A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Liga Hanseática

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada de piratas e ladrões entre o Elba e o Trave” [um rio no norte da Alemanha com seu delta no mar Báltico]. Aumentou gradualmente para adicionar Colônia e Bremen, expandindo-se posteriormente para Gdansk, Riga e Novgorod, finalmente incorporando Bruges, Brunswick e muitas cidades-satélite em toda a Escandinávia. O principal objetivo dessa expansão era manter as pescarias de arenque do Báltico nas mãos dos príncipes mercadores de Lübeck e decididamente longe das mãos de Frederick II Hohenstaufen, o stupor mundi extraordinário, que, em 1226, decretou aquela adorável cidade gótica de telhados em forma de frontão uma Cidade Imperial. Então, também, as rotas para capturar o comércio de sal para Chipre eram críticas. Logo, a Liga estava dominando as relações comerciais com o Levante, Veneza, Espanha, França e Inglaterra em madeira, peles, grãos, mel, cobre e ferro escandinavos, em troca de especiarias, remédios, frutas e vinho e algodão. Foi assim que essa coalizão frouxa de holandeses voadores – capitalistas – emergiu como um império sem Estado.

Navigare necesse est, viviere non est necesse está inscrito sobre a porta da antiga casa de navegação em Bremen: “É necessário continuar a navegação, não é necessário viver. “Esta velha sabedoria hanseática realmente capturou o espírito desta grande civilização portuária. Governado por um código de honra como uma aliança descentralizada, o comércio era tudo e “O Estado” era visto como um aborrecimento burocrático sem saída. A Liga se uniu e permaneceu unida para compartilhar os riscos de comércio, navegação e – quando necessário – lidar com senhores importunos que não sabiam nada de comércio em alto mar, mas podiam sentir o cheiro de uma nova fonte de impostos de mil afluentes do Báltico. Eles eram “homens que não lutariam ou roubariam; que não viveriam de pilhagem por pagamento”, como uma revista britânica do século XIX, The Illustrated Magazine of Art, uma vez suspirou em nostalgia. “Como aqueles que desejavam vender honestamente, foram obrigados a se unirpara sua própria proteção, a fim de não serem privados dos ricos bens que trouxeram da Itália para o norte da Europa. Eles formaram uma associação – uma que acabou se tornando a orgulhosa e poderosa rival de reis e imperadores.”

Em pouco tempo, esses reis e imperadores “imploraram seus empréstimos e penhoraram suas coroas” para fazer negócios com o Hansa e sua frota de 248 navios mercantes — o orgulho e o poder dos mares. Lübeck, em certo momento a cidade mais rica da Europa e referida como a “Cartago do Norte”, tornou-se a capital não oficial da Liga, mantendo seu próprio exército mercenário de 50.000 homens. Mas foi só isso. A Liga não tinha uma organização política coerente. Entrar ou sair era determinado pelos interesses comerciais dos comerciantes – nunca houve um centro administrativo claramente definido ou mesmo um sistema para aumentar os impostos. A admissão era rigorosa: nenhuma cidade seria permitida a menos que estivesse situada no mar ou em algum rio navegável adjacente. As cidades “que não mantinham a chave de seus próprios portões” nem sequer foram consideradas. Eles não tinham parlamento, nem presidente; nenhuma jurisdição civil consistente fora dos juramentos e promessas formais. Como protetor, escolheram o Grão-Mestre dos Cavaleiros Teutônicos — e até ele teve que prestar juramento para preservar a liberdade mercantil dessa alegre turma de marujos experientes. A Dieta intermitente da Liga se reunia sempre e onde quer que fosse conveniente discutir as coisas; não havia exército ou marinha e, no caso de alguma ameaça externa, as cidades mais em jogo se uniriam para decidir um plano de ação comum, como tarifas mais altas, e raramente declaravam guerra. Como proclamou o estatuto fundador da Liga: “Se o conflito for contra um príncipe que é senhor de uma das cidades, esta cidade não fornecerá homens, mas apenas dará dinheiro.”

A condição das coisas na Alemanha neste momento era favorável ao desenvolvimento dessas cidades livres e resolutas, pois o imperador Frederico sempre esteve envolvido em guerras vãs na Itália, deixando os assuntos imperiais em casa seguirem seu próprio curso.

Assim, a Hansa, pode-se dizer, era o equivalente medieval, setentrional e marítimo do modo exaltado dos grandes pólos — Atenas, Corinto, Tebas – centros industriais, gerando relações cívicas econômicas e uma explosão no comércio inter-regional entre outras cidades-estados. A Liga permaneceu como tal apenas algumas décadas depois daquele dia fatídico em 1598, quando Elizabeth I fechou uma importante associação comercial Hansa no Tâmisa, em Londres, preparada para criar uma potência imperial da Inglaterra.

Quando a Liga começou a tomar forma, espalhou-se com uma rapidez surpreendente, atingindo o ponto extremo oriental do Báltico algumas décadas após a fundação de Lübeck. O estabelecimento de tantas colônias de sucesso estimulou um espírito comercial inebriante, e a corrida para procurar os mercados mais remotos tornou-se uma espécie de esporte de viajantes. Que a Liga se originou ao longo do Báltico se deveu ao fato de que toda a região estava muito atrás dos outros grandes distritos comerciais da Europa em termos de desenvolvimento civilizado e apresentava maiores riscos e perigos para os comerciantes do que o Mediterrâneo ou o Mar do Norte. As cidades italianas, por exemplo, nunca se combinaram em um sistema organizado para fins comerciais. As cidades holandesas nunca teriam tido a necessidade de se unir, no que diz respeito ao seu comércio com a Inglaterra e a Noruega; eles foram atraídos para a Liga Hanseática por causa de seus interesses no Báltico.

Como uma historiadora, Ellen Semple, da Sociedade Geográfica Americana de Nova York, escreveu sobre A Liga: “Para as cidades espalhadas ao longo da costa alemã e russa, do Trave ao Neva, a união era uma questão de vida ou morte. Além disso, eles estavam cheios do espírito de iniciativa e autoconfiança engendrado por seu modo de vida. Seus habitantes, atraídos como colonos para essas costas inóspitas por isenção parcial de impostos e por certos direitos e privilégios incomuns como cidadãos, provaram os doces da independência.”

Essas cidades comerciais estavam localizadas entre os avançados centros industriais da Flandres, Holanda e Alemanha ocidental, por um lado, e as terras não desenvolvidas a sudeste, leste e norte, por outro. Ao sul deles havia uma grande passagem do Mediterrâneo e também dos mares Negro e Cáspio. Eles formavam os terminais setentrionais das rotas comerciais “e prosperavam ou declinavam de acordo com a atividade comercial ao longo dessas grandes rodovias continentais”. Eles entraram em estreitas relações com as cidades do interior que cresceram ao longo dessas rotas para complementar o trabalho das cidades costeiras e formaram com elas seus próprios sistemas de cidades, nos quais cada uma sustentava uma relação definida com as outras. Por essa razão, a Liga Hanseática, por mais misteriosa que seja sua origem, foi formada primeiro por uma federação de cidades marítimas “simplesmente para fins de proteção ao seu comércio comum”.

A Hansa também foi uma das duas grandes potências que usaram sistemas de ouro como dinheiro que funcionaram em seus dias — alguns diriam toda a história — sendo a outra Veneza. Esse ouro como dinheiro estava em constante circulação; não havia crédito como dinheiro na Liga.

Foi Sócrates quem falou do conceito de “alma da cidade”. A justiça natural, como ele chamava, da vida na cidade era que os homens faziam produtos para os homens que precisavam deles, com cada indivíduo dotado de algum talento mental ou capacidade física para equipar a comunidade. É uma justiça, como escreveu um estudioso do filósofo, extraída da natureza e “aplicada à organização feita pelo homem de sua ordem e regra”. Para os Hansa, a Cidade era uma expressão de grandeza cívica — e não “O Estado”. A Liga Hanseática continua sendo um conto maravilhoso, romântico e prático sobre o poder do comércio puro para organizar e civilizar as relações humanas, e seu gênio infalível no avanço do progresso da sociedade humana.

Artigo escrito por Márcia Christoff-Kurapovna, publicado no Mises.org, traduzido por Iaías Lobão e revisado por Rodrigo


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Praça de Maio
Economia

Mises na Argentina: lições do passado para hoje

Ludwig von Mises visitou a Argentina em junho de 1959 a convite do Dr. Alberto Benegas Lynch. As palestras que Mises proferiu na Universidade de Buenos Aires foram reproduzidas no livro ‘Economic Policy: Thoughts for Today and Tomorrow‘ (Política Econômica: Pensamentos para Hoje e Amanhã, lançado no Brasil como ‘As Seis Lições‘). Como o título […]

Leia Mais
Caridade
Economia

Entendendo o Verdadeiro Significado da Caridade

Na edição de janeiro-fevereiro da revista The Misesian, o economista Jörg Guido Hülsmann fala sobre os insights que o levaram a escrever seu livro ‘Understanding the True Meaning of Charity’ (‘Entendendo O Verdadeiro Significado da Caridade’, ainda sem tradução no Brasil). Confira abaixo a entrevista. The Misesian (TM): A economia das doações e da caridade […]

Leia Mais
Economia

A conta chegou: alta de inflação e dos juros e queda do PIB

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central (BC) mostraram um maior pessimismo em relação a economia do país, voltando a revisar para cima as projeções de juros e inflação para este ano. As informações foram divulgadas no Boletim Focus desta segunda-feira, 20. As previsões pessimistas são reflexo das políticas keynesianas nas quais o governo […]

Leia Mais