De acordo com o National Bureau of Economic Research (NBER), uma recessão é definida como um “declínio significativo da atividade econômica, durando mais de alguns meses”. Muitas vezes, isso é entendido como dois trimestres consecutivos de crescimento econômico negativo conforme medido pelo PIB de um país.

A opinião pública é geralmente bastante simples no que diz respeito à recessão: as mudanças são geralmente bem-vindas, as recessões devem ser evitadas. Os “austríacos” estão, no entanto, em desacordo com esse consenso geral — consideramos as recessões saudáveis e necessárias. As crises econômicas apenas corrigem as aberrações e excessos de um boom. Os benefícios das recessões incluem:

• As estruturas escleróticas no mercado de trabalho são quebradas e os custos do trabalho diminuem.
• Aumento da produtividade e da competitividade.
• As desalocações incorretas são corrigidas e os investimentos não rentáveis são abandonados, anulados ou liquidados.
• A má gestão governamental da economia é exposta.
• Investidores e empreendedores que estavam assumindo riscos muito grandes sofrem perdas e os preços se ajustam para refletir as preferências dos consumidores.
• As recessões também permitem uma reestruturação dos processos de produção.

No final do processo corretivo, a base para uma nova retomada é mais estável e saudável. Vemos, portanto, as correções deflacionárias como uma condição prévia para um crescimento sustentável em um longo prazo de prosperidade. Ludwig von Mises entendeu isso quando observou:

O retorno à estabilidade monetária não gera uma crise. Apenas traz à luz os investimentos ruins e outros erros que foram cometidos sob a alucinação da prosperidade ilusória criada pelo dinheiro fácil.

O governo pode nos salvar?

No entanto, além de acarretar verdadeiras dificuldades temporárias para as áreas da economia afetadas pelos investimentos ruins, uma recessão econômica no futuro próximo representaria uma dura perda de face para os banqueiros centrais. Suas medidas controversas de política monetária foram justificadas como um meio adequado para restaurar a saúde da economia. Ou seja, seus esforços para acabar ou evitar recessões foram declarados como contribuindo para a tão esperada recuperação autossustentável.

Mas a tentativa de combater uma crise que foi desencadeada por uma política monetária demasiada expansionista pelos mesmos meios não conduzirá a uma prosperidade sustentável. Apenas atrasará os processos de ajustamento cruciais de uma fase deflacionista. Quanto mais tempo eles forem adiados e quanto mais os banqueiros centrais e políticos tentarem mantê-los afastados, mais desconfortável se tornará esse ajuste.

A política supera a economia

Em geral, há uma tendência em todos os sistemas democráticos para evitar processos de ajustamento demasiado dolorosos, uma vez que a sua natureza de amargura a curto prazo e de benefícios a longo prazo é incompatível com o sistema de resultados para o qual os políticos são reeleitos. Nenhum governo democrático, que seja apresentado com o projeto de lei para os óbvios sucessos e fracassos de sua administração visando a próxima eleição, permitirá voluntariamente que ocorra uma profunda recessão — mesmo que concorde que o ajuste foi necessário.

Assim, a política inflacionária é sempre um método bem-vindo para empobrecer a população por decreto e, assim, forçar um ajuste real dos preços pela força. O rebaixamento do dinheiro como regra sempre atinge mais duramente os mais desfavorecidos de uma sociedade, já que os ricos podem mais facilmente evitar uma desvalorização de sua riqueza.

Preocupação fora do campo austríaco

No entanto, os representantes da escola austríaca já não estão sozinhos a alertar para as consequências fatais a longo prazo da política de taxas de juro zero. Até mesmo o Banco de Pagamentos Internacionais, muitas vezes referido como o “banco central dos bancos centrais”, compreende que tentativas intermináveis de evitar recessões podem ter efeitos verdadeiramente negativos.

O relatório do BIS de 2014 alerta para mercados financeiros excessivamente eufóricos que, segundo o The Financial Times, estão “defasados da realidade”.

Explica o BIS:

Particularmente para os países em fase final de expansão financeira, o trade-off está agora entre o risco de antecipar a fase descendente do ciclo e o risco de sofrer um colapso maior mais tarde.

A nova dívida serve principalmente para evitar o colapso do frágil edifício da dívida; não conduz a uma nova atividade de investimento. Nesse sentido, o BIS vê paralelos entre as nações industrializadas ocidentais hoje e o Japão na década de 1990. Nessas políticas, o BIS afirma que “desestabiliza diretamente o setor bancário, mas também atua como um entrave à oferta de crédito e leva à sua má alocação”.

Este ano, o BCE, que, como sucessor do Bundesbank alemão, há muito mantém hasteada a bandeira da reserva de inflação, finalmente capitulou e começou a apostar no aumento do estímulo monetário — de acordo com o lema: “Não está funcionando, então vamos fazer mais!”.

No entanto, de acordo com F.A. Hayek, estes mecanismos unidos de defesa da crise global só adiam a crise que, de qualquer forma, só mais tarde e muito mais severamente se produzirá:

Combater uma depressão por uma expansão forçada do crédito, é como tentar combater um mal por suas próprias causas; porque sofremos uma má direção da produção, queremos ainda mais má direção – uma abordagem que necessariamente leva a uma crise ainda mais grave quando a expansão do crédito chega ao fim.

Escrito por: Ronald-Peter Stöferle (@RonStoeferle)
Traduzido por: Wallace Nascimento (@Wallace48597355)
Revisado por: Paulo Costa (@PauloDroopy)

Leia o artigo original do Mises Institute clicando aqui.