A liberdade está em declínio global

A vasta maioria da população mundial é menos livre hoje do que há cerca de uma década – e todos os residentes dos 10 países mais populosos do mundo viram sua liberdade diminuir no mesmo período.

Essa é a conclusão mais preocupante do Human Freedom Index, um relatório anual produzido pelo Cato Institute e pelo Frasier Institute, um think tank libertário canadense. O índice deste ano, divulgado quinta-feira, classifica os Estados Unidos como o 15º país mais livre do mundo entre 156 jurisdições incluídas na análise.

Os cinco principais países mais livres são Suíça, Nova Zelândia, Dinamarca, Estônia e Irlanda. Egito, Sudão, Iêmen, Venezuela e Síria estão nas últimas colocações, que levam em consideração 82 indicadores de liberdades econômicas, pessoais e civis.

Algum lugar deve ser considerado o mais livre do mundo, mas as tendências globais estão indo na direção errada. Desde que o primeiro relatório foi publicado em 2008, os autores da versão deste ano observam que cerca de 83% da população mundial viu a liberdade diminuir. A diferença entre os mais e os menos livres também aumentou, com cerca de 40% da população mundial agora residindo em países que estão entre os 20% mais baixos em liberdade geral.

“O declínio dos direitos fundamentais representa uma tendência preocupante que já ocorria antes do mundo experimentar a pandemia COVID-19 e seus efeitos sociais e políticos”, escreve Ian Vásquez, vice-presidente de estudos internacionais do Cato. “As áreas que sofreram as maiores quedas em todo o mundo foram liberdade de expressão, liberdade de religião e liberdade de associação, reunião e sociedade civil. Embora nosso relatório ainda não recolha dados de liberdade de 2020, esperamos ver uma deterioração em indicadores de liberdade nos relatórios futuros.”

A liberdade nos Estados Unidos está em declínio em termos absolutos e relativos, de acordo com o relatório. Em 2008, os EUA classificaram-se em sétimo lugar no mundo, mas caiu constantemente.

Fonte: Reason

Mas o declínio da liberdade nos Estados Unidos não é nada comparado ao que aconteceu na Hungria – um país agora rotineiramente (e erroneamente) considerado por segmentos da direita nacionalista como um exemplo que os Estados Unidos deveria seguir. A Hungria está em 59º lugar no índice deste ano, caindo da alta em 2009 onde ficou em 29º lugar. Os recentes esforços do ditador Viktor Orbán para restringir a liberdade de expressão e erodir o estado de direito estão claramente refletidos nas avaliações, com a Hungria agora classificando-se consideravelmente menos livre do que seus vizinhos europeus:

Fonte: Reason

Como o jornal Reason observou no mês passado, a dupla ameaça do populismo político e da pandemia COVID-19 desencadearam uma erosão dos valores de liberdade em todo o mundo. O “International Institute for Democracy and Electoral Assistance”, organização sem fins lucrativos com sede na Suécia que acompanha democracias ao redor do mundo desde 1975, alerta em um novo relatório que o número de países que estão se tornando “mais autoritários” pelos cálculos do grupo é três vezes maior do que países que estão caminhando para a liberdade. Este é o quinto ano consecutivo em que a tendência avança nessa direção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Greve das universidades federais
Política

Greve das Universidades Federais mantém tensão entre professores e o Governo Lula

A greve de universidades federais no país, que já dura quase dois meses, segue ativa, mantendo a tensão entre os professores federais e o Governo Lula. Por um lado, professores em greve afirmam que continuarão com a greve até receberem aumentos salariais. O governo, por sua vez, afirma que não há mais espaço no orçamento […]

Leia Mais
Macron
Política

Macron dissolve parlamento e convoca eleições legislativas antecipadas na França

No último domingo (9), o presidente da França, Emmanuel Macron, dissolveu o parlamento do país, a Assembleia Nacional, e convocou eleições legislativas antecipadas. A decisão do presidente francês foi tomada após uma pesquisa de boca de urna que mostrou que seu partido, Renascimento, seria derrotado pelo partido de oposição, União Nacional (RN), nas eleições parlamentares. […]

Leia Mais
Jorge Seif
Política

Senador Jorge Seif admite que defende imposto sobre importações porque paga o seu salário

O senador Jorge Seif (PL-SC), que se diz liberal, votou sim pela em 20% das compras internacionais até 50 dólares, que foi aprovada na última quarta-feira, 5, a taxação. O senador justificou seu voto, admitindo que tal imposto paga seu salário. O senador ainda recorreu às velhas falácias protecionistas e estatistas em defesa dos impostos […]

Leia Mais