Escrito por Jon Miltimore
Traduzido por Wallace Nascimento (@SrNascimento40)
Revisado por: Pedro Micheletto Palhares (@DevilSSSlayer)


A abordagem única da Suécia à pandemia da COVID-19 tem vindo a ser objeto de grande escrutínio durante semanas, incluindo tanto a admiração como as críticas.

Os suecos, ao contrário da maioria das outras nações, evitaram a abordagem da linha dura que levou à paralisação econômica em massa e a um desemprego galopante. Restaurantes, bares, piscinas públicas, bibliotecas e a maioria das escolas continuam abertas. Embora a abordagem do “laissez-faire” da nação tenha sido repreendida por alguns quadrantes, está também a começar a atrair elogios.

Funcionários da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmaram que a abordagem da Suécia “representa um modelo” para as nações que procuram acabar com os bloqueios que causaram perturbações econômicas generalizadas e puseram em risco a economia global.

Em certo sentido, a Suécia tornou-se uma pedra de toque do coronavírus. Os críticos salientam que a taxa de mortalidade per capita da Suécia na COVID-19 é superior à de vários dos seus vizinhos escandinavos — a Finlândia, a Dinamarca e a Noruega. Os defensores salientam que a taxa de mortalidade da Suécia é inferior à de muitos dos seus vizinhos europeusBélgica, França, Reino Unido, Espanha e Itália — que deram início a encerramentos rigorosos. Os proponentes assinalam também que a Suécia “achatou a curva”, observando que a nação de 10 milhões de habitantes não viu os seus hospitais serem inundados nem sofreu escassez de equipamento médico.

O debate sobre a Suécia vai, sem dúvida, prosseguir. No entanto, é importante lembrar que as ações falam mais alto do que as palavras. Então, o que é que as nações estão realmente a fazer? Como observaram os estudiosos num artigo publicado na terça-feira no Foreign Affairs, as nações de todo o mundo estão a abraçar tranquilamente a estratégia da Suécia.

“Quer tenham ou não abraçado abertamente a abordagem sueca, muitos outros países estão agora a tentar emular aspectos da mesma”. Tanto a Dinamarca como a Finlândia reabriram escolas para crianças pequenas”, escreveram os Professores Nils Karlson, Charlotta Stern e Daniel B. Klein. “A Alemanha está a permitir a reabertura de pequenas lojas. A Itália reabrirá em breve parques e a França tem um plano para permitir a reabertura de algumas empresas não essenciais, incluindo mercados de agricultores e pequenos museus, bem como escolas e creches”.

Um relatório recente da Kaiser Family Foundation mostra que os Estados Unidos estão a avançar numa direção semelhante. A grande maioria dos Estados está a flexibilizar as medidas de distanciamento social em vários graus (ver gráfico abaixo; os Estados azuis são medidas de flexibilização). As empresas “não essenciais” estão a ser autorizadas a reabrir. As ordens de permanência em casa estão a ser flexibilizadas ou anuladas. As refeições presenciais estão a regressar. As proibições de grandes reuniões estão a ser levantadas.

Isto não significa que todas as restrições serão subitamente levantadas; a maioria dos estabelecimentos terá quase de certeza limites de capacidade. Também não significa que não haja trabalho adicional pela frente. Os Estados em transição das ordens de encerramento terão, sem dúvida, muito trabalho para os manter ocupados com esforços de rastreio de contatos, testes alargados e esforços acrescidos para proteger as populações em risco.

Mas este tem sido, em grande medida, o modelo sueco desde o início. A razão pela qual outros estão finalmente a abraçá-lo, suspeito, é dupla.

Em primeiro lugar, o objetivo inicial de “achatar a curva” foi realizado. Os bloqueios, é importante não esquecer, nunca foram concebidos como uma medida permanente. Foi o primeiro passo de um plano maior, concebido para evitar que os hospitais ficassem sobrecarregados.

“A maioria dos modelos sugere que ‘achatar a curva’ faz sentido na primeira fase para não se sobrecarregar os sistemas médicos, mas é preciso ter uma segunda fase”, diz David L. Katz, médico americano e antigo diretor do Centro de Investigação de Prevenção de Yale-Griffin. “Se não se transitar para a fase dois, sempre que se libertam as pinças o vírus está no mundo à tua espera, todos são vulneráveis, e esse grande pico nos casos, e esse grande pico nas mortes que estás a tentar evitar, só acontece mais tarde”.

O problema, evidentemente, é que, de alguma forma, ficamos presos na primeira fase. Mas, como salienta Katz, nesse caso, não se evita realmente as mortes; apenas se alteram as datas.

O médico sueco Johan Giesecke ofereceu recentemente um take semelhante no The Lancet.

“Tornou-se claro que um encerramento rígido não protege pessoas idosas e frágeis que vivem em lares — uma população que o encerramento foi concebido para proteger”, escreveu Giesecke. “Medidas para aplanar a curva podem ter um efeito, mas um encerramento apenas empurra os casos graves para o futuro – não os irá impedir”.

O wildcard, evidentemente, sempre foi a esperança de que uma vacina ou novos medicamentos milagrosos pudessem ser rapidamente desenvolvidos. Essa continua a ser uma possibilidade, mas é altamente improvável, como admite o Director da NIAID, Anthony Fauci.

O que me leva à segunda razão que me leva a pensar que as nações estão a adotar a abordagem da Suécia. As nações ficam essencialmente com uma escolha simples: manter os bloqueios e esperar que uma vacina (ou uma “cura”, como diz o presidente da câmara de Los Angeles, Eric Garceitti) se desenvolva ou começar a aliviar as restrições.

As nações estão adotando lentamente esse último, e não é difícil entender o porquê.

Os custos sociais e econômicos desses bloqueios são claros – e surpreendentes: dezenas de milhões de empregos desapareceram repentinamente, desemprego no nível da Grande Depressão e nações ao redor do mundo entrando em recessão (as consequências psicológicas das paralisações são mais difíceis de quantificar, mas os relatos da mídia mostram que as linhas diretas de prevenção ao suicídio estão registrando picos de recordes).

Embora haja pouco debate sobre os custos sociais e econômicos dos bloqueios, seus benefícios são menos claros, evidenciados pela Suécia e outros estados que facilitaram os bloqueios e não viram uma explosão nas mortes. De fato, vários estudiosos argumentaram que os dados sugerem que os bloqueios não funcionaram.

“Não precisamos ter um debate nacional sobre se os custos econômicos dos bloqueios superam seus benefícios à saúde pública, porque os bloqueios não fornecem benefícios à saúde pública”, escreveu o economista Lyman Stone, membro adjunto do American Enterprise Institute, em um artigo do Discurso Público amplamente lido.

Embora Stone não seja o único estudioso a fazer tal afirmação, é justo ver essa posição como algo fora de série. Mas o grau em que os bloqueios foram ou não benéficos é assunto para outro dia. O que importa é que atualmente nações e estados estão agindo, sem esperar na esperança de que alguém desenvolva uma vacina ou “cura” (que normalmente leva anos para se desenvolver).

Para coletar verdadeiras preferências, não se ouve o que alguém diz. Observa-se o que eles fazem. Comportamento é o que revela verdadeiras preferências humanas e não suas palavras, apontam os economistas.

“Ação é uma coisa real. O que conta é o comportamento total de um homem, e não sua conversa sobre atos planejados, mas não realizados”, observou o famoso economista Ludwig von Mises em Ação Humana. “Também não há valor em palavras e doutrinas. Isso se reflete na conduta humana. Não é o que um homem ou grupos de homens dizem sobre o valor que conta, mas como eles agem”.

E o que as pessoas estão fazendo?

No momento, o mundo está caminhando silenciosamente em direção à abordagem laissez-faire da Suécia. Para aqueles cansados ​​de bloqueios econômicos impostos pelo estado que causaram grandes danos econômicos e resultaram em violações sem precedentes das liberdades civis, esse é um sinal encorajador.

Leia o artigo original clicando aqui.