Escrito por: Frédéric Bastiat
Traduzido por: Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por: Laís Ribeiro (@laiscapitalisz)


Gostaria que alguém oferecesse um prêmio – não de cem francos, mas de um milhão, com coroas, medalhas e faixas – para uma boa, simples e inteligível definição da palavra “governo”. Que serviço imenso prestaria à sociedade!

O governo! O que é isso? Onde está? O que é que ele faz? O que é que deve fazer? Tudo o que sabemos é que é um personagem misterioso; e certamente, é o mais solicitado, o mais atormentado, o mais sobrecarregado, o mais admirado, o mais acusado, o mais invocado, e o mais provocado, de qualquer personagem do mundo.

Não tenho o prazer de conhecer o meu leitor, mas apostaria dez para um que nos últimos seis meses ele anda criando utopias, e se assim for, ele está à procura do governo para a sua realização. E se o leitor for uma senhora, não tenho dúvidas de que ela está sinceramente desejosa de ver todos os males da humanidade sofredora remediados, e que ela pensa que isso poderia facilmente ser feito, se o governo apenas o assumisse.

Mas, infelizmente! esse pobre infeliz personagem, como Fígaro, não sabe a quem ouvir, nem para onde se dirigir. As cem mil bocas da imprensa e da plataforma do orador gritam todas de uma só vez:

“Organize o trabalho e os operários”. “Acabem com a ganância”. “Reprima a insolência e a tirania do capital”. “Faça experimentos com estrume e ovos”. “Cubra o país com os caminhos-de-ferro”. “Irrigue as planícies”. “Plante nas colinas”. “Faça fazendas modelo”. “Financiei laboratórios sociais”. “Colonize a Argélia”. “Dê nutrição as crianças”. “Eduque os jovens”. “Ajude os idosos”. “Envie os habitantes das cidades para o campo”. “Equalize os lucros de todos os ofícios”. “Empreste dinheiro sem juros a todos os que desejem pedir emprestado”. “Emancipe a Itália, Polônia, e Hungria”. “Aperfeiçoe as selas de cavalo”. “Incentive as artes, e forneça-nos músicos e dançarinos”. “Restrinja o comércio, e ao mesmo tempo crie uma marinha comercial”. “Descubra a verdade, e coloque um grão de razão nas nossas cabeças. A missão do Governo é iluminar, desenvolver, ampliar, fortificar, espiritualizar e santificar a alma do povo”. “Tenham um pouco de paciência, cavalheiros”, diz o governo num tom suplicante. “Farei o que puder para vos satisfazer, mas para isso tenho de ter recursos”. Tenho estado a preparar planos para cinco ou seis impostos, que são bastante novos, e não são de todo opressivos. Verá como as pessoas os pagarão voluntariamente”.

Depois vem uma grande exclamação: Não! De fato! Onde está o mérito de fazer uma coisa com recursos? Ora, não merece o nome de um governo! Longe de nos carregar com novos impostos, gostaríamos que retirasse os antigos. Deveria abolir:

“O imposto sobre o sal”, “o imposto sobre os licores”, “o imposto sobre correspondência”,”o imposto sobre território”, “patentes”.

No meio deste tumulto, e agora que o país mudou duas ou três vezes o seu governo, por não ter satisfeito todas suas exigências, eu quis mostrar que elas eram contraditórias. Mas em que poderia pensar? Não poderia eu guardar para mim esta infeliz observação?

Perdi o meu carácter porque sou visto como um homem sem coração e sem sentimentos – um filósofo seco, um individualista, um plebeu – numa palavra, um economista da escola inglesa ou americana. Mas, perdoem-me, sublimes escritores, que não se limitam a nada, nem mesmo nas contradições. Estou errado, sem dúvida, e retrair-me-ia de bom grado. Eu estaria suficientemente contente, podem ter a certeza, se tivessem realmente descoberto um ser benéfico e inexaurível, intitulando-se de governo, que tem pão para todas as bocas, trabalho para todas as mãos, capital para todas as empresas, crédito para todos os projetos, salvação para todas as feridas, bálsamo para todos os sofrimentos, conselhos para todas as perplexidades, soluções para todas as dúvidas, verdades para todos os intelectos, desvios para todos os que os querem, leite para a infância, e vinho para a velhice – que podem satisfazer todos os nossos desejos, satisfazer toda a nossa curiosidade, corrigir todos os nossos erros, reparar todas as nossas falhas, e isentar-nos doravante da necessidade de previsão, prudência, julgamento, sagacidade, experiência, ordem, economia, temperança e atividade.

Que razão poderia eu ter para não desejar ver tal descoberta feita? De fato, quanto mais reflito sobre ela, mais vejo que nada poderia ser mais conveniente do que termos ao nosso alcance uma fonte inesgotável de riqueza e esclarecimento – um médico universal, um livro de bolso ilimitado, e um conselheiro infalível, tal como descrevem que o governo é. Portanto, quero que seja apontado e definido, e um prêmio deve ser oferecido ao primeiro descobridor do fogo-fátuo. Pois ninguém pensaria em afirmar que esta preciosa descoberta ainda foi feita, pois até agora tudo o que se apresenta sob o nome de governo é imediatamente anulado pelo povo, precisamente porque não preenche os requisitos bastante contraditórios do programa.

Atrevo-me a dizer que receio que sejamos, a este respeito, as fraudes de uma das mais estranhas ilusões que alguma vez se apoderaram da mente humana.

O homem recua dos problemas – do sofrimento; e, no entanto, ele é condenado por natureza ao sofrimento da privação, se não se dá ao trabalho de trabalhar. Ele tem de escolher então entre estes dois males. Que meios pode ele adotar para evitar ambos? Resta agora, e restará, apenas uma maneira, que é, desfrutar do trabalho dos outros. Tal conduta impede que os problemas e o prazer assumam a sua proporção natural, e faz com que todos os problemas se tornem o lote de um conjunto de pessoas, e todo o prazer de outro. Esta é a origem da escravatura e da pilhagem, qualquer que seja a sua forma – seja a de guerras, impostos, violência, restrições, fraudes, etc. – abusos monstruosos, mas coerentes com o pensamento que lhes deu origem. A opressão deve ser detestada e resistida – dificilmente pode ser chamada de trivial.

A escravidão está diminuindo, graças ao céu! E, por outro lado, a nossa disposição para defender a nossa propriedade impede que a pilhagem direta e aberta seja fácil.

Uma coisa, porém, permanece – é a inclinação original que existe em todos os homens para dividir a sorte da vida em duas partes, lançando o problema sobre os outros, e mantendo a satisfação para si próprios. Resta mostrar sob que nova forma esta triste tendência está se manifestando.

O opressor já não age diretamente e com os seus próprios poderes sobre a sua vítima. Não, a nossa discricionariedade tornou-se demasiadamente refinada para isso. O tirano e a sua vítima ainda estão presentes, mas existe uma pessoa intermediária entre eles, que é o governo – ou seja, a própria Lei. O que pode ser melhor calculado para silenciar os nossos escrúpulos e, o que talvez seja melhor apreciado, para superar toda a resistência? Todos nós, portanto, colocamos nossas reivindicações sob algum pretexto ou outro e recorremos ao governo. Nós então dizemos:

Estou insatisfeito com a proporção entre o meu trabalho e os meus prazeres. Gostaria, em nome do restabelecimento do equilíbrio desejado, de tomar uma parte dos bens dos outros. Mas isto seria perigoso. Não poderia facilitar-me a situação? Não poderia encontrar-me um bom lugar? Ou investigar a indústria dos meus concorrentes? Ou, talvez, emprestar-me gratuitamente algum capital, que possa tirar ao seu possuidor? Não poderia educar os meus filhos à custa do público? Ou conceder-me alguns subsídios? Ou garantir-me uma pensão quando tiver atingido o meu quinquagésimo ano? Por este meio ganharei o meu fim com uma consciência fácil, pois a lei terá agido por mim, e terei todas as vantagens de pilhagem, sem o seu risco ou a sua vergonha!

Como é certo, por um lado, que estamos todos a fazer algum pedido semelhante ao governo; e como, por outro, está provado que o governo não pode satisfazer uma parte sem aumentar o trabalho dos outros, até que eu consiga obter outra definição da palavra governo, sinto-me autorizado a dar a minha própria. Quem sabe ela não ganha o prêmio?

Aqui está: O estado é a grande ficção, através da qual todos se esforçam para viver à custa de todos.

Por agora, como anteriormente, todos estão, pouco ou muito, lucrando com o trabalho dos outros. Ninguém se atreveria a professar tal sentimento; ele até o esconde de si próprio; e então o que se faz? Pensa-se num intermediário; aplica-se o governo, e cada classe, por sua vez, vem a ele, e diz: “Vós, que podeis tirar justificável e honestamente, tirai do público, e nós partilharemos”. Ai de mim! O governo está apenas demasiado disposto a seguir este conselho diabólico, pois é composto por ministros e oficiais – de homens, em suma, que, como todos os outros homens, desejam nos seus corações, e agarram sempre com avidez todas as oportunidades, para aumentar a sua riqueza e influência. O governo não é lento para perceber as vantagens que pode derivar da parte que lhe é confiada pelo público. É feliz por ser o juiz e o mestre dos destinos de todos; será preciso muito, pois então uma grande parte permanecerá para si; multiplicará o número dos seus agentes; alargará o círculo dos seus privilégios; terminará por se apropriar de uma proporção ruinosa.

Mas a sua parte mais notável é a espantosa cegueira do público através de tudo isto. Quando soldados bem sucedidos costumavam reduzir os vencidos à escravidão, eles eram bárbaros, mas não eram irracionais. O seu objetivo, como o nosso, era viver à custa de outras pessoas, e não deixaram de fazê-lo. O que pensar de um povo que parece nunca suspeitar que a pilhagem recíproca não é menos pilhagem porque é recíproca; que não é menos criminosa porque é executada legalmente e com ordem; que não acrescenta nada ao bem público; que a diminui, apenas na proporção do custo do intermediário oneroso a que chamamos governo?

E é esta grande quimera que colocamos, para edificação do povo, como um frontispício para a constituição. O que se segue é o início do preâmbulo:

A França constituiu-se como uma república com o objetivo de elevar todos os cidadãos a um grau cada vez maior de moralidade, esclarecimento e bem-estar.

Assim, é a França, ou uma abstração, que é elevar os franceses, ou as realidades de carne e sangue, à moralidade, ao bem-estar, etc. Não será cedendo a esta estranha ilusão que somos levados a esperar tudo de uma energia que não é a nossa? Não será por anunciar que existe, independentemente dos franceses, um ser virtuoso, iluminado e rico, que pode e irá conceder-lhes os seus benefícios? Não será isto supor, e certamente muito presunçosamente, que existem entre a França e os franceses – entre a denominação simples, abreviada e abstrata de todas as individualidades, e estas próprias individualidades – relações de pai para filho, tutor para o seu aluno, professor para o seu estudioso? Sei que se diz muitas vezes, metaforicamente, “o país é uma mãe terna”. Mas para mostrar a inanidade da proposta constitucional, basta mostrar que ela pode ser invertida, não só sem inconvenientes, mas mesmo com vantagem. Seria menos exato dizer, os franceses constituíram eles próprios uma república, para elevar a França a um grau cada vez maior de moralidade, esclarecimento e bem-estar.

Agora, onde está o valor de um axioma onde o sujeito e o atributo podem mudar de lugar sem inconvenientes? Todos compreendem o que isto significa: “A mãe vai alimentar a criança”. Mas seria ridículo dizer: “A criança alimentará a mãe”.

Os americanos formaram uma ideia diferente das relações dos cidadãos com o governo quando colocaram estas simples palavras à cabeça da sua constituição:

Nós, o povo dos Estados Unidos, com o objetivo de formar uma união mais perfeita, de estabelecer a justiça, de assegurar a tranquilidade interior, de providenciar a nossa defesa comum, de aumentar o bem-estar geral, e de assegurar os benefícios da liberdade para nós próprios e para a nossa posteridade, decreto, etc.

Aqui não há criação quimérica, não há abstração da qual os cidadãos possam exigir tudo. Não esperam nada, exceto de si próprios e da sua própria energia.

Se me for permitido criticar as primeiras palavras da nossa constituição, gostaria de observar que aquilo de que me queixo é algo mais do que uma mera alusão metafísica, como poderia parecer à primeira vista.

Afirmo que esta deificação do governo foi em tempos passados, e será daqui em diante, uma fonte fértil de calamidades e revoluções.

Há o público de um lado, o governo do outro, considerado como dois seres distintos; o último é obrigado a conceder ao primeiro, e o primeiro tem o direito de reivindicar do segundo, todos os benefícios humanos imagináveis. Qual será a consequência?

De fato, o governo não é impotente, e não pode ser assim. Tem duas mãos – uma para receber e a outra para dar; por outras palavras, tem uma mão áspera e uma mão suave. A atividade da segunda está necessariamente subordinada à atividade da primeira. Estritamente, o governo pode tomar e não restaurar. Isto é evidente, e pode ser explicado pela natureza porosa e absorvente das suas mãos, que retêm sempre uma parte, e por vezes o todo, do que tocam. Mas o que nunca foi visto, e nunca será visto ou concebido, é o governo devolvendo mais ao público do que aquilo que lhe tirou. É, portanto, ridículo que apareçamos perante ele na atitude humilde dos mendigos. É radicalmente impossível para ele conferir um benefício particular a qualquer uma das individualidades que constituem a comunidade, sem infligir um dano maior à comunidade como um todo.

As nossas requisições colocam-no, portanto, num dilema.

Se, se recusar a satisfazer os pedidos que lhe são feitos, é acusado de fraqueza, má vontade e incapacidade. Se, se esforça por concedê-los, é obrigado a impor às pessoas novos impostos – para fazer mais mal do que bem, e a trazer sobre si próprio outro grupo com descontentamento geral.

Assim, o público tem duas esperanças, e o governo faz duas promessas – muitos benefícios e nenhum imposto. Esperanças e promessas que, sendo contraditórias, nunca poderão ser realizadas.

Não será esta a causa de todas as nossas revoluções? Pois entre o governo, que prodigaliza promessas que é impossível cumprir, e o público, que concebeu esperanças que nunca poderão ser realizadas, duas classes de homens interpõem-se – os ambiciosos e os utópicos. São as circunstâncias que dão a estes a sua deixa. Basta se estes vassalos de popularidade gritarem ao povo: “As autoridades enganam-vos; se estivéssemos no seu lugar, carregar-vos-íamos de benefícios e isentar-vos-íamos de impostos”.

E o povo acredita, e o povo espera, e o povo faz uma revolução!

Assim que os seus amigos estão à frente dos problemas, são chamados para cumprir a sua promessa. “Dai-nos trabalho, pão, assistência, crédito, educação, colônias”, diz o povo; “e ao mesmo tempo protegei-nos, como prometeis, dos impostos”.

O novo Governo não está menos embaraçado do que o anterior, pois logo descobre que é muito mais fácil de prometer do que de cumprir. Tenta ganhar tempo, pois este é necessário para amadurecer os seus vastos projetos. No início, faz algumas tentativas tímidas: por um lado, institui um pouco de instrução elementar; por outro, faz uma pequena redução no imposto sobre as bebidas alcoólicas (1850). Mas a contradição está sempre surgindo em sua feia cabeça; se for filantrópico, deve aumentar os impostos; se negligenciar a sua tributação, deve abster-se de ser filantrópico.

Estas duas promessas estão para sempre em conflito; não pode ser de outra forma. Viver a crédito, que é o mesmo que esgotar o futuro, é certamente um meio presente de as conciliar: tenta-se fazer um pouco de bem agora, à custa de muito mal no futuro. Mas tais procedimentos suscitam o espectro da falência, o que põe fim ao crédito. O que se deve então fazer? Porquê, então, o novo governo dá um passo arrojado; une todas as suas forças para se manter; sufoca a opinião, recorre a medidas arbitrárias, repudia as suas antigas máximas, declara que é impossível conduzir a administração a não ser correndo o risco de ser impopular; em suma, autoproclama-se governamental. E é aqui que outros candidatos à popularidade estão à sua espera. Exibem a mesma ilusão, passam pelo mesmo caminho, obtêm o mesmo sucesso, e são logo engolidos no mesmo abismo.

Tínhamos chegado a este ponto em fevereiro. Nesta altura, a ilusão que é objeto deste artigo tinha feito mais progressos do que em qualquer período anterior nas ideias do povo, em ligação com as doutrinas socialistas. Esperavam, mais firmemente do que nunca, que o governo, sob uma forma republicana, abrisse em grande estilo a fonte de benefícios e fechasse a dos impostos. “Fomos muitas vezes enganados”, disse o povo; “mas desta vez seremos nós próprios a tratar disso, e tomaremos cuidado para não sermos enganados de novo”!

O que poderia o governo provisório fazer? Ai de mim! Apenas aquilo que é sempre feito em circunstâncias semelhantes – fazer promessas, e ganhar tempo. Fê-lo, é claro; e para dar mais peso às suas promessas, anunciou-as publicamente assim:

Aumento da prosperidade, diminuição da mão-de-obra, assistência, crédito, educação gratuita, colônias agrícolas, cultivo de terras usadas, e, ao mesmo tempo, redução do imposto sobre o sal, licor, cartas, carne; tudo isto será concedido quando a Assembleia Nacional reunir.

A Assembleia Nacional reúne e, como é impossível perceber duas coisas contraditórias, a sua tarefa, a sua triste tarefa, é retirar, o mais suavemente possível, um após o outro, todos os decretos do governo provisório. No entanto, a fim de atenuar um pouco a crueldade do engano, considera-se necessário negociar um pouco. Alguns compromissos são cumpridos, outros são, numa medida, iniciados, e por isso a nova administração é compelida a criar alguns novos impostos.

Agora transporto-me em pensamento para um período de alguns meses e pergunto-me com tristeza, o que acontecerá quando os agentes do novo governo entrarem no país para cobrar novos impostos sobre legados, receitas, e os lucros do tráfego agrícola? É de esperar que os meus pressentimentos não sejam verificados, mas prevejo um papel difícil para os candidatos à popularidade.

Leia o último manifesto dos Montagnards – o que eles emitiram por ocasião da eleição do presidente. É bastante longo, mas conclui-se longamente com estas palavras: “O governo deve dar muito ao povo, e tirar-lhe pouco”. É sempre a mesma tática, ou melhor, o mesmo erro.

“O governo é obrigado a dar instrução e educação gratuitas a todos os cidadãos”. É obrigado a dar “uma educação profissional geral e adequada, tanto quanto possível adaptada aos desejos, aos apelos, e às capacidades de cada cidadão”. É obrigado a “ensinar a cada cidadão o seu dever para com Deus, para com o homem, e para consigo próprio; desenvolver os seus sentimentos, as suas tendências, e as suas faculdades; ensinar-lhe, em suma, a parte científica do seu trabalho; fazê-lo compreender os seus próprios interesses, e dar-lhe um conhecimento dos seus direitos”. É obrigado a “colocar ao alcance de todos, a literatura e as artes, o patrimônio do pensamento, os tesouros da mente, e todos aqueles prazeres intelectuais que elevam e fortalecem a alma”. É obrigado a “dar compensação por cada acidente, de incêndio, inundação, etc., vivido por um cidadão”. (O et cetera significa mais do que diz). É obrigado a “cuidar das relações do capital com o trabalho, e a tornar-se o regulador do crédito”. É obrigado a “dar um importante incentivo e uma proteção eficiente à agricultura”. É obrigado a “comprar caminhos-de-ferro, canais e minas; e, sem dúvida, a transacionar com aquela capacidade industrial que o patrocina”. É obrigado a “encorajar experiências úteis, a promovê-las e a assisti-las por todos os meios susceptíveis para torná-las bem sucedidas. Como regulador de crédito, exercerá uma influência tão grande sobre as associações industriais e agrícolas que lhes garantirá o sucesso”. O governo é obrigado a fazer tudo isto, para além dos serviços a que já se comprometeu; e ainda, é sempre obrigado a manter uma atitude ameaçadora em relação aos estrangeiros; pois, de acordo com aqueles que assinam o programa, “Unidos por esta união santa, e pelos precedentes da República Francesa, levamos os nossos desejos e esperanças para além das fronteiras que o despotismo colocou entre as nações”. Os direitos que desejamos para nós próprios, desejamos para todos aqueles que são oprimidos pelo jugo da tirania; desejamos que o nosso glorioso exército ainda seja, se necessário, o exército da liberdade”.

Vedes que a mão gentil do governo – aquela mão boa que dá e distribui – estará muito ocupada sob o governo dos Montagnards. Você pensa, entretanto, que será o mesmo com a mão rude – aquela mão que mergulha nos nossos bolsos. Não se iludam. Os aspirantes à popularidade não fariam acordos se não tivessem a arte, quando mostram a mão gentil, escondem a mão áspera. O seu reinado será certamente o jubileu dos que pagam impostos.

“São superfluidades, não necessidades”, dizem eles “que devem ser tributadas”.

Na verdade, será um dia feliz quando a tesouraria, para nos carregar com benefícios, se contentar com a redução das nossas superfluidades!

Isto não é tudo. Os Montagnards pretendem que “a tributação perca o seu carácter opressivo, e seja apenas um ato de fraternidade”. Meu Deus! Eu sei que é a moda empurrar a fraternidade para todo o lado, mas não imaginava que alguma vez fosse colocada nas mãos do coletor de impostos.

Para chegar aos detalhes: Aqueles que assinam o programa dizem: “Desejamos a abolição imediata daqueles impostos que afetam as necessidades absolutas da vida, tais como sal, licores, etc., etc. “A reforma do imposto sobre a propriedade fundiária, alfândegas e patentes”. “A justiça gratuita – isto é, a simplificação das suas formas, e a redução das suas despesas” (Isto, sem dúvida, tem referência a selos).

Assim, o imposto sobre a propriedade fundiária, alfândegas, patentes, selos, sal, licores, portes de correio, tudo isto está incluído. Estes senhores descobriram o segredo de dar uma atividade excessiva à mão gentil do governo, enquanto paralisam por completo a sua mão grosseira.

Bem, pergunto ao leitor imparcial, não será infantilidade, e pior, uma infantilidade perigosa? Não será inevitável que tenhamos revolução após revolução, se nunca houver uma determinação de parar até que esta contradição se realize? “Não dar nada ao governo e receber muito dele”?

Se os Montagnards chegassem ao poder, não seriam eles as vítimas dos meios que empregaram para se apoderarem dele?

Cidadãos! Em todos os tempos, dois sistemas políticos já existiram, e cada um deles pode ser mantido por boas razões. De acordo com um deles, o governo deveria fazer muito, mas depois deveria levar muito. De acordo com o outro, esta dupla atividade deveria ser pouco perceptível. Temos de escolher entre estes dois sistemas. Mas no que diz respeito ao terceiro sistema, que participa de ambos os outros, e que consiste em exigir tudo do governo, sem lhe dar nada, é quimérico, absurdo, infantil, contraditório, e perigoso. Aqueles que o proclamam, em nome do prazer de acusar todos os governos de fraqueza, e assim expô-los aos vossos ataques, apenas vos lisonjeiam e enganam, enquanto se enganam a si próprios.

Para nós, consideramos que o governo não é nem deve ser mais do que uma força comum organizada, não um instrumento de opressão e pilhagem mútua entre os cidadãos; mas, pelo contrário, para assegurar a cada um daquilo que possui, e para fazer reinar a justiça e a segurança.