Escrito por: Dan Sanche
Traduzido por: Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por: Pedro Micheletto Palhares (@DevilSSSlayer)


Ontem à noite, os funcionários de saúde do condado de Alameda recuaram no seu conflito com Elon Musk, invertendo a sua ordem de encerramento e concedendo a aprovação provisória para a reabertura da fábrica de Tesla em Fremont, na Califórnia.

“Tesla está a reiniciar a produção hoje contra as regras do condado de Alameda. Vou estar em linha com todos os outros. Se alguém for detido, peço que seja apenas eu.”

O Musk já tinha reaberto a fábrica, desafiando a ordem de encerramento, ele tuitou na segunda-feira:

Como o Ars Technica relata, funcionários do Departamento de Saúde do Condado de Alameda informaram ter chegado a acordo com Tesla:

Numa série de tweets, disseram que tinham revisto os planos de reabertura de Tesla e “realizaram hoje debates produtivos com os representantes de Tesla sobre os seus planos de segurança e prevenção”.

“Concordamos que Tesla pode começar a aumentar as suas operações comerciais mínimas esta semana, em preparação para uma possível reabertura na próxima semana”, disse outro tweet da noite de terça-feira.

Nenhum agente da autoridade parece preparado para punir o Musk pelo seu desafio inicial às ordens de saúde do condado. A Associated Press relata que o xerife do condado de Alameda dirigiu perguntas sobre o assunto ao departamento de polícia de Fremont. A polícia de Fremont disse que agiria sob a orientação dos funcionários de saúde do condado.

Como escrevi ontem, a decisão do Musk qualificou como desobediência civil econômica na tradição profundamente americana de Henry David Thoreau:

[Musk] está a desobedecer a uma lei injusta. E ele está a resistir de forma não violenta. Ele não está a confiscar edifícios governamentais. Está apenas a afirmar o seu direito de abrir a propriedade privada de Tesla a empregados dispostos, e de lhes pagar para produzirem carros para venderem a compradores dispostos. E ele ofereceu-se expressamente para ser preso caso o governo decida invadir propriedade privada e enjaulá-lo por isso.

Pode parecer sacrílego incluir um excêntrico bilionário na mesma tradição de figuras tão heroicas como o Rei e Gandhi. Mas eu diria que a liberdade econômica é uma causa tão digna como qualquer outra. As nossas vidas, os nossos meios de subsistência e os nossos padrões de vida dependem da produção e do comércio. Se a desobediência civil é alguma vez justificada, certamente que é a bem de provermos a nós próprios e aos nossos filhos.

Salientei também que a desobediência civil de Musk contra o regime de confinamento da COVID é um exemplo de grande visibilidade de uma tendência mais ampla:

Sempre que alguém vai trabalhar, para uma reunião, ou para alguma outra saída “não essencial”, apesar de um ditame social de distanciamento, arriscando o assédio policial ou mesmo para a prisão, é um ato de desobediência civil: mesmo que o faça silenciosamente, sem fazer grandes declarações através do Twitter ou de outra forma. Ao desprezarem leis desrespeitáveis, estes milhões de respeitáveis mini-leis estão a pressionar os governos a anular essas ordens, para que a sua autoridade não se torne um escárnio ilegítimo.

À medida que o pânico pandêmico diminuiu, os bloqueios devastadores tornaram-se mais impopulares e a desobediência alastrou. Este é, muito provavelmente, um grande fator para os políticos e burocratas que recentemente suavizaram as suas posições e avançaram para a reabertura da economia e da sociedade.

O desenvolvimento de ontem mostra como a desobediência civil pode ser eficaz. A decisão do Musk deixou aos funcionários governamentais três opções: podem impor a sua ordem, deixar a ordem continuar a ser desafiada, ou inverter a ordem.

Fazer cumprir a ordem – prender uma figura pública por causa de uma política controversa – seria um desastre em termos de relações públicas. Mas deixar a ordem ser desrespeitada, como disse, correria o risco de deslegitimar a sua autoridade. Claramente, a sua melhor opção era recuar e inverter a ordem.

Um pressuposto comum é que só há duas formas de provocar uma mudança política: o voto ou as balas, o voto ou a violência, a democracia ou a revolução.

Mas, como o Musk demonstrou, há uma terceira via: a desobediência civil. Ao desafiar pacificamente uma ordem tirânica, Musk anulou-a e aboliu-a. Como resultado, os funcionários Tesla são agora livres de ganhar a vida para si próprios e para as suas famílias, produzindo carros para os clientes Tesla.

É verdade que Musk tinha mais hipóteses de sucesso do que uma pessoa comum, devido à sua celebridade, influência e riqueza. Mas, como salientei, as pessoas comuns estão a ter sucesso na desobediência civil – em especial contra o regime de confinamento da COVID – todos os dias, quer usem esse nome ou não, e isso tem um impacto.

E agora que o Musk criou um precedente importante para a desobediência civil econômica, os proprietários e trabalhadores comuns das empresas podem tornar-se mais encorajados a defender pacificamente o seu direito de ganhar a vida e de viver como pessoas livres.

Ao submetermo-nos aos ditames governamentais “cower-at-home”, estamos a abdicar das nossas liberdades e da nossa prosperidade. Já passou muito tempo para deixarmos de nos acovardarmos.

Leia o artigo original clicando aqui.