quarta-feira, agosto 17, 2022

8 Idéias que lhe ensinarão a pensar como um economista

A economia é o estudo da ação humana – as escolhas que as pessoas fazem em um mundo de escassez. A escassez significa que as pessoas têm desejos ilimitados, mas nós vivemos em um mundo de recursos limitados. Devido a este fato, as pessoas têm que fazer escolhas, e as escolhas implicam concessões. As escolhas que as pessoas fazem são influenciadas pelos incentivos que enfrentam e esses incentivos são moldados pelas instituições – as regras do jogo – sob as quais as pessoas vivem e interagem com os outros.

A Foundation for Economic Education publicou alguns excelentes ensaios sobre a forma econômica de pensar e conceitos básicos (“The Economic Way of Thinking” de Ronald Nash e “Economics for the Citizen” de Walter E. Williams).

Neste ensaio, explicarei oito idéias e darei exemplos da forma econômica de pensar.

1. Conheça a diferença entre preço e custo

Muitas vezes ouvimos como certos países são maravilhosos porque oferecem “saúde gratuita” ou “educação gratuita”. Muitos também dirão “eu recebi de graça” porque não pagaram com dinheiro.

O erro está em não entender a diferença entre preço e custo. Por exemplo, as pessoas costumam dizer: “O latte da Starbucks me custou cinco dólares” ou “O bilhete de cinema me custou quinze dólares”. Custo em economia significa o que você desiste ou sacrifica. Nestes exemplos, os preços eram de 5 dólares e 15 dólares. Mas o custo do latte foi talvez o sanduíche que se poderia ter comprado com os mesmos $5, e o custo do filme foi talvez os três lattes que se poderia ter comprado com os mesmos $15.

Rotular saúde e educação “grátis” não é apenas errado – “não existe tal coisa como um almoço grátis” – também é enganoso. Como diria meu ex-professor Walter E. Williams: “A menos que você acredite no Papai Noel ou na Fada dos Dentes, o dinheiro tem que vir de algum lugar”. Você pode não receber uma conta médica nesses países, mas você tem mais dinheiro retirado de seu salário (ou seja, impostos) e pode ter que esperar muito mais tempo para fazer esse teste ou fazer aquela cirurgia “menor” (da perspectiva dos burocratas). Você paga com dinheiro ou tempo, mas de qualquer forma, você paga! Os impostos também são usados para pagar as escolas públicas, que é mais um exemplo de como as pessoas chamam algo de “grátis” quando não é.

Há uma diferença entre preço zero e custo zero. Pode haver um preço zero ($0), mas nunca há um custo zero. Portanto, não pragueje mais usando a palavra “grátis”!

2. As ações são mais importantes do que as declarações

“As ações falam mais alto do que as palavras”, é um idioma bem conhecido. Os seres humanos agem, e o ato de escolha nos diz algo. Considere este exemplo: Uma pessoa entra numa loja da Apple e vê o preço do último iPhone e murmura furiosamente: “Que roubo”, mas ainda continua a comprar aquele telefone.

Quando se faz algo voluntariamente, isso demonstra sua verdadeira preferência no momento. Assumindo que os indivíduos se interessam por si mesmos e que irão ex ante (olhando para frente no tempo) pesar subjetivamente o custo e o benefício de uma ação e, também assumindo que não é um direito ter a propriedade privada de outro (isto é, o iPhone da Apple), então quando uma pessoa entra em uma loja da Apple e compra o novo iPhone, o indivíduo obviamente espera estar de alguma forma melhor naquele momento. Dizer que a Apple “aproveitou” o cliente disposto a comprar seria um disparate, já que a Apple, ou qualquer negócio privado, não pode forçar as pessoas a comprar seu produto. Uma coisa é dizer algo, mas a prova está no ato de escolha.

3. a falácia do custo afundado: não chore sobre o leite derramado

“Não chore sobre o leite derramado” significa que o que está feito, está feito. Os únicos custos que devem entrar em nossas decisões são os custos de oportunidades futuras. Os custos passados são “afundados”. O exemplo típico para explicar a falácia dos custos irrecuperáveis é o exemplo do filme. Você gasta 15 dólares para ver um filme e uma hora neste filme de três horas você percebe que é horrível e só vai piorar. No entanto, seu sentimento é que você deve ficar e conseguir o valor do seu dinheiro. Isso é mau raciocínio econômico. Os 15 dólares já se foram, portanto não perca as próximas duas horas de seu valioso tempo e vá embora.

A maioria de nós conhece pessoas que estavam (estão) em um relacionamento horrível ou namorando o tipo errado de pessoa (talvez isto se aplique a você). Mas o sentimento de “já passei dois anos da minha vida com esta pessoa” pode levar a uma má decisão. Muitos acabam se casando com a pessoa a fim de justificar o investimento de tempo.

Sem ofensa à Beyoncé, mas se você gosta de si mesmo, então talvez não deixe que essa pessoa “coloque um anel nisso“! Não perca os próximos dois anos de tempo precioso. É melhor ser solteiro do que em um mau relacionamento (mas isso é para outro ensaio).

4. Tradeoffs: aprender a pensar na margem

O nível ideal ou eficiente de poluição não é zero. O número ideal de mortes ou lesões no trânsito também provavelmente não é zero. O número ideal de pessoas recebendo um vírus não é zero. O nível ideal de segurança não é a segurança perfeita. Isto soa estranho ou severo? Bem, se você quiser fazer uma viagem de travessia de estrada e não andar ou andar de bicicleta, ou se quiser desfrutar de jogar ou assistir esportes, e se quiser interagir fisicamente com outros, então é claro que o nível ideal de poluição, mortes, ferimentos e pessoas recebendo um vírus é na verdade maior que zero. O nível ideal de segurança é menos do que a segurança perfeita. Nada é gratuito, incluindo mais segurança – os intercâmbios estão sempre envolvidos porque há sempre um custo de oportunidade quando fazemos algo, mesmo coisas como viajar, praticar esportes ou interagir com outros.

A tomada de decisões incrementais é o que os economistas chamam de pensamento à margem. Marginal significa a unidade adicional ou extra. Toda vez que tomamos uma decisão é como se estivéssemos calculando o benefício marginal (o benefício de mais uma unidade) e o custo marginal (o que seria despendido para adquirir mais uma unidade) da ação. A forma econômica de pensar diz que algo deve ser feito até que o benefício marginal (MB) seja igual ao custo marginal (MC). Há também um conceito conhecido como a lei da diminuição da utilidade marginal – cada unidade adicional dá cada vez menos utilidade ou benefício.

Queremos ar puro para que nossos olhos não fiquem irritados quando saímos e nossos pulmões não ardam quando respiramos. Entretanto, se o desejo for de ar perfeitamente puro, isto significaria que não haverá mais carros, aviões, barcos ou navios, nem trens (alguns desejariam esta situação, pelo menos teoricamente). Isto imporia custos tremendos à sociedade.

Vejamos isso de outra forma. Se eu estalasse meus dedos e limpasse perfeitamente o Oceano Pacífico, mas depois colocasse uma gota de petróleo em algum lugar do oceano sem que todos soubessem, valeria a pena gastar dinheiro, tempo e outros recursos para caçar aquela única gota de petróleo? O benefício marginal de encontrar e remover uma gota de petróleo nos quintilhões de litros de água seria menor do que o custo marginal. Em inglês simples, não vale a pena. Novamente, o nível ideal de poluição é algum, não zero.

Quando se trata de estudar, praticar um esporte ou instrumento musical, ou namorar alguém antes de se casar, você pode pensar: “Quanto mais tempo, melhor”. Sou uma pessoa literal, então se eu dissesse aos meus alunos: “Quanto mais você estudar, melhor”, isso significaria que eles nunca comeriam, beberiam, dormiriam ou passariam tempo com a família e amigos. Mas o bom senso diz que depois de estudar por um certo tempo, a maioria dos estudantes dirá: “Eu entendo” ou simplesmente “tempo para seguir em frente”. Por que perder mais tempo estudando?

Além disso, se você está em um lugar em sua vida onde está pensando em se casar, então o objetivo do namoro é adquirir informações sobre a outra pessoa para que você possa tomar uma boa decisão. Em última análise, você chega a um ponto em que tem informações suficientes para propor, aceitar uma proposta ou romper com essa pessoa. Quando eu propus a minha esposa, não tinha informações perfeitas sobre ela, mas minhas informações eram boas o suficiente. Claro, mais um mês de namoro teria me dado algum benefício marginal em termos de informações adicionais sobre ela, mas cheguei a um ponto em que eu tinha informações suficientes – onde MB=MC.

“Bom o suficiente é bom o suficiente” é o que os economistas querem dizer ao fazer algo até que o benefício marginal seja igual ao custo marginal. A regra MB=MC implica que o pensamento “mais é melhor” não é o ideal. Uma aspirina do frasco pode ajudar na dor de cabeça, mas é perigoso pensar: “Bem, se uma é boa, o frasco inteiro é melhor”. Sim, sua dor de cabeça desaparecerá, mas você também desaparecerá.

5. Vantagem comparativa: a capacidade de fazer algo não significa que se deva

Em uma aula de economia padrão, os alunos são ensinados sobre vantagem absoluta e vantagem comparativa. O primeiro significa ser capaz de produzir mais que outro com a mesma quantidade de recursos ou usar menos recursos para produzir uma produção. O segundo significa ser capaz de fazer algo com um custo de oportunidade menor do que outro.

Como há sempre um custo de oportunidade quando se faz algo, às vezes é vantajoso pagar alguém para fazer algo mesmo que tenhamos o conhecimento e as habilidades para fazê-lo nós mesmos. Isto também tem aplicações para a política comercial. Só porque os Estados Unidos (na verdade, indivíduos nos Estados Unidos) podem produzir certos produtos não significa que devemos fazê-lo. Tudo bem se não tudo o que compramos diz “Made in USA” porque se o governo tentar “proteger os empregos americanos” e começar a impor tarifas e cotas, não estaremos realmente salvando os empregos americanos. É mais correto dizer que estamos economizando determinados empregos em detrimento de outros empregos americanos. É claro que a boa política e a boa economia muitas vezes vão em direções diferentes.

6. Oferta e demanda: entendendo como funcionam os preços

A queixa de que as empresas podem cobrar “o que quiserem” é um disparate. Por exemplo, por que os cinemas cobram apenas 8 dólares por pipoca e não 8.000 ou 8.000.000 dólares se eles podem supostamente cobrar o que quiserem? Há dois lados numa transação de mercado, e é esta interação de vendedores e compradores que determina o preço. O que é interessante é que muitas vezes são as mesmas pessoas que reclamam que estão fazendo barulho comendo aquela pipoca durante o filme.

7. Falácia torta fixa: a troca voluntária é ganha-ganha que cria torta maior

Os empreendedores se tornam ricos se criarem um produto ou serviço que forneça valor para um grande número de pessoas. A menos que os empreendedores recebam privilégios especiais do governo, eles não retiram dinheiro de seus clientes à força.

A raiva dirigida aos “ricos” se baseia na falácia de pensar que a economia é uma torta de tamanho fixo. Em outras palavras, aqueles que criticam os “ricos imundos” acreditam que pegaram um pedaço que era grande demais, deixando menos torta para o resto de nós, gente comum. A realidade é que estes empresários fizeram uma torta maior. Eles se beneficiaram, mas nós também!

Em uma transação comercial, as trocas são voluntárias, e o comércio voluntário é uma situação vantajosa para todos. O empresário ganha (assim como os funcionários que ele contrata) e os clientes ganham.

8. Falácia das boas intenções: não se esqueça dos custos invisíveis

Intenções e resultados nem sempre são a mesma coisa. A forma econômica de pensar nos ensina a considerar possíveis conseqüências não intencionais de nossas próprias ações ou das ações dos políticos. Só porque algo soa bem ou parece certo, não significa que um determinado objetivo será alcançado. Na verdade, o próprio problema que está sendo tratado pode se tornar pior.

Um pensamento econômico sólido também remove os cegos. Os efeitos de uma política em todos os grupos são considerados, não apenas em um grupo. Isto ajuda os indivíduos a ver através das afirmações dos políticos que uma política salvará empregos americanos quando na realidade somente algum grupo de interesse especial se beneficiará às custas de outros americanos. Quando os políticos confiscam dinheiro (ou seja, impostos) para construir estádios esportivos usando o argumento “isso vai criar empregos”, o erro é se concentrar nos empregos vistos e negligenciar o custo de oportunidade desses dólares dos impostos.

Conclusão

Há muito mais a dizer sobre Comoeste assunto chamado economia e há muito mais exemplos da forma econômica de pensar que eu poderia ter incluído. Alguns caracterizam a economia como senso comum aplicado; no entanto, a economia também nos dá visões contraintuitivas.

Este é o poder e a beleza da economia.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA