Para a maioria dos chamados economistas práticos, as informações sobre o estado de uma economia são derivadas de dados. Assim, se uma estatística econômica, como o produto interno bruto real ou a produção industrial, mostrar um aumento visível, ela é considerada indicativa de um fortalecimento da economia. Em contrapartida, um declínio na taxa de crescimento é considerado como um enfraquecimento. Parece que, ao olhar para os dados, é possível verificar as condições econômicas. Mas será este o caso? Os chamados dados que os analistas estão a analisar são uma exibição de informação histórica.

Mas de acordo com Ludwig von Mises na Ação Humana,

A história não pode nos ensinar nenhuma regra geral, princípio ou lei. Não há meios para abstrair a posteriori de uma experiência histórica quaisquer teorias ou teoremas relativos à conduta e políticas humanas.

No “The Ultimate Foundation of Economic Science”, Mises desenvolve sobre isso, afirmando que:

O que podemos “observar” é sempre apenas fenômenos complexos. O que a história econômica, a observação ou a experiência podem nos dizer são fatos como estes: durante um período definido do passado o mineiro John nas minas de carvão da companhia X no vilarejo de Y ganhou p dólares por um dia de trabalho de n horas. Não há nenhuma maneira que levaria da montagem de tais e similares dados a qualquer teoria relativa aos fatores que determinam o aumento das taxas salariais.

Mais ainda,

O historiador não deixa simplesmente que os acontecimentos falem por si mesmos. Ele organiza-os a partir do aspecto das ideias subjacentes à formação das noções gerais que utiliza na sua apresentação. Ele não relata fatos como eles aconteceram, mas apenas fatos relevantes.

A Importância de Definir o Objeto da Investigação

A chave na análise dos dados é estabelecer o objeto de investigação. Uma vez estabelecido o assunto, o passo seguinte é definir o objeto. O objetivo da definição é determinar os fatores-chave que determinam o objeto da investigação.

Para formar uma definição, é útil voltar o mais possível ao ponto em que uma coisa em particular surgiu. Por exemplo, ao analisar a oferta de moeda, voltaríamos ao ponto em que uma determinada mercadoria começasse a assumir o papel da moeda. No caso da moeda, descobriríamos que as pessoas introduziram a moeda a fim de promover o comércio de bens. Uma mercadoria que foi selecionada como moeda permitiu a troca mais eficiente.
Ao estabelecer que a moeda é o meio da troca, podemos inferir que as pessoas estão a pagar por um bem em termos de outros bens com a ajuda da moeda. Mas sem definir a moeda, não é possível dizer nada de significativo sobre ela e sobre o seu papel nos assuntos humanos.

Agora, quando um analista levanta um alarme por causa de um forte aumento na oferta de dinheiro, o que desencadeia este alarme não é apenas um aumento na oferta de dinheiro como tal, mas o conhecimento de que o aumento desencadeará uma troca de nada por alguma coisa. Isto, por sua vez, resultará no desvio da riqueza real dos geradores de riqueza para os detentores do dinheiro recém-criado. Seguindo a definição de que o preço de um bem é a quantidade de dinheiro por bem, o analista provavelmente inferirá que um aumento na oferta de dinheiro, sendo todas as outras coisas iguais, resultará em mais dinheiro gasto por bem (ou seja, os preços dos bens vão aumentar).

A definição de dinheiro como meio de troca permite-nos estabelecer que, uma vez injetado, há sempre recipientes adiantados e atrasados de dinheiro. Também podemos estabelecer que, uma vez injetado, é provável que o dinheiro seja empregado por algum indivíduo para trocar pelos bens e serviços de outro indivíduo.

Isto nos permite notar que existe um desfasamento temporal antes de a unidade de dinheiro chegar ao terceiro indivíduo e assim por diante. Isto, por sua vez, pode ajudar-nos a inferir que, como resultado do desfasamento temporal e da definição de preço como a quantidade de moeda por bem, é provável que uma alteração na oferta de moeda tenha um efeito retardado sobre os preços dos bens em vários mercados.

De acordo com Mises em The Ultimate Foundation of Economic Science,

Os dados da história não passariam de uma acumulação desajeitada de ocorrências desconexas, um amontoado de confusão, se não pudessem ser esclarecidos, dispostos e interpretados pelo conhecimento praxeológico sistemático.

Podemos concluir que sem um quadro teórico os dados não podem nos dizer as condições da economia. Não pode nos dizer se os dados fortes do PIB são por causa da expansão da riqueza ou por causa da erosão do processo de geração de riqueza.

Mas uma vez que determinamos que as políticas monetárias frouxas dos bancos centrais estão por trás das chamadas condições econômicas fortes, podemos deduzir que essas políticas vão enfraquecer o processo de geração de riqueza usando a nossa definição de dinheiro. Podemos então concluir que a política monetária frouxa será uma má notícia para o bem-estar dos indivíduos nos próximos meses.

As metáforas são úteis para entender uma economia?

Alguns comentaristas empregam várias metáforas para dar sentido aos dados. Por exemplo, o valor de várias transações é agrupado sob o rótulo “a economia”, que por sua vez é visto como seguindo uma trajetória semelhante à de uma nave espacial.

Se a economia (ou seja, a nave espacial) se desviar da trajetória que foi estabelecida pelos economistas do banco central como o ideal, então é papel dos tomadores de decisão do banco central introduzir as políticas necessárias para que ela volte à trajetória desejada.

Informações sobre a trajetória atual e seu desvio do ideal são obtidas através da avaliação de dados como PIB, produção industrial, o índice de preços ao consumidor, a taxa de desemprego, etc.

Observe que a teoria que os formuladores de políticas estão empregando é derivada da visão de que a economia é semelhante a uma nave espacial e deve seguir uma trajetória definida pelos formuladores de políticas do banco central.

Uma definição rigorosa de oferta de moeda, por outro lado, pode ajudar a esclarecer que o aumento da oferta de moeda por parte das autoridades centrais pode prejudicar o processo de formação de riqueza. Na tentativa de atingir o seu objetivo, as políticas dos bancos centrais vão minar a vida e o bem-estar de vários indivíduos num determinado país.

Assim, metáforas que estão desvinculadas da definição válida do objeto de investigação podem, de fato, ser prejudiciais ao bem-estar dos indivíduos, criando concepções errôneas que afetam os formuladores de políticas que tentam dar sentido aos dados.

Sugerimos que, independentemente da sofisticação das ferramentas empregadas na análise dos dados, se as definições empregadas forem erradas, os resultados da análise dos dados serão enganosos.

A abordagem popular de criar uma hipótese e depois testá-la por meio de várias ferramentas sofisticadas não é diferente de torturar dados para provar o caso – torturar os dados até “confessar”.

Por exemplo, um analista especula que um cão a ladrar pode ser útil na verificação do fenômeno dos ciclos de boom e bust. Se um cão ladra quatro vezes, isso é indicativo de um boom econômico pela frente. Se ladra duas vezes, é indicativo de um bust econômico.

Por meio de métodos estatísticos e matemáticos sofisticados, o analista consegue provar a hipótese. Devemos levar tais resultados a sério?

Por mais ridículo que pareça, o famoso economista Milton Friedman usou uma analogia de cordas de guitarra para explicar os ciclos de “boom-bust”. Se a corda for empurrada fortemente para baixo, é provável que ela suba fortemente quando a pressão para baixo for removida. Com base nisso, Friedman concluiu que um forte bust econômico será seguido por um forte boom econômico [1]. Vários estudos que empregaram ferramentas matemáticas sofisticadas apoiaram essa hipótese, que é contrária à teoria do ciclo econômicos de Mises, na qual um bust segue um boom anterior.

Isto é o que se pode inventar quando a necessidade de estabelecer uma teoria rigorosa é substituída pela estrutura (sugerida por Milton Friedman) de que qualquer coisa vai desde que se possa combinar a hipótese com os dados. Sobre isto Friedman escreveu,

O objetivo final de uma ciência positiva é o desenvolvimento de uma teoria ou hipótese que produza previsões válidas e significativas (isto é, não realistas) sobre fenômenos ainda não observados. [2]

Além disso, de acordo com Friedman,

A pergunta relevante a fazer sobre os pressupostos de uma teoria não é se eles são descritivamente realistas, pois nunca são, mas se são suficientemente bons para o propósito em questão. E esta pergunta só pode ser respondida vendo se a teoria funciona, o que significa se ela produz previsões suficientemente precisas. [3]

Faltando uma estrutura bem pensada, a teoria de Friedman de um ciclo de “boom-bust” é tão ridícula quanto a teoria do ladrar de cães, e nenhuma estrutura matemática sofisticada vai torná-la válida. O que falta na teoria de Friedman é uma definição válida de um ciclo de boom-bust e o que a traz à tona.

Referências bibliográficas

1.Milton Friedman, “The ‘Plucking Model’ of Business Fluctuations Revisited”, Inquérito Económico, 31 (1993): 171-77.

2.Milton Friedman, Essays in Positive Economics (Chicago: University of Chicago Press, 1953). Disponível em: <https://amzn.to/2SaWZy5>

3.Friedman, ibid.


Escrito por Frank Shostak
Traduzido por Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por Pedro Micheletto (@DevilSSSlayer)