quarta-feira, dezembro 7, 2022

150 Anos da Escola Austríaca de Economia

Texto por Caleb Fuller, do site EconLib, traduzido pelo Gazeta Libertária

Há 150 anos atrás surgia a Escola Austríaca por meio dos trabalhos de Carl Menger sobre economia política, inaugurando assim a escola de pensamento que melhor descrever os mecanismos da economia. Diante disso, seria importante recapitular suas contribuições e e seu desenvolvimento na história.

O nascimento da Escola Austríaca

1871 é o ano mais importante na história das ciências sociais? Eu penso que sim. Naquele ano, o jornalista financeiro austríaco Carl Menger publicou seu Grundsätze der Volkswirtschaftslehre — ou Princípios de Economia Política. Mais tarde naquele ano, outro eminente economista britânico, William Stanley Jevons, publicou sua Teoria da Economia Política.

Ambos os tratados ofereciam uma solução (semelhante) para o famoso “paradoxo do valor”: por que os diamantes, uma futilidade, são tão caros em comparação com a água, algo essencial para sustentar a vida? Alguma versão dessa questão deixou perplexos luminares como Platão, Tomás de Aquino, Copérnico, John Locke, Adam Smith e Benjamin Franklin, para citar apenas alguns.

Quando Menger, Jevons (e alguns anos depois) Leon Walras deram uma resposta baseada na relativa escassez de diamantes para água, eles mudaram a economia para sempre. Apenas a descoberta quase simultânea do cálculo de Newton e Leibniz rivaliza com a descoberta fortuita desses três pensadores.

A fama de Menger subiu rapidamente depois que os alunos se reuniram de toda a Europa para estudar com ele. A chamada “Escola Austríaca” de economia estava surgindo.

O legado duradouro da Escola Austríaca

Quinze décadas após o trabalho seminal de Menger, a tradição austríaca em economia sobrevive como uma vibrante comunidade de discurso científico. Como era verdade apenas alguns anos após a publicação de Menger em 1871, essa comunidade é atualmente caracterizada por “sub-tradições” às vezes complementares, às vezes rivais – uma marca necessária de um programa de pesquisa progressivo.

No entanto, todas as tradições identificáveis dentro da Escola Austríaca contemporânea tendem a enfatizar várias proposições analíticas derivadas da ideia fundamental de que as “ciências do homem” devem empregar métodos diferentes das “ciências naturais” (uma posição conhecida como “dualismo metodológico”).

Ao contrário das opiniões de alguns comentaristas leigos, a economia acadêmica austríaca é distinta de qualquer posição ideológica – seja de esquerda ou direita – bem como de movimentos populistas recentes, que muitas vezes se apropriaram do rótulo. Em vez disso, é um corpo de trabalho analítico destinado a interpretar e compreender o mundo social. E embora nem sempre ocupe o centro do pensamento científico social, seria um erro caracterizar a tradição austríaca como um movimento intelectual “retrógrado”.

Embora seja uma prima intelectual próxima do que hoje pode ser chamado de economia “mainstream” ou “neoclássica”, a Escola Austríaca sobrevive como uma tradição intelectual distinta devido ao poder explicativo de suas ideias e uma série de eventos sócio-históricos, que repetidamente justificaram a perspectiva austríaca. Menciono abaixo os mais notáveis.

A refutação do marxismo teórico

Hoje, poucos economistas se identificam explicitamente como marxistas, isso se deve em grande parte ao trabalho do maior aluno de Menger, Eugen von Böhm-Bawerk. Na virada do século 20, Böhm-Bawerk era um dos economistas vivos mais reconhecidos do mundo.

Sua fama derivou em parte de sua crítica devastadora do paradigma marxista. Entre outras contribuições técnicas, Böhm-Bawerk mostrou que os salários dos funcionários são descontados porque são pagos antecipadamente à receita que geram. Se os trabalhadores estivessem dispostos a ser pagos no momento da venda, seus salários aumentariam – mas também os força ria a ficar sem renda por um período possivelmente prolongado.

Depois de Böhm-Bawerk, a maioria dos economistas considerou a teoria do valor e da exploração do trabalho de Marx indefensável. A explicação completa de por que o socialismo na prática falha, no entanto, foi deixada para o aluno mais perspicaz de Böhm-Bawerk: Ludwig von Mises.

A grande Depressão

A terceira geração de austríacos de Mises, assim como a de Böhm-Bawerk, ganhou destaque internacional, tornando-se um Distinguished Fellow da American Economic Association. De fato, o economista do MIT Paul Samuelson — não alguém que pudesse ser confundido com um austríaco — argumentou que Mises teria sido homenageado com um Prêmio Nobel de Economia se o prêmio tivesse sido concedido em anos anteriores.

O que tornou a fama de Mises mais impressionante foi que ele conseguiu isso apesar de ter sido deslocado de sua Áustria natal pelos nazistas. Posteriormente, ele se estabeleceu na cidade de Nova York, onde foi forçado a falar e escrever algo diferente de uma das quatro línguas européias que conhecia.

De acordo com Ben Bernanke, entender as causas da Grande Depressão é “o santo graal da macroeconomia”. No entanto, em 1912, dezessete anos antes da infame crise de 1929, Mises publicou sua Teoria do Dinheiro e do Crédito, que oferecia uma teoria das depressões que combinava com os contornos da atual Grande Depressão.

Resumidamente, Mises argumentou que a criação artificial de crédito estimula investimentos que mais tarde são revelados como não lucrativos. Nesta visão, o Roaring 20’s foi uma manifestação de um boom alimentado pelo crédito, que resultou em um colapso inevitável. Indiscutivelmente, a teoria é agora a característica mais distintiva da Escola Austríaca contemporânea.

Em 1974, o aluno de Mises, FA Hayek, recebeu o Prêmio Nobel de Economia por suas extensões da teoria de Mises.

Socialismo e o colapso do comunismo

Se ele não tivesse contribuído com mais nada, a fama de Mises teria se solidificado com base em sua análise do socialismo. Em 1920, Mises estabeleceu sua posição sobre a impossibilidade do socialismo, um argumento que continuou a refinar com a publicação de sua obra-prima de 1949, Ação Humana.

Como muitos dos “maiores sucessos” da economia, o argumento de Mises é incrivelmente simples (embora longe de ser simplista). O socialismo elimina os mercados de fatores de produção (terra, trabalho e bens de capital). Sem mercados para fatores, não há preços monetários para eles. Sem preços monetários, não há lucro e prejuízo. E sem lucros e perdas, é impossível determinar o que produzir ou como produzir.

Enquanto Mises (e, posteriormente, seus alunos, FA Hayek e Murray Rothbard) desenvolviam e ampliavam esse argumento, os líderes econômicos, como Paul Samuelson, insistiam (até 1989!) que o planejamento central seria superior aos mercados livres.

Logo após os pronunciamentos triunfalistas de Samuelson, os eventos do final do século 20 trouxeram justificativa à posição austríaca. O principal pensador socialista Robert Heilbroner concluiu em 1989 que:

A União Soviética, a China e a Europa Oriental nos deram a prova mais clara possível de que o capitalismo organiza os assuntos materiais da humanidade de forma mais satisfatória do que o socialismo.

O mundo subdesenvolvido

Durante o Debate do Cálculo Socialista, Mises, Hayek, Rothbard e outros austríacos explicaram o fracasso do planejamento central, por um lado, e a primazia dos direitos de propriedade privada para o desenvolvimento econômico, por outro. Essas lições importantes logo encontrariam um novo palco no qual se provariam verdadeiras.

A era pós-Segunda Guerra Mundial viu o surgimento de grandes organizações supranacionais, como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, que buscavam refazer o Terceiro Mundo à imagem do Ocidente.

Central para as estratégias dessas organizações foi a canalização de dólares de ajuda para os países menos desenvolvidos para planejar suas sociedades de cima para baixo. Os austríacos viram pouca diferença analítica entre essa iniciativa e a tentativa de planejar centralmente a economia soviética. Vários trilhões de dólares de ajuda depois, a perspectiva austríaca foi justificada.

Apesar da interferência dos governos ocidentais, a segunda metade do século 20 também viu o recuo da predação por muitos governos locais em todo o mundo. Como os austríacos argumentaram, a propriedade privada gera lucros e perdas, o que permite aos produtores avaliar as consequências de suas decisões de investimento.

Os direitos de propriedade privada também incentivam os empreendedores a realizar investimentos em primeiro lugar. Na segunda metade do século 20, os direitos de propriedade privada tornaram-se mais fortes em todo o mundo. O crescimento esperado veio rapidamente. Entre 2005 e 2015, o número de pessoas que vivem com mais de dez dólares por dia cresceu 900 milhões.

A crise financeira de 2008

Como a Grande Depressão, a crise financeira de 2008 foi precipitada por uma onda de “dinheiro fácil” alimentada pelos bancos centrais do mundo. O padrão de expansão seguido de queda e recuperação lenta se encaixa como uma luva no padrão previsto pela teoria austríaca dos ciclos econômicos. Nos anos anteriores à crise, alguns austríacos alertaram que a política do banco central estava semeando as sementes de uma desaceleração significativa.

Escola Austríaca Hoje

No século 20, alunos e “grandes alunos” de Carl Menger ocuparam cargos acadêmicos na Universidade de Chicago, na London School of Economics, NYU, Princeton e Johns Hopkins. Enquanto os austríacos do passado iluminaram muitos dos debates mais relevantes para as políticas do século 20, uma nova geração está aplicando a lente analítica austríaca para questões prementes do século 21.

Estes incluem o estudo da guerra, desenvolvimento econômico, empreendedorismo, governança privada, paternalismo, política monetária e muito mais. A julgar pela produção dos austríacos de hoje, a visão de animação de Menger está viva e bem. Um brinde a mais 150 anos produtivos e perspicazes da Escola Austríaca.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA