Original por: Praxgirl

Nesta lição, vamos ver uma introdução sobre o tempo na praxeologia. O conceito de tempo é crucial para entender as leis universais da ação. Tempo é o conceito que separa a praxeologia de todas as outras escolas de pensamentos que lidam com a ação humana.

Sem o tempo, o tratamento da ação seria o mesmo que o da matemática. Isso significa que todas as relações e implicações da praxeologia seriam coexistentes. Porém, com a ação, o tempo é uma função crucial uma vez que uma coisa deve seguir de outra e elas devem ser entendidas em termos de causa e efeito ou, em outras palavras, mudança.

Ação é uma atuação real que produz mudanças em nosso universo. Um homem age para satisfazer algum desejo; para buscar mudança. O conceito de mudança implica o conceito de tempo.

Ação implica tempo

Quando nós falamos de uma ação, nos referimos ao tempo antes da ação (o passado), o tempo gasto na ação (o presente) e o tempo depois da ação (o futuro). A ação provê o homem com a consciência do tempo. Ele pode pensar como as coisas estavam e como ele deseja que as coisas sigam. A ação é sempre direcionada para o futuro. Ela é o desejo de remover o desconforto que continua se um homem não agir.

Nossa consciência do tempo é sempre condicionada por nossas ações. Ela faz nossa percepção do tempo diferente daquela que as máquinas medem o tempo. A ação sempre ocorre no presente e o presente, em termos de uma ação, é muito diferente do que quando nos referimos aos movimentos de átomos ou planetas no espaço. O tempo que nós medimos utilizando relógios é sempre o passado. O tempo que nós medimos através da ação envolve identificar nosso desconforto, planejar para remover esse desconforto e fazer algo para removê-lo. Tempo é também escasso para nós. Do momento que nós começamos a agir, nós temos que economizar nosso tempo como nós economizamos outros fatores escassos. O tempo difere dos bens e serviços físicos que nós economizamos em nossas vidas porque ele nunca pode ser superabundante com referência a ação.

Mesmo se você estivesse no Jardim do Eden e tivesse recursos ilimitados, você ainda teria que economizar o seu tempo. Você teria que escolher fazer uma coisa antes da outra. Embora qualquer coisa que você deseje possa ser provida a você sem nenhum trabalho, você ainda teria que planejar o que você quer consumir primeiro, como há estados de satisfação, nos quais são incompatíveis entre si. Por exemplo, você não pode dormir e ler ao mesmo tempo. Por causa da incompatibilidade de estados de satisfação as ações de um indivíduo não podem acontecer no mesmo instante. Elas podem acontecer em uma rápida sucessão ou uma ação pode servir a múltiplos propósitos, mas, entre duas ações, uma deve sempre seguir a outra. Seria também inapropriado se referir a uma ação que satisfaz vários propósitos como uma coincidência de várias propósitos pu como uma coincidência de várias ações. O fato que duas ações não podem ser feitas ao mesmo tempo por um indivíduo implica a necessidade lógica que as ações são independentes, cada uma com respeito a sua escala de valor. A escala de valor é somente uma ferramenta que é utilizada para entender uma ação. Seria incorreto chamar uma ação de irracional ao comprar uma ação real de um indivíduo com o que ele planejava fazer antes.

Tome como exemplo esse raciocínio: se João prefere A a B e B a C, logicamente, ele deve preferir A a C. Contudo, se ele atualmente prefere C a A, então alguém poderia argumentar que isso não é consistente e, portanto, não é racional. Essas criticas erram em ver que, devido a essas duas ações não acontecerem ao mesmo tempo, não é apropriado construir uma escala de valores uniforme onde A precede B e B precede C. Duas ações demonstram duas escalas de valor diferentes.

A ação provoca mudanças e as implicações da ideia de ação necessita de um conceito verdadeiramente humano de tempo. Ela mostra que a concepção de modelos matemáticos para prever o comportamento humano é, definitivamente, falso. Na ação, nós estamos essencialmente e necessariamente sempre planejando e agindo para um futuro melhor e isso faz o tempo uma verdadeira, definitiva e inegável verdade.