Em “Como os Capitalistas Criaram uma ‘Guerra ao Desperdício'”, Chris Calton fez um excelente trabalho ao expor como o “motivo do lucro incentiva a redução natural do desperdício”, sem exigir coerção governamental. Vender parte da produção de um processo produtivo que de outra forma seria deitado fora ou exigiria uma eliminação dispendiosa é tanto uma fonte de lucro como qualquer outra forma de aumentar as receitas ou diminuir os custos. Além disso, ele ilustrou o poder desses incentivos ambientais positivos com vários exemplos notáveis. Em outras palavras, ele ensinou aos leitores algo importante.

Entretanto, o artigo do Sr. Calton levanta uma questão – por que os estudantes que já fizeram cursos de economia não estão intimamente familiarizados com este tema? Parece ser uma aplicação natural do empreendedorismo de mercado e da análise dos processos de produção que produzem múltiplos produtos – produtos conjuntos, ou complementos produtivos.

Creio que a razão central é que o tema dos complementos produtivos é muito raramente ensinado em princípios de microeconomia ou em textos de microeconomia intermediária.

A cada estudante de economia é mostrado como as relações mutuas existem no lado da demanda (por exemplo, café e donuts), e como um aumento no preço dos “outros” bens em tais pacotes diminuirá a demanda por seus complementos. Entretanto, os estudantes são muito menos frequentemente mostrados como as relações mutuas existem no lado da produção ou da oferta (por exemplo, carne e couro como produtos conjuntos da criação de gado) e como um aumento no preço dos “outros” bens em tais pacotes aumentará a oferta dos seus complementos produtivos.

Para um artigo intitulado “Complementos Produtivos”: Demasiadamente negligenciados no Curso dos Princípios?”, os meus coautores e eu pesquisamos um conjunto de textos de princípios econômicos para ver quantos complementos produtivos foram introduzidos. Encontramos quatro textos principais que incorporavam o tema, mas dezoito que não o faziam. Voltamos até à primeira edição do livro Princípios de Economia de Paul Samuelson e descobrimos que ele também não o discutiu. Também estendemos nossa pesquisa a um conjunto menor de textos de microeconomia intermediária, nenhum dos quais discutia o tema.

Sem que se tenha aprendido que os complementos produtivos são importantes deslocamentos da oferta na análise da oferta e da procura, os alunos não aprendem a olhar nessa direção analítica. E não saber olhar muitas vezes significa não reconhecer nem mesmo a aplicação óbvia e importante da análise – como o incentivo inerente ao mercado para reduzir o desperdício. E isso não só cega os estudantes para aplicações importantes, como também representa uma substancial estupidez do que os estudantes de economia devem aprender.

Há quase um século, em seu texto de 1920, Alfred Marshall não só falou sobre “o caso de produtos conjuntos: ou seja, de coisas que não podem ser facilmente produzidas separadamente; mas que são unidas em uma origem comum e, portanto, pode ser dito que tem um fornecimento conjunto”, ele forneceu vários exemplos. Ele analisou aplicações envolvendo não apenas carne e peles, mas trigo e palha de trigo, lã e carneiro, e algodão e óleo de semente de algodão. Ele chegou a derivar uma regra para o preço de fornecimento de um complemento produtivo em mercados competitivos.

Ainda antes, William Stanley Jevons argumentou em 1871 que “estes casos de produção conjunta, longe de serem ‘alguns casos peculiares’, formam a regra geral, para a qual é difícil apontar qualquer exceção importante”. E é difícil discordar quando perguntamos quantos processos de produção têm apenas um produto potencialmente valioso e não geram nada que precise ser descartado ou que gere externalidades negativas, como a poluição de uma forma ou de outra.

Vivemos em um mundo onde as alegações de “falha de mercado” são aparentemente onipresentes (embora não desenvolvidas ao ponto de mostrar que os mecanismos que dependem do poder coercitivo do governo seriam, de fato, melhores). Entretanto, as pessoas parecem muito menos conscientes de como os incentivos ao lucro pressionam os produtores a reduzir custos e danos, mesmo que possamos caricaturizá-los como “não se importando com os outros”, porque eles se importam com seus resultados. No entanto, os estudantes que foram expostos à economia devem saber disso. E para isso, eles precisam aprender mais sobre os complementos produtivos. Isso não só eliminaria seus cegos sobre uma cornucópia de aplicações empresariais interessantes e úteis, como também ampliaria seus horizontes para o livre ambientalismo do mercado e esvaziaria uma das difamações mais comuns que podem impedir que as pessoas considerem com justiça as vantagens dos acordos voluntários sobre a coerção do governo.


Escrito por Gary Galles
Traduzido por Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por Pedro Micheletto Palhares (@DevilSSSlayer)