sexta-feira, maio 20, 2022

A resposta do governo ao Covid foi um fracasso completo

Alguém me perguntou recentemente quando o Congresso iria realizar audiências para responsabilizar os funcionários do governo que falharam durante o combate ao covid. Afinal, há muito a aprender com os erros cometidos nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Administração de Alimentos e Drogas (FDA), Reserva Federal e nas administrações governamentais.

Por exemplo, quem será responsabilizado pelas políticas de bloqueio orquestradas pelo governo para combater o covid que, em retrospectiva, foram mal concebidas, ineficazes e incrivelmente caras? Quem no CDC será responsabilizado pela falha da agência em detectar o vírus mais cedo? Quais funcionários do CDC irão aparecer após a confusão total que a agência criou ao mudar constantemente as mensagens, informações e a orientação política?

Quanto às falhas da FDA, há muitas para listar. Mas não estou ouvindo ninguém no poder falar sobre responsabilizar seus funcionários pela falha contínua em aprovar os testes da COVID-19.

Não se esqueça da explosão dos gastos do governo, que se prolongou por muito tempo depois de 2020 sem nenhum plano de consolidação fiscal pós-crise, ou da falha do Federal Reserve em prever a maior inflação das últimas décadas.

Infelizmente, com toda a probabilidade, ninguém será responsabilizado.

Você acha que eu estou exagerando? Deixe-me te lembrar que ninguém foi demitido publicamente quando o Departamento de Defesa do Presidente Joe Biden liderou a desastrosa saída do Afeganistão, nem quando soubemos que um de seus drones matou uma dúzia de pessoas inocentes “por engano”. Nem rolaram cabeças durante a administração de George W. Bush quando foi revelado que um bando de consultores da CIA sem credenciais fez milhões venderem técnicas de tortura ineficazes e ilegais. Estes agentes foram capacitados por burocratas de várias agências, muitas das quais ainda têm seus empregos. E ninguém está sendo demitido pelo fiasco em curso na fronteira sul dos Estados Unidos, onde milhares de famílias imigrantes que buscam uma vida melhor sofrem desumanamente.

Mais deprimente ainda é o fato de que mesmo que fossem realizadas audiências e se chegasse a um consenso sobre os erros, provavelmente nada mudaria. Depois de testemunhar em dezenas de audiências de supervisão governamental no Capitólio, parece-me que a maioria são meros exercícios destinados a gerar cobertura da mídia. Mesmo quando um determinado programa é unanimemente sinalizado como desperdício ou de baixo desempenho, ele quase certamente continuará a ser financiado.

O melhor exemplo disso vem do Government Accountability Office, que publica um relatório sobre pagamentos indevidos a cada poucos anos. O conjunto de programas governamentais que fazem esses pagamentos parece envolver sempre os mesmos infratores. Mas nada acontece, e o número de pagamentos impróprios cresce.

Mais recentemente, a diretora do CDC Rochelle Walensky foi questionada sobre a orientação da agência ao que diz respeito ao uso contínuo de máscara na escola. Os membros de ambos os lados do corredor pareciam desconfortáveis com os mandatos de máscaras escolares e alguns notaram que os estudos usados pela agência para justificar suas exigências contínuas haviam sido desmascarados. A orientação estava em desacordo com as evidências disponíveis e com o que a maioria dos outros países estavam fazendo, sem um aparente aumento dos riscos à saúde.

Esta linha de questionamento fez alguma diferença? Não. Walensky reconheceu as “limitações” dos estudos sobre máscaras, mas se recusou a mudar alguma coisa. E assim, muitas crianças continuarão a ser mascaradas na escola. É revoltante, especialmente porque a orientação provavelmente mudará quando um número suficiente de estados liderados pelos democratas tiver levantado seus próprios mandatos. Tanto por seguir a ciência.

Isso levanta a questão de por que as pessoas a toleram. Em parte, é porque a maioria das pessoas, compreensivelmente, tem muito pouca informação sobre qualquer questão política única e complexa. Além disso, o The New York Times informou recentemente que o CDC não está publicando grandes porções dos dados disponíveis sobre o covid por medo de que “leitores de pensamento livre tirem conclusões erradas”. Mas mesmo que as pessoas exijam mudanças, elas têm pouco ou nenhum poder sobre burocratas não eleitos.

Milhares desses funcionários não eleitos controlam nossas vidas sem serem responsabilizados. Isso, infelizmente, nunca mudará até que diminua o tamanho e o alcance do governo.

Artigo escrito por Veronique de Rugy, publicado no Reason . Taduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceReason

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA