A polêmica do MBL revelou a maior virtude do partido

Não é surpresa que jogada de marketing político do MBL saiu pela culatra. Todos já sabem do escândalo de Arthur Val e do chilique de seu amigo, Renan dos santos. Mas, em sua defesa, o MBL afirma ter viajado à Ucrânia para prestar ajuda humanitária — e por que isso seria um problema? Simples:

Não há ajuda alguma na ajuda humanitária

Qualquer um que já tenha dado esmola a um desabrigado faminto sabe o que acontece logo depois: ele continua desabrigado e faminto. Os suprimentos doados pela ajuda humanitária permitem que os beneficiários não morram de fome hoje… para continuarem a viver na miséria amanhã. A ajuda humanitária alimenta mais o ego de quem doa do que a barriga de quem definha.

Mas será que é só isso mesmo?

A ajuda humanitária é uma ótima maneira de construir reputação — tanto para quem a merece quanto para quem não. No entanto, é preciso destacar que doar suprimentos a quem precisa é, sempre, uma ajuda. Porém, esse tipo de “ajuda” é, no máximo, prolongar o sofrimento do miserável. Doar comida suprimentos é apenas um detalhe (necessário, por vezes) naquilo que poderia de fato ajudar. Mas o que seria, então, uma “verdadeira ajuda”?

A diferença faz a diferença

Entre as coisas realmente importantes, são comuns algumas mesmas características: serem chatas, difíceis, nem um pouco animadoras e bem demoradas. A única maneira de fazer a diferença na vida de quem precisa é fazendo diferente daqueles que sempre fazem a mesma coisa: é investir na autossuficiência do beneficiário.

“Se deres um peixe a um homem faminto, vais alimentá-lo por um dia. Se o ensinares a pescar, vais alimentá-lo por toda a vida”

Lao-Tsé, filósofo fundador do Taoísmo

O maior problema da África, por exemplo, não é a fome. Não é da tal “ajuda humanitária” que a África precisa. A falta de comida em diversos países desse continente não é o problema, mas a consequência: a fome na África vem da propriedade intelectual.

Ainda que os materiais vegetais patenteados sejam frequentemente oriundos de África, assim que são patenteados por empresas multinacionais, tornam-se virtualmente inacessíveis ao povo africano

Oduor Ong’wen, CEO e Diretor Executivo da Orange Democratic Movement
https://www.pambazuka.org/pt/governance/biopirataria-o-regime-de-propriedade-intelectual-e-os-meios-de-subsist%C3%AAncia-em-%C3%A1frica#:~:text=Milhares%20de%20patentes%20de%20plantas,uma%20planta%20da%20%C3%81frica%20Ocidental.

Na agropecuária, são muitas espécimes de vegetais que estão sob o controle monopolístico de grandes empresas transacionais — empresas essas que contam com o apoio financeiro do estado para manterem seu monopólio. Mas não para por aí: o mesmo acontece, talvez até pior, com produtos farmacêuticos.

os recursos para produzir, e até mesmo adquirir, os
medicamentos essenciais são escassos (principalmente, pelos países mais
necessitados do Sul), e, entende-se que, em grande parte, isso ocorre em função
dos direitos de produção industrial

Thalita Moraes Lima, pesquisadora mestra em direito e políticas públicas pela CEUB
http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3622.pdf

Lutando contra esse tipo de empecilho ao livre mercado, seja no Brasil ou no mundo a fora, o MBL conseguiria prestar uma verdadeira ajuda à humanidade, ao invés da tão famosa —e ineficiente — ajuda humanitária. Dessa forma, estariam ensinando a pescar, e não apenas distribuindo peixe. Mas esse não é o interesse do MBL — nunca foi.

Por que se preocupar em fazer a diferença que faz a diferença quando se pode fazer apenas mais do mesmo — marketing e política —, não é mesmo? Afinal, é importante que ajam pessoas pobres no mundo; tanto para conseguir votos com mais facilidade quanto para garantir o Tour de cada ano.

“Mas olhe pelo lado bom: ainda que tenha sido por motivos oportunistas, o MBL ao menos deu o peixe a quem estava precisando”. Será mesmo?

Transparente por fora… e por dentro também

Esse (R$ 275.366,20) foi o valor total arrecadado pelo MBL durante os quatro primeiros dias de sua Missão Ucrânia:

Já esse (R$ 43.746,62), foi o valor que o MBL gastou na compra de suprimentos para os refugiados ucranianos:

E esses foram os produtos que eles compraram para as vítimas da guerra:

E, por fim, o valor total (incluindo a reserva para impostos, além de mais R$ 11.440,00 gastos em combustível):

Ah, e é claro — o comprovante da primeira transferência:

Todos esses dados podem ser encontrados no mesmo lugar — num arquivo PDF, feito e disponibilizado publicamente pelo próprio MBL: https://s3.documentcloud.org/documents/21398192/missao-ucrania-mbl.pdf

Certo, mas o que tudo isso quer dizer? Ora, que eles compraram e forneceram suprimentos à população ucraniana (R$ 40.000,00) e que doaram a maior parte (R$ 211.829,58) para A Representação Central Ucraniano-Brasileira (RCUB), uma organização sediada no Brasil, presidida pelo advogado Vitório Sorotiuk, que, entre 1980 e 1981…

MBL doou R$ 211 mil da "campanha humanitária" para entidade presidida por  um dos fundadores do PT
À direita, Vitório Sorotiuk, abraçando Gleisi Hoffmann, a atual presidente nacional do PT

participou da fundação do PT.

Convidamos todos os brasileiros a se indignar" | Band
À esquerda, Vitório Sorotiuk, prestando uma entrevista ao jornal Band News

Tudo isso aponta para duas hipóteses plausíveis:

Ou o MBL é um partido como qualquer outro, tendo feito uma aliança política com o PT por debaixo dos panos, ou o MBL é o partido mais desorganizado e incompetente da atualidade — e talvez até de toda a história do Brasil.

E caso R$ 40.000,00 pareça um valor alto o suficiente para o leitor do artigo, aqui vai um rápido esclarecimento:

Os R$ 40.000,00 (tendo R$ 11.440,00 sido gastos em combustível) usados pelo MBL na compra de recursos para os ucranianos equivalem à exatamente 14,52% do valor total arrecadado: dos R$ 275.366,20 adquiridos em apenas 7 horas.

Os 85,48% restantes, que equivalem à R$ 235.383,02, não estão nas mãos dos refugiados ucranianos; uma parte (R$ 23.536,62 – 8,54% do total) está no bolso do MBL, e a outra (211.829,58 – 76,92% do total) estão nos bolsos de uma organização estatal, presidida por um dos fundadores do PT — o partido serviu de palco para a ascensão do MBL entre 2015 e 2016, durante o impeachment de Dilma Rousseff.

Forma estranha de agradecer pelo favor, mas sobretudo um sinal de uma virtude única, que não se encontra em nenhum outro partido brasileiro:

Um lannister o MBL sempre paga suas dívidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escola cívico-militar
Política

Sobre a polêmica em torno do projeto das escolas cívico-militares

Foi aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta terça-feira (21), o projeto de lei que viabiliza a implementação de escolas cívico-militares nas redes municipais e estaduais de educação do estado de São Paulo. Para muitos preocupados com a doutrinação esquerdista sobre as crianças nas escolas, o projeto é visto como uma saída. No […]

Leia Mais
Emchentes no Rio Grande do Sul
Política

Municípios atingidos pelas inundações no RS enfrentam burocracia para receber ajuda do governo federal

Em um artigo da CNN, diversas entidades municipais informaram que estão enfrentando uma enorme burocracia para receber verbas do governo federal para lidar com os impactos das inundações no Rio Grande do Sul. A informação contrasta com a acusação por parte da grande mídia e agentes públicos, de que a afirmação de tal burocracia na […]

Leia Mais
Dique de Mauá
Política

Bombeiros usam sacos de areia de improviso para impedir inundação no RS

Em um vídeo que está circulando na internet, uma equipe de bombeiros usa sacos de areia como improviso para impedir que um determinado lugar no Rio Grande do Sul fosse inundado. Um perfil popular no X chamado Peregrino publicou o vídeo e fez uma comparação com diques construídos por holandeses há mais de 100 anos. […]

Leia Mais