A prisão de desenvolvedores de carteiras Samourai mostra que o governo dos EUA odeia privacidade e liberdade

Samourai Wallet

Em 24 de abril, dois desenvolvedores líderes da Samourai Wallet (SW), a carteira centrada na privacidade mais avançada do ecossistema bitcoin, foram presos e acusados de crimes de lavagem de dinheiro e violações na transmissão de dinheiro por ordem do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ). Este é apenas o mais recente ataque de uma guerra crescente travada pelos reguladores dos EUA contra a privacidade e a liberdade financeiras.

Outros exemplos são a prisão de desenvolvedores do Tornado Cash – um protocolo de privacidade desenvolvido para Ethereum e outras blockchains – e a pressão exercida por agências de três letras em exchanges centralizadas para retirar criptomoedas centradas na privacidade, como o monero. A regulamentação por prisão e intimidação é a estratégia implantada pelo governo dos EUA para drenar a liquidez do dinheiro que preserva a privacidade, que é percebido como uma ameaça ao sistema monetário fiduciário hipersupervisionado.

Regulação por Prisão: O Caso da Carteira Samourai

O Bitcoin é um sistema monetário transparente porque o remetente, o destinatário e o valor de qualquer transação são visíveis na cadeia. O pseudonimato é a proteção de privacidade mais básica disponível para os usuários de bitcoin: endereços e transações são sequências de caracteres alfanuméricos que não estão diretamente relacionados a pessoas do mundo real. Práticas financeiras tradicionais, como os requisitos de Conheça seu Cliente (KYC), destroem a privacidade do bitcoin porque vinculam informações pseudônimas na cadeia a identidades reais, tornando a atividade na cadeia rastreável. Não é surpresa, então, que governos em todo o mundo estejam exercendo pressão sobre intermediários centralizados para impor essas práticas a seus clientes.

Para manter o pseudônimo, os usuários de criptomoedas preocupados com a privacidade devem evitar interagir com intermediários regulamentados e com qualquer pessoa que imponha medidas de KYC. Além disso, várias técnicas de privacidade foram desenvolvidas para ajudar os indivíduos a manter seus pertences privados. Uma das estratégias de privacidade mais eficazes é o coinjoin, que consiste em um “método descentralizado para agrupar múltiplos pagamentos de Bitcoin de diferentes usuários em uma única transação, dificultando para terceiros determinar qual usuário pagou qual destinatário ou destinatários”. A SW desenvolveu a Whirlpool, que “é a única verdadeira implementação de junção de moedas zerolink existente. Cada mix da Whirlpool é um coinjoin de 5 pessoas facilitado pelo nosso coordenador cego chaumiano. Cada transação tem 1496 interpretações possíveis e quebra todas as ligações determinísticas entre entradas e saídas, proporcionando ao usuário uma privacidade de nível de transação líder de mercado.” O DOJ dos EUA vê o desenvolvimento do Whirlpool e outras técnicas de privacidade como um ataque contra o aparato de vigilância do sistema fiduciário: a prisão dos desenvolvedores do SW é uma mensagem para quem se atreve a ameaçá-lo.

Os argumentos descritos na acusação soam como sofismas. Primeiro, os desenvolvedores de SW são acusados de conspiração para operar um negócio de transmissão de dinheiro sem licença porque não registraram seu software na Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN). No entanto, a orientação FinCEN FIN-2019-G001 afirma inequivocamente que “os fornecedores de ferramentas (comunicações, hardware ou software) que podem ser utilizados na transmissão de dinheiro, como software de anonimato, estão envolvidos no comércio e não na transmissão de dinheiro”.

Dado que todas as ferramentas de SW não são de custódia e que os usuários em nenhum momento desistem do controle sobre seus fundos, essas ferramentas são apenas software e não um serviço centralizado que deve receber uma licença. É verdade que os usuários pagam taxas ao SW para coinjoin seus fundos e que o coordenador cego do SW constrói transações de coinjoin; no entanto, os usuários sozinhos – não os desenvolvedores do SW – controlam suas moedas e as transmitem.

Em segundo lugar, a acusação alega que US $ 100 milhões em processos criminais foram lavados por meio de ferramentas de privacidade da SW; no entanto, também afirma que a SW “incentiva os usuários a manter suas criptomoedas no Whirlpool (e, portanto, gerar liquidez adicional no pool), tornando remixes subsequentes gratuitos”. Isso explica por que os criminosos raramente usam a Whirlpool para lavar fundos: eles geralmente querem sacar seu dinheiro o mais rápido possível, mas a Whirlpool incentiva os usuários a fazer exatamente o oposto para que sua privacidade seja aumentada. Na verdade, se os números mencionados na acusação estiverem corretos, 95% dos US $ 2 bilhões que passaram pelas ferramentas de privacidade do SW são lícitos. Ao derrubar a Whirlpool, o DOJ está proibindo um número significativo de indivíduos cumpridores da lei de proteger sua privacidade financeira. Além disso, a acusação não leva em conta o fato óbvio de que a lavagem de dinheiro é cometida por lavadores de dinheiro e não por desenvolvedores que escrevem software.

Em terceiro lugar, a posição do governo dos EUA sobre a natureza do bitcoin é obscura. Por um lado, a Receita Federal afirma que o bitcoin não é dinheiro, mas um ativo especulativo; é por isso que os cidadãos dos EUA devem pagar impostos sobre ganhos de capital em suas participações em criptomoedas. Por outro lado, o DOJ alega que o software coinjoin possibilita a lavagem de dinheiro. É importante notar que a Whirlpool permite que os indivíduos pseudonimizem suas moedas, mas não as convertam em dólares. Como as moedas podem constituir lavagem de dinheiro se o bitcoin não é dinheiro e nunca é convertido em moeda fiduciária?

Em quarto lugar, a acusação menciona alguns tweets e materiais de marketing de desenvolvedores de SW como evidência de intenção criminosa. A maioria das “evidências”, no entanto, são apenas comentários provocativos ou declarações de verdades óbvias, como SW ser livre de KYC. O DOJ leva o monopólio estatal do dinheiro tão a sério que não consegue nem distinguir o discurso provocativo dos atos criminosos.

Em quinto lugar, em 25 de abril, um dia após a prisão dos desenvolvedores do SW, o FBI emitiu um anúncio ameaçador de serviço público : “As pessoas que usam serviços de transmissão de dinheiro de criptomoedas sem licença podem encontrar interrupções financeiras durante as ações de aplicação da lei, especialmente se sua criptomoeda estiver misturada com fundos obtidos por meios ilegais”. O anúncio também insta os cidadãos cumpridores da lei a evitar qualquer software ou serviço livre de KYC que escape do aparato de vigilância do estado e do sistema bancário. Estamos naquele estágio da descida à tirania em que o governo ameaça os cidadãos cumpridores da lei com “interrupção financeira” se eles usarem um software do qual o FBI não goste.

A conexão entre a prisão de desenvolvedores de SW e ETFs de Bitcoin

As ações intimidadoras do governo dos EUA estão criando um efeito assustador no ecossistema de criptomoedas. A Sparrow Wallet, uma grande carteira de bitcoin que implementou a Whirlpool, a removeu de seu último lançamento após a prisão dos desenvolvedores do SW. Da mesma forma, a Wasabi Wallet, que implementa um protocolo diferente de coinjoin, anunciou que “agora está bloqueando residentes e cidadãos dos EUA de usar seu serviço de coinjoin”. A Phoenix Wallet, uma das carteiras de bitcoin mais populares da Lightning Network, anunciou que seu aplicativo será removido das lojas de aplicativos dos EUA porque “anúncios recentes das autoridades dos EUA lançam uma dúvida sobre se os provedores de carteiras de auto-custódia, provedores de serviços Lightning ou mesmo nós Lightning poderiam ser considerados Negócios de Serviços Monetários e ser regulamentados como tal.” Em princípio, mesmo mineradores e carteiras auto-hospedadas podem ser vistos como transmissores de dinheiro sob a interpretação arbitrária da lei pelas autoridades dos EUA, o que significa que nenhuma empresa, desenvolvedor ou usuário está a salvo de excessos regulatórios.

As ações do DOJ não são aleatórias, mas intencionais: o objetivo não é combater o crime, mas esgotar a liquidez das ferramentas criptográficas que permitem que os indivíduos evitem o sistema financeiro tradicional. Os eventos discutidos neste artigo estão inevitavelmente ligados à aprovação dos fundos negociados em bolsa (ETFs) de bitcoin no início deste ano. Os ETFs são instrumentos de custódia e regulamentados que permitem que alguns comparsas poderosos tragam o máximo de bitcoin possível sob sua custódia e o escrutínio do estado. Possuir ações em ETFs de bitcoin não é possuir bitcoin, mas uma promessa de resgatar bitcoin. Os ETFs são ferramentas fiduciárias tradicionais que capacitam intermediários regulamentados e desincentivam a autocustódia e as práticas de privacidade. A intermediação e a vigilância fornecidas pelos ETFs são positivas para o governo; em vez disso, a autocustódia e a privacidade são uma ameaça à capacidade do estado de controlar a economia e extrair recursos dela. A prisão dos desenvolvedores de SW e a aprovação dos ETFs de bitcoin destinam-se a drenar a liquidez do bitcoin de capital fechado e prender as pessoas no sistema fiat-KYC.

De uma perspectiva histórica, o comportamento errático do governo dos EUA não deve ser uma surpresa: quando a economia é atormentada por dívidas insuportáveis e as guerras se espalham como fogo, as autoridades tendem a apertar os controles financeiros. Os EUA não são exceção. Nas mentes distorcidas dos tiranos, ninguém deve ter permissão para preservar sua riqueza saindo do sistema financeiro e institucional vigente: o navio deve afundar com todos a bordo.

Artigo escrito por Andrea Togni, publicado em Mises.org e traduzido por Isaías Lobão


GOSTA DO NOSSO TRABALHO? CONSIDERE UMA DOAÇÃO

Com sua contribuição, poderemos nos dedicar integralmente à nossa missão: levar notícias e informação para o público de forma transparente e livre. E tudo isso, livre do viés estatista da grande mídia e em total defesa da liberdade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bem-estar
Ética

Bem-estar fora do estado

Uma razão frequentemente citada para a necessidade do estado é que ele é o único meio pelo qual os pobres podem ter acesso a bem-estar suficiente para aliviá-los das duras realidades que podem acompanhar suas circunstâncias. No entanto, apesar das promessas feitas ao longo de muitas décadas e das enormes somas gastas em programas de […]

Leia Mais
Ética

A CIA na Guerra Fria — MKULTRA

Em uma madrugada de novembro de 1953, Frank Olson se jogava da janela de seu quarto de hotel, atormentado e depressivo. Olson era um trabalhador civil da inteligência americana. Dias antes, sem aviso e sem consentimento, foi utilizado na série de experimentos coletivamente conhecidos como MKULTRA. O coletivo de 149 projetos sob a denominação MKULTRA […]

Leia Mais
Anitta
Ética

Anitta e sua defesa socialista de um teto de riqueza

Durante uma conversa no podcast On Purpose with Jay Shetty, nos EUA, a cantora de funk Anitta defendeu que deveria haver um “teto de riqueza” limitando até quanto uma poderia manter consigo de renda. Em seguida, ela afirmou que o valor restante confiscado (obviamente pelo estado) deveria ser usado para “beneficiar a sociedade”. Com seu […]

Leia Mais