Escrito por Frank Shostak
Traduzido por Wallace Nascimento (@srnascimento40)


Existem dois tipos de crédito: aquele que é oferecido em uma economia de mercado com dinheiro e bancos sólidos (crédito verdadeiro), e o que só é possível através de um sistema de banco central, taxas de juros artificialmente baixas e reservas fracionárias (crédito falso).

Os bancos não podem expandir o crédito verdadeiro como tal. Tudo o que eles podem fazer na realidade é facilitar a transferência de um determinado conjunto de economias dos poupadores (ou seja, aqueles que emprestam ao banco) para os mutuários.

Considere o caso de um padeiro que faz dez pães. De seu estoque de riqueza real (dez pães), o padeiro consome dois pães e economiza oito.

Ele empresta seus oito pães restantes ao sapateiro em troca de um par de sapatos no prazo de uma semana.

Note que o crédito aqui é a transferência de “coisas reais”, ou seja, oito pães poupados pelo padeiro para o sapateiro em troca de um futuro par de sapatos.

Observe também que a quantidade de poupança real determina a quantidade de crédito disponível. Se o padeiro tivesse economizado apenas quatro pães, a quantidade de crédito teria sido apenas quatro pães em vez de oito.

Observe que os pães poupados dão suporte ao sapateiro. Ou seja, o pão sustenta o sapateiro enquanto ele está ocupado fazendo sapatos.

Isto significa que o crédito, ao sustentar o sapateiro, dá origem à produção de sapatos e, portanto, à formação de mais riqueza real. Este é o caminho para o crescimento econômico real.

Dinheiro e crédito

A introdução do dinheiro não altera a essência do que é o crédito. Em vez de emprestar seus oito pães ao sapateiro, o padeiro pode agora trocar seus oito pães guardados por oito dólares e depois emprestá-los ao sapateiro.

Com oito dólares, o sapateiro pode garantir oito pães ou outros bens para sustentá-lo enquanto ele se dedica à produção de sapatos. O padeiro está fornecendo ao sapateiro a facilidade de acesso ao conjunto de economias reais, que entre outras coisas também tem oito pães que o padeiro produziu. Observe também que sem economias reais o empréstimo de dinheiro é um exercício de futilidade.

O dinheiro cumpre o papel de um meio de troca. Assim, quando o padeiro troca seus oito pães por oito dólares, ele retém sua poupança real, por assim dizer, por meio dos oito dólares.

O dinheiro em sua posse lhe permitirá, quando julgar necessário, recuperar seus oito pães ou assegurar quaisquer outros bens e serviços.

Há aqui uma disposição que prevê que o fluxo de produção de bens continue. Sem a existência de bens, o dinheiro na posse do padeiro será inútil.

A existência de bancos não altera a essência do crédito. Em vez do padeiro emprestar seu dinheiro diretamente ao sapateiro, o padeiro empresta seu dinheiro ao banco, que por sua vez o empresta ao sapateiro. No processo, o padeiro ganha juros por seu empréstimo, enquanto o banco ganha uma comissão por facilitar a transferência de dinheiro entre o padeiro e o sapateiro.

O benefício que o sapateiro recebe é que ele pode agora assegurar recursos reais para poder se engajar em sua confecção de sapatos.

Apesar da aparente complexidade que o sistema bancário introduz, a essência do crédito continua sendo a transferência de coisas reais poupadas do emprestador para o emprestador.

Sem um aumento no conjunto da poupança real, os bancos não podem criar mais crédito. No coração da expansão do bom crédito pelo sistema bancário está uma expansão da poupança real.

Agora, quando o padeiro empresta seus oito dólares, devemos lembrar que ele trocou por estes oito dólares os pães poupados. Em outras palavras, ele trocou algo por oito dólares. Assim, quando um banco empresta esses oito dólares ao sapateiro, o banco empresta dólares totalmente “respaldado”, por assim dizer.

Crédito Falso: Um Agente de Destruição Econômica

Os problemas surgem quando, em vez de emprestar dinheiro totalmente respaldado, um banco passa a emitir dinheiro inexistente (banco de reserva fracionário) que não é respaldado por nada.

Quando é criado dinheiro sem respaldo, ele se mascara como dinheiro genuíno que supostamente é suportado por coisas reais. Na realidade, entretanto, nada foi poupado. Portanto, quando tal dinheiro é emitido, ele não pode ajudar o sapateiro, já que os pedaços de papel vazio não podem sustentá-lo na produção de sapatos – o que ele precisa em vez disso é de pão.

Como o dinheiro impresso se mascara como dinheiro próprio, pode ser usado para desviar o pão de algumas outras atividades e assim enfraquecer essas atividades. É disto que se trata o desvio da verdadeira riqueza por meio do dinheiro “ar rarefeito”.

Se os oito pães extras não fossem produzidos e guardados, não seria possível ter mais sapatos sem prejudicar outras atividades, que estão muito acima na lista de prioridades dos consumidores no que diz respeito à vida e ao bem-estar. Isto, por sua vez, também significa que o crédito não garantido não pode ser um agente de crescimento econômico.

Ao invés de facilitar a transferência das poupanças pela economia para atividades geradoras de riqueza, quando os bancos emitem crédito não garantido, eles estão de fato colocando em movimento um enfraquecimento do processo de formação da riqueza.

É preciso perceber que os bancos não podem prosseguir com os empréstimos não respaldados de forma contínua sem a existência do banco central. O banco central, por meio de bombeamento monetário, assegura-se de que a expansão do crédito não garantido não leve os bancos à falência uns dos outros.

Assim, podemos concluir que, desde que o aumento dos empréstimos seja totalmente apoiado pela poupança real, ele deve ser considerado como uma boa notícia, pois promove a formação de riqueza real. O crédito falso, que é gerado a partir do “nada”, é uma má notícia, uma vez que o crédito que não é apoiado pela poupança real é um agente de destruição econômica.

Leia o artigo original clicando aqui.