortar com segurança a Amazônia por séculos, pois pode haver pontos de ruptura e ciclos de retorno antes disso; ao contrário, isto é para ilustrar que as áreas indescritivelmente grandes desmatadas são igualadas pela extensão ainda mais insondável da maior floresta tropical do mundo.

Ao contrário das visão míope dos ativistas ambientais, o aumento da taxa de desmatamento de um país que acompanha o seu desenvolvimento precoce não se prolonga indefinidamente. Em algum momento, outras atividades econômicas se tornam mais lucrativas e o maior padrão de vida que se pode alcançar com essa renda alternativa permite que as pessoas paguem por um ambiente mais limpo e florestas restauradas.

A literatura sobre desmatamento e desenvolvimento econômico sugere alguns números limiares para quando essa mudança parece acontecer. Matt Ridley citou um nível de PIB/capita de US$4.500 dólares. Um número mais recente de Jesús Crespo Cuaresma e co-autores, relatou US$5.500 dólares internacionais de poder de compra ajustados em 2005.

Para ter uma ideia aproximada do que estamos a ver, descarreguei dados florestais da Avaliação Global de Recursos Florestais 2015 da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura e do PIB/capita de poder de compra do Banco Mundial para 2015 (o último ano que o relatório da FRA cobre). Alguns países não reportam números ou são muito pequenos para ter muito impacto (Estados insulares micronésios ou caribenhos) e outros têm números não confiáveis de PIB (por exemplo, Cuba e Coréia do Norte). Depois de excluí-los, acabo com uma amostra de 134 países que cobrem 93% da área terrestre, abrangendo mais de 95% das pessoas que a habitam:

Source: World Bank and UN Global Forest Resource Assessment 2015 (link downloads data)
Note: for 12 countries where biomass stock data was missing, change in tree cover data was used; for 8 countries missing recent data I substituted 5-year trends with 25-year trends (1990-2015).

Nota: para 12 países onde faltavam dados de estoque de biomassa, foram utilizados dados de mudança na cobertura de árvores; para 8 países onde faltavam dados recentes, substituí tendências de 5 anos por tendências de 25 anos (1990-2015).

Não controlar para outros fatores (como urbanização, geografia, reservas de petróleo, tumulto político ou extensão inicial das florestas) e olhar apenas para um período de tempo (2010-2015), obviamente limita o que podemos dizer sobre esta simples parcela. Ainda assim, a relação descritiva entre renda e desmatamento sustenta o que Ridley, Cuaresma e outros há muitos vêm argumentando: o reflorestamento está positivamente associado a níveis de renda mais altos.

Alguns países com negócios madeireiros prósperos, como o Canadá ou a Suécia, ainda extraem uma quantidade notável de madeira de suas florestas, mas são ricos o suficiente para tratar suas florestas como ativos de longo prazo, deixando a taxa de crescimento de suas florestas exceder a taxa de derrubada de árvores. Em estágios iniciais do desenvolvimento desses países isso não acontecia, pois suas florestas abundantes serviam como fontes de energia primária, matéria-prima e receitas de exportação.

A razão pela qual países igualmente pobres hoje devem ser impedidos ou persuadidos a não usar seus recursos naturais como julgam conveniente não é apenas historicamente ignorante, mas um tanto cruel. O limite para o desmatamento líquido zero neste simples lote de dispersão está em torno de $17.000 (PPP) – apenas tímido de onde o Brasil está hoje.

Antes de um país atingir níveis de renda dessa magnitude, a preocupação com o desmatamento parece totalmente descabida.

E o Brasil e a Amazônia?

Como em muitas coisas, o Brasil é o ponto médio do próprio mundo. Longe de ser um outlier que continua cortando a floresta tropical com o fervor de alguém que despreza patologicamente a natureza, a taxa de desmatamento do Brasil é exatamente onde esperaríamos que fosse dado o seu nível de renda. Os 9762 km2 de floresta amazônica desmatada entre agosto de 2018 e julho de 2019, que tiveram o mundo inteiro à beira do abismo no verão passado, foi um rápido aumento ao longo dos últimos anos, com um nível de desmatamento notavelmente baixo na Amazônia brasileira. Em contraste com a histeria do ano passado, os incêndios amazônicos no Brasil ficaram um pouco abaixo de sua média de duas décadas, com a Venezuela na cesta econômica e a caótica Bolívia mostrando tendências de desmatamento muito piores.

O desmatamento aparentemente crítico para os ecossistemas de 2019, não representou mais do que 0,17% da parte da vastidão amazônica que fica dentro das fronteiras do Brasil – não muito longe dos 0,12% de desmatamento líquido anual nos dados da FRA para o Brasil entre 2010 e 2015. Dada a estrutura da economia brasileira (produtor e exportador pesado de matérias-primas) e a pobreza de grandes faixas de sua população, devemos esperar que ela faça bom uso de seus ativos naturais.

Como uma das sociedades mais desiguais do planeta, grande parte do Sul rico e urbano do Brasil desfruta de um nível de vida próximo aos níveis europeus, enquanto que o Norte, dominado pelo campo e pela Amazônia, está em pé de igualdade com a renda vista em Belize, El Salvador ou na vizinha Guiana – todos eles ainda estão desmatando. Novamente: por que não deveriam?

Enquanto a Costa Rica, com sua imagem como a capital do ecoturismo e “o primeiro país tropical a ter parado e revertido o desmatamento“, é muitas vezes apontada como modelo para a preservação da floresta, sua experiência pode ter muito pouco a ensinar aos países pobres. Quando a Costa Rica reverteu sua tendência de desmatamento nos anos 90, já era uma nação em desenvolvimento relativamente rica – entre duas a cinco vezes mais rica do que seus pares mais próximos e a um nível que os estados do Norte do Brasil só agora começam a espelhar.

Comentando a história de sucesso da Costa Rica, Johnny Wood escreveu para o Fórum Econômico Mundial:

Após décadas de declínio, uma coisa invulgar aconteceu. A taxa de desmatamento diminuiu e eventualmente caiu para zero, e com o tempo as árvores começaram a retornar. [O país] começou a perceber o potencial de seus ricos ecossistemas e começou a protegê-los.

Como se o fim do desmatamento fosse uma simples questão de perceber a beleza da natureza. Em vez disso, o crescimento econômico tornou eles ricos o suficiente para serem capazes de proteger e priorizar seu ambiente natural.

A história não é “incomum” nem inesperada. Os países pobres cortam mais das suas florestas do que as reflorestam ou as replantam naturalmente, e isso não é motivo de preocupação. Foi a Grã-Bretanha que o fez. Os países europeus fizeram-no. Os Estados Unidos conseguiram. Com prosperidade e riqueza, isso vai acabar; todas as experiências que temos com o impacto ambiental dos países em crescimento sugerem o mesmo.

É justo dizer que quase todos querem preservar a natureza – mas que ninguém quer fazê-lo à custa de seus filhos que passam frio ou fome. Para muitos dos pobres do mundo, plantar árvores não é sua prioridade principal – e não deveria ser.

Que os países pobres enriqueçam e, a seu tempo, eles também cuidarão de suas florestas.


Escrito por: Joakim Book
Traduzido por: Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por: Laís Ribeiro (@laiscapitalisz)

Leia o artigo original clicando aqui.