sexta-feira, julho 1, 2022

A “solução” estatista é na verdade um non sequitur

Um non sequitur é uma falácia lógica rudimentar, porém comum, que ocorre quando uma suposta conclusão não decorre necessariamente da argumentação anterior. Em latim, a frase non sequitur significa literalmente “não se segue”. Simplesmente, um non sequitur é uma inferência injustificada. Supõe-se que haja algum ponto de conexão entre pontos de argumentação e conclusão quando, de fato, não há.

Este erro de raciocínio é comum e mais fácil de cometer do que podemos admitir. Algo que parece estar obviamente ligado a nós em nosso argumento pode não estar. O non sequitur é um subconjunto da falácia do raciocínio circular questionador ou elementar – quando um argumento ou declaração assume arbitrariamente o que procura provar. O erro lógico no questionamento – incluindo os não sequiturs – não é que algo seja inválido ou inconsistente, mas que é injustificado.

O que é o Non Sequitur estatista?

O non sequitur estatista envolve a existência de um problema seguido pela suposta solução do estatismo. Normalmente é colocado na forma de uma declaração ou uma pergunta carregada, pressupondo a necessidade de uma “solução” imposta pelo Estado como a conclusão óbvia e única.

O primeiro e principal exemplo disso é a justificação arbitrária do estado em geral. Dito melhor por James Madison: “Se os homens fossem anjos, nenhum governo seria necessário“. Esta afirmação frequentemente citada, por mais inteligente que possa parecer, não resolve o problema, mas apenas o realoca. Dada a capacidade humana de erro e corrupção, a responsabilidade externa é necessária, mas a conclusão injustificada é que esta responsabilidade externa deve vir do estado político – uma entidade também operada por seres humanos de natureza semelhante com poder. Por seu próprio padrão, se o que Madison diz sobre os humanos é verdade, sua conclusão é indiscutivelmente pior. Este é o ponto central do ponto de partida da não sequitur estatista que tem uma infinidade de expressões.

Madison não estava desprevenido. Ele reconheceu que havia um problema óbvio com um governo de “homens sobre homens”. O problema é que Madison acreditava que o governo podia controlar os governados e depois controlar a si mesmo. O dilema inescapável é que a falta de autocontenção dos humanos, que supostamente necessita do Estado em primeiro lugar, não desaparece quando o poder político é adicionado.

Governo e Monopólio

A expressão seguinte e intimamente relacionada desta falácia é a questão do monopólio. O problema apresentado é a existência de um monopólio, e a suposta “solução” é a aplicação do poder do estado. Mais uma vez, o problema não é resolvido, mas realocado. O governo é um monopólio, portanto, a suposta solução contém o cerne do problema. Isto demonstra a invalidade interna do argumento, mas o aspecto injustificado da questão é o passo ilógico do problema do monopólio para a solução do Estado. O papel do governo civil não se iguala a um estado político monopolista; portanto, não se segue necessariamente que um monopólio estatal seja uma solução para o monopólio.

O quão comum é o erro do raciocínio circular elementar, em geral, e o quão comum é o não sequitur estatista, em particular, pode ser visto em uma infinidade de exemplos. Eu defendo que o statist non sequitur, em todas as suas diversas formas, é o argumento falacioso mais comum com o qual os libertários lidam e, se pudermos reconhecê-lo, poderemos então identificá-lo mais prontamente para o nonargument que é. É tão normal porque o questionamento é comum e o modelo hobbesiano de estado-nação moderno tem sido o entendimento padrão do governo por séculos; portanto, o non sequitur estatista é bastante natural.

O non sequitur estatista reverso

O non sequitur estatista também pode funcionar no sentido inverso – a suposição de que, na ausência de estatismo, algum serviço importante não poderia ou não existiria ou seria “subproduzido”. Todo libertário já ouviu a versão negativa mais hackeada do non sequitur estatista, “Sem governo, quem construiria as estradas? É surpreendente que tenha sido mais fácil convencer as pessoas a enviar seus filhos para matar e morrer em guerras, pagar impostos exorbitantes, arcar com dívidas governamentais impagáveis e observar passivamente o comportamento criminoso geral das elites políticas do que convencer as pessoas de que as estradas poderiam ser construídas sem o Estado.

O non sequitur estatista é levado ainda mais longe porque quando alguém critica algum aspecto da ação estatal que nada tem a ver com estradas, muitas vezes usa isso como justificativa para o estado. O que as estradas têm a ver com a Guerra do Iraque? O que a Reserva Federal tem a ver com o Corpo de Bombeiros local? Só porque somos obrigados a pagar por tudo isso através de impostos – o que liga esses serviços e ações governamentais – e só porque usamos as estradas não significa que aceitamos implicitamente as ações criminosas do estado. Também não se segue que sem o governo não haveria ou poderia haver estradas.

Frédéric Bastiat reconheceu o non estatista nos socialistas franceses de seu tempo:

O socialismo, como a velha política da qual ele emana, confunde Governo e sociedade. E assim, toda vez que nos opomos a que algo seja feito pelo Governo, ele conclui que nos opomos a que isso seja feito. Desaprovamos a educação por parte do Estado – então, somos totalmente contra a educação. Opomo-nos a uma religião do Estado – então, não teríamos religião alguma. Opomo-nos a uma igualdade que é trazida pelo Estado – então somos contra a igualdade, etc., etc. Eles podem também nos acusar de desejar que os homens não comam, porque nos opomos ao cultivo de milho pelo Estado. (grifo nosso)

Bastiat identificou vários erros neste pensamento. Ele observou que “governo” e o estado não são iguais a “sociedade”. Supondo que assim seja, confundindo dois conceitos distintos como o mesmo, permite que as pessoas tomem emprestado capital do conceito de “sociedade” – interação e cooperação social humana livre e pacífica – a fim de justificar o estado. Murray N. Rothbard apontou o mesmo lapso de lógica: “O grande non sequitur comprometido pelos defensores do estado . . . é saltar da necessidade da sociedade para a necessidade do estado”. (Rothbard, Ética da Liberdade p. 75).

Quando se lida com o statist non sequitur, geralmente se tenta explicar um complexo de idéias teóricas e/ou práticas sobre como, na ausência do estado, algo poderia ser fornecido (por exemplo, estradas, serviços de segurança, polícia, tribunais, dinheiro, provisão para os pobres, cuidados com as crianças, etc.) em vez de apontar o statist non sequitur para o que ele realmente é – uma falácia. Embora haja respostas criativas para as questões de provisão destes bens e serviços sem o estado, os pressupostos injustificados não devem ser ignorados. Antes de dar um extenso pedido de desculpas sobre como algo ainda poderia funcionar na ausência do estado, o salto lógico deve ser apontado.

Esse não sequitur estatal também limita a possibilidade à imaginação(s) das pessoas envolvidas. Só porque alguém não poderia imaginar como algo poderia ou seria fornecido, não se segue necessariamente que isso não seja concebível. Por exemplo, alguém poderia ter dito há uma década: “Não consigo imaginar como poderia haver qualquer tipo de programa espacial sem a NASA”. Se alguém pode ou não imaginar que isso não tem conexão com o fato de ser ou não realmente possível. As pessoas geralmente aceitam isto, mas não o aplicam consistentemente ao Estado. “Não posso imaginar como . . .” não é logicamente seguido por “Portanto, o estado deve . . .”. O estado não sequitur vai além de simplesmente assumir que algo é impossível sem uma ação coerciva do estado. Muitas vezes quando alguém não consegue imaginar como uma coisa funcionaria sem o Estado, ele assume que ela deve necessariamente ser feita pelo estado.

Esta é uma suposição perigosa. Ignorância não é crime. É perfeitamente aceitável admitir que não sabemos como muitas coisas funcionam ou como algo ainda não criado ou implementado funcionaria. É até perdoável assumir erroneamente que algo ainda não feito pode ser impossível (por exemplo, o homem pousando na lua nos anos 1800). O perigo do statist non sequitur é que ele reconhece ignorância ou falta de imaginação sobre as possibilidades, mas então arbitrariamente assume que a aplicação de alguma forma de violência coerciva pelo estado é a única solução.

Exemplos – Encontre um non sequitur estatista

Quer a primeira afirmação ou premissa esteja correta ou não, a falácia não sequitur envolve uma inferência injustificada ou arbitrária da premissa. Em uma falácia não sequitur, a premissa, verdadeira ou não, não tem nenhuma conexão necessária com a conclusão. O problema está geralmente no “portanto”. Abaixo estão vários exemplos (muitos mais poderiam ser acrescentados) cuja premissa ou preocupação pode ser mais ou menos ilícita, mas que todos envolvem uma forma de “non sequitur statist non sequitur”. Veja se você pode detectar o erro de questionamento em cada exemplo que assume o estatismo como a solução.

“Eu me preocupo com crianças e pessoas pobres. [Portanto, o estado social]”.

“Mas não temos a obrigação de ajudar os pobres?”

“A saúde é um direito. [Portanto, deve ser administrado pelo estado]”.

“A liberdade de expressão tem limites; por exemplo, não se pode gritar ‘Fogo!’ em um teatro lotado”.

“Não quer pagar impostos? Mudar-se para a Somália”.

“Tem que haver alguém para regular os padrões de segurança e qualidade”.

“O capitalismo é inerentemente instável. [Portanto, um monopólio bancário central]”.

“[Assad, Saddam Hussein, Dictator X] gaseou seu próprio povo. [Portanto, a guerra e o estado da guerra]”.

“Então, não devemos fazer nada?”

“E os aliados da América?”

“De que outra forma Hitler teria sido detido se não fosse pela guerra? [Portanto, como a situação atual corresponde ao aventureirismo militar de Hitler, os Estados Unidos devem intervir militarmente]”.

“Eu quero viver em uma sociedade onde as pessoas são educadas e muitos pais não têm acesso a alternativas”. [Portanto, o estado deve tributar para fornecer sistemas escolares públicos obrigatórios]”.

“[Pergunta carregada:] Então você não quer que as pessoas sejam instruídas?”

“Vivemos em uma sociedade”!

“A América é sistemicamente racista. [Portanto, as elites políticas devem receber maior poder para resolver este problema]”.

“De que outra forma teríamos parques?”

“A existência de bilionários é um erro político”.

“Precisamos que o governo regule o capitalismo, mantenha os padrões de segurança e qualidade, evite monopólios”.

“Siga a ciência”.

“Se você não gosta, vá embora!”

“Você paga impostos”!

“Você usa os serviços do governo”!

“Você segue as leis!”

“Eu não aprovo pessoas fazendo X”.

“Deve haver uma lei contra X!”

Conclusão

Espera-se que seja óbvio quão prevalecente é para as pessoas assumir a falta de estatismo ou a necessidade dele como um pressuposto não declarado. É discutível que a questão – de que o non sequitur é uma subcategoria – é o erro lógico mais comum, e como o modelo hobbesiano de estado-nação moderno tem sido o padrão por cerca de quatro séculos, é de se esperar que este erro lógico se combine com o estatismo para criar non sequitur estatista. Dito isto, deveria ser refutado pelo erro falacioso e até mesmo perigoso que é.

Artigo escrito por Joshua Mawhorter, publicado no Mises.org e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA