sexta-feira, julho 1, 2022

A OTAN como principal ameaça à paz mundial

Quando a administração Bush anunciou em 2008 que a Ucrânia e a Geórgia seriam elegíveis para a adesão à OTAN, eu sabia que era uma ideia terrível. Quase duas décadas após o fim do Pacto de Varsóvia e da Guerra Fria, a expansão da OTAN não fazia sentido. A própria OTAN não fazia sentido.

Explicando meu voto “não” em um projeto de lei para endossar a expansão, eu disse na época:

“A OTAN é uma organização cujo propósito terminou com o fim de seu adversário do Pacto de Varsóvia… Esta atual rodada de expansão da OTAN é uma recompensa política aos governos da Geórgia e da Ucrânia que chegaram ao poder como resultado das revoluções apoiadas pelos EUA, as chamadas revoluções laranja e rosa. Fornecer garantias militares dos EUA à Ucrânia e à Geórgia só pode sobrecarregar ainda mais nossos militares. Essa expansão da OTAN pode envolver os militares dos EUA em conflitos não relacionados ao nosso interesse nacional…”

Infelizmente, como vimos na semana passada, meus medos se tornaram realidade. Não é preciso aprovar as ações militares da Rússia para analisar sua motivação declarada: a adesão à OTAN para a Ucrânia era uma linha vermelha que não estava disposta a ser cruzada. À medida que nos encontramos em risco de uma terrível escalada, devemos nos lembrar de que não precisava acontecer dessa maneira. Não havia vantagem para os Estados Unidos em expandir e ameaçar expandir a OTAN até a porta da Rússia. Não há como argumentar que estamos mais seguros por isso.

A OTAN por si foi um grande erro

Quando em 1949 o Senado dos EUA votou inicialmente no tratado da OTAN, o senador Roberg Taft – conhecido como “Mr. Republicano” – fez um excelente discurso sobre por que votou contra a criação da OTAN.

Explicando seu voto “não”, ele disse:

“… o tratado é parte de um programa muito maior pelo qual armamos todas essas nações contra a Rússia… Um programa militar conjunto já foi feito… Torna-se assim uma aliança militar ofensiva e defensiva contra a Rússia. Acredito que nossa política externa deve visar principalmente a segurança e a paz, e acredito que tal aliança tem mais probabilidade de produzir guerra do que paz.”

Taft continuou:

“Se nos comprometermos a armar todas as nações ao redor da Rússia… e a Rússia se vê cercada gradualmente pelas chamadas armas defensivas da Noruega e Dinamarca à Turquia e Grécia, pode-se formar uma opinião diferente. Pode-se decidir que o armamento da Europa Ocidental, independentemente de seu propósito atual, visa um ataque à Rússia. Sua visão pode ser irracional, e eu acho que é. Mas do ponto de vista russo pode não parecer irracional. Eles podem muito bem decidir que, se a guerra for o resultado certo, essa guerra pode ocorrer melhor agora do que depois que o armamento da Europa estiver concluído…”

O quão certo ele estava

A OTAN saiu dos trilhos muito antes de 2008, no entanto. O Tratado do Atlântico Norte foi assinado em 4 de abril de 1949 e, no início da Guerra da Coréia, pouco mais de um ano depois, a OTAN estava muito envolvida na operação militar da guerra na Ásia, não na Europa!

O propósito da OTAN foi declarado para “garantir a segurança e a liberdade de seus membros por meios políticos e militares”. É um trabalho que foi mal feito!

Acredito tão fortemente hoje quanto no meu discurso no plenário da Câmara de 2008 que “a OTAN deve ser dissolvida, não expandida”. Enquanto isso, a expansão deve estar fora da mesa. Os riscos não compensam os benefícios!

Artigo escrito por Ron Paul, publicado no site Mises.org e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA