Escrito por G. P. Manish e Felicia A. Jones
Traduzido por Wallace Nascimento (@srnascimento40)


A economia keynesiana tem testemunhado um notável ressurgimento desde a crise de 2008. A incapacidade da economia dominante de prever ou explicar a crise levou muitos economistas a se tornarem céticos em relação a seus princípios macroeconômicos fundamentais. Muitos tem voltado no tempo para olhar as ideias de Keynes buscando um sentido à bolha imobiliária e à recessão que se seguiu.

Uma dessas explicações inspiradas na Teoria Geral enfatiza a incerteza endêmica do futuro e suas implicações para a estabilidade do mercado. Defendida por Paul Davidson¹ e popularizada por Robert Skidelsky,² esta linha de pensamento culpa a crise e a recessão pelas expectativas inconstantes e “espíritos animais” que guiam o investimento em uma economia de mercado.³

Segundo esta tese, em um mundo incerto, os empresários e investidores sofrem com as mudanças de humor. O otimismo em relação ao futuro abre abruptamente dá lugar ao pessimismo. As flutuações na atividade econômica são o resultado destas variações nas perspectivas.

Com seu foco na incerteza, esta linha de pensamento tem uma semelhança impressionante com as ideias austríacas. Além disso, sua rejeição da probabilidade matemática como base para as expectativas é ecoada por vários economistas austríacos proeminentes.

Entretanto, enquanto os keynesianos concluem que a incerteza do futuro torna uma economia de mercado inerentemente instável, os austríacos abraçam a incerteza sem perder a fé na ordem gerada por uma economia de mercado. O que está na raiz deste enigma?

Keynes sobre Expectativas, Incertezas e Estabilidade de Mercado

Pense em Mary, uma fabricante de garrafas plásticas que está elaborando planos para a abertura de uma nova fábrica. Dada a durabilidade do investimento, sua decisão se baseia em um conjunto de expectativas de longo prazo. Como Mary chega a estas estimativas de preços futuros?

Em um mundo neo-clássico, ela o faz absorvendo o máximo possível de informações sobre os preços do passado. Usando estas informações, ela calcula as probabilidades numéricas associadas a vários preços e forma suas expectativas com base nestas distribuições de probabilidade.

Em um mundo assim, as expectativas compartilham uma relação determinista com o passado. As probabilidades numéricas associadas aos preços futuros são inferidas mecanisticamente a partir daquelas associadas aos preços passados. Assim, as expectativas de Mary em relação ao futuro são de natureza objetiva. Qualquer outra pessoa em seu lugar teria chegado a conclusões idênticas em relação ao futuro com as informações em mãos.

Keynes discordou fortemente desta abordagem. As expectativas de longo prazo, argumentou ele, são formadas em uma névoa de incerteza. Isto torna inútil a probabilidade matemática como base para formar as expectativas. Como o futuro pode diferir significativamente do passado, as informações sobre preços passados não fornecem “nenhuma base científica sobre a qual se possa formular qualquer probabilidade calculável” em relação à probabilidade de preços futuros.4

Empreendedores e investidores não podem extrapolar mecanicamente os julgamentos de probabilidade em relação ao futuro a partir de uma análise de informações relativas ao passado. Como resultado, suas expectativas são de natureza subjetiva. As expectativas de Mary ostentam agora um cunho pessoal.

Estas expectativas subjetivas não compartilham nenhuma conexão com o passado. A incapacidade de usar a probabilidade para formar expectativas torna o futuro incognoscível para empresários e investidores. Incapazes de recorrer ao passado para avaliar a probabilidade de eventos futuros, eles se vêem confrontados por uma incerteza radical.

Em tal mundo, a decisão de Mary de construir uma nova fábrica não é o “resultado de uma média ponderada de benefícios quantitativos multiplicados por probabilidades quantitativas”. Ao contrário, ela é governada por seus “espíritos animais”; por um sentimento de “otimismo espontâneo” que resulta em um “impulso à ação e não à inação”.

No entanto, mesmo em um mundo radicalmente incerto, os investimentos devem ser guiados por algumas expectativas em relação ao futuro. Em vez de fundamentá-los em uma análise do passado, Mary baseia suas expectativas em uma avaliação do que os outros acreditam em relação ao futuro.

Por trás de seus espíritos animais estão expectativas formadas como resultado de uma tentativa de sua parte de “se conformar com o comportamento da maioria ou da média”. Um esforço semelhante por parte de todos os outros dá origem a um “julgamento convencional” em relação ao futuro, compartilhado pela esmagadora maioria dos empresários e investidores.

Com base nos frágeis fundamentos da psicologia da opinião e sem amarras na experiência, este julgamento convencional está sujeito a mudanças repentinas e violentas. Como um cardume de peixes, investidores e empresários nadam desta maneira, sempre tomando seu rumo se baseando no que os outros fazem, e sem recorrer a bases sólidas para fundamentar suas expectativas.

Impulsionados por um julgamento convencional otimista, os investidores, com espíritos animais positivos bombeando através de suas veias, apressam-se a produzir mais bens de capital, elevando a fortuna dos trabalhadores com eles. Logo o juízo se transforma e o pessimismo se instala. Os investidores não têm mais a vontade de agir. Eles se tornam quiescentes, e o desemprego aumenta.

Assim, para Keynes, a incerteza endêmica que envolve o futuro dá origem a uma economia de mercado inerentemente instável. As flutuações na produção e no emprego são endógenas ao mercado e devem, em última instância, ser rastreadas às areias movediças que estão por trás do julgamento convencional prevalecente em relação ao futuro.

O caminho para uma maior estabilidade do mercado requer uma forte intervenção governamental. É tarefa do Estado combater a redução da depilação e o declínio dos espíritos animais e ajudar a estabilizar o nível de investimento, produção e emprego.

Incerteza e Expectativas Subjetivas na Estrutura Austríaca

Economistas austríacos proeminentes, como Mises,5 Lachmann,6 e Rothbard7 concordam com a rejeição de Keynes de uma relação mecanicista entre preços passados e futuros.

Esta rejeição é o resultado de uma aplicação consistente da teoria subjetiva do valor. Os preços do passado resultam das valorações individuais que prevalecem em um conjunto específico de circunstâncias. Contudo, dois indivíduos nas mesmas circunstâncias podem formar avaliações diferentes. Além disso, o mesmo indivíduo pode reagir diferentemente a condições idênticas em dois momentos diferentes no tempo.

Segue-se que o reaparecimento de um conjunto similar de condições no futuro não precisa resultar no reaparecimento do mesmo conjunto de preços que no passado. Assim, não há uma relação simples e determinista entre o passado e o futuro. Ao invés disso, o futuro é inerentemente incerto.

Isto tem implicações para a formação de expectativas. Os empresários não podem estudar os preços do passado, calcular a probabilidade numérica associada a eles e depois simplesmente extrapolar esses números para o futuro. Como resultado, a probabilidade matemática não é uma base adequada sobre a qual se pode basear as expectativas. No entanto, isto não implica que não saibamos nada sobre o futuro. O passado ainda pode servir como um guia para a ação.

Os empreendedores ainda podem estimar a probabilidade de eventos futuros. Eles o fazem tentando entender as motivações subjacentes às avaliações dos participantes do mercado em situações específicas no passado. Eles devem perscrutar sob o véu dos preços do passado e devem analisar por que os participantes do mercado agiram da forma como agiram sob as condições dadas.

Esta análise de situações únicas e heterogêneas como surgiram no passado, e não as probabilidades numéricas associadas a preços passados, fornece a matéria prima para avaliar as valorações e preços que prevalecerão no futuro em um conjunto diferente de condições. Assim, no quadro austríaco, as expectativas não se baseiam na utilização da probabilidade numérica, mas na interpretação e compreensão do passado.

Isto, como no caso de Keynes, lhes empresta um sabor subjetivo. No entanto, as expectativas subjetivas dos empresários não se coalescem em um julgamento convencional homogêneo e sempre mutável em relação ao futuro. Ao invés disso, estas expectativas são heterogêneas. Dois empresários podem chegar a conclusões diferentes em relação ao porquê dos indivíduos se comportarem da maneira como se comportaram no passado. Além disso, sua fundamentação no passado lhes dá uma base na realidade. Assim, eles não são exagerados e estão sujeitos a flutuações aleatórias.

Expectativas subjetivas, lucros e perdas, e ordem de mercado no âmbito austríaco

As expectativas dos empresários, embora subjetivas, exibem um padrão notável. A capacidade de avaliar o futuro não está distribuída de maneira uniforme entre os participantes do mercado. Em vez disso, em uma economia de mercado há líderes, ou aqueles que são mais capazes de formular um julgamento do futuro com base no passado, e há outros que são menos proficientes em fazê-lo.

O sistema de lucros e perdas garante que os melhores avaliadores sejam recompensados por seus julgamentos mais bem-sucedidos e acumulem capital. Aqueles que têm menos sucesso nessa empreitada são, entretanto, gradualmente despojados de seu capital. Assim, perdem influência na formação do curso do mercado.

Este processo de seleção empresarial permite a coordenação das decisões dos produtores e consumidores. Ele garante que, a qualquer momento, os melhores avaliadores do futuro estejam no controle de tomar as decisões-chave da produção na economia. Assim, no quadro austríaco, a incerteza e as expectativas subjetivas são compatíveis com a ordem e a estabilidade do mercado.

A chave para garantir isso é um sistema de preços que resulta das decisões voluntárias dos participantes do mercado de se engajar em trocas mutuamente benéficas. Os preços que surgem nos diversos mercados de fatores devem refletir as avaliações dos empresários participantes. Qualquer interferência em tal sistema de preços pode interferir neste processo de coordenação e na ordem gerada pelo mercado.

Uma redução artificial da taxa de juros que resulta de uma expansão da oferta de dinheiro é um exemplo de tal intervenção. O aumento da liquidez interfere no processo de seleção do empreendedor. Na verdade, ele vira este sistema de cabeça para baixo.

Os lucros não recompensam mais os empreendedores que alocam recursos escassos para os fins mais elevados dos consumidores. Ao invés disso, eles recompensam aqueles que, enganados pela taxa de juros artificialmente baixa, embarcam em projetos de produção que são insustentáveis. Aqueles empreendedores que percebem corretamente a insustentabilidade subjacente agora perdem o controle do capital à sua disposição e gradualmente perdem a capacidade de influenciar o curso dos negócios.

Assim, é a expansão monetária e uma taxa de juros artificialmente baixa e não a incerteza endêmica do futuro que gera boom e bustos e instabilidade do mercado. Em um mercado livre, graças ao sistema de lucro-perda, os recursos são alocados principalmente por aqueles que são os melhores em lidar com a incerteza. Em um mundo de crédito artificialmente barato, porém, o mesmo sistema recompensa os empreendedores que se dedicam ao consumo de capital e ao malinvestimento de recursos escassos.

Leia o artigo original aqui


1.Davidson, Paul. 1991. “Is Probability Theory Relevant for Uncertainty? A Post Keynesian Perspective.” Journal of Economic Perspectives, 5(1): 129-143 and Davidson, Paul. 2009. The Keynes Solution: The Path to Global Prosperity. St. Martin’s Press.

2.Skidelsky, Robert. 2010. Keynes: The Return of the Master. Public Affairs.

3.Keynes, John M. 1936. The General Theory of Employment, Interest and Money. Palgrave Macmillan.

4.Keynes, John M. 1937. “The General Theory of Employment.” The Quarterly Journal of Economics, 51(2): 209-223.

5.Mises, Ludwig v. 1998. Human Action: The Scholar’s Edition. The Mises Institute.

6.Lachmann, Ludwig. 1943. “The Role of Expectations in Economics as a Social Science.” Economica, 10(37): 12-23.

7.Rothbard, Muray N. 2009. Man, Economy and State. The Mises Institute.