Ação Humana em seu 75º aniversário nos ajuda a entender como o estatismo dizimou a Argentina

Argentina

O septuagésimo quinto aniversário do livro Ação Humana de Ludwig von Mises nos convida a refletir sobre as conquistas acadêmicas de Mises e como a corrente econômica dominante ainda não alcançou seus avanços na economia. Como Jesus Huerta de Soto aponta em seu estudo preliminar para a versão em espanhol da décima terceira edição de Ação Humana: poucos são os tratados do lado da corrente dominante que tentam sequer igualar o que Mises faz em Ação Human.

O trabalho de Mises não é apenas monumental, mas fundamental; os economistas austríacos pós-Ação Humana se definiriam em termos de como eles interpretam a magnum opus de Mises. Com relação à corrente dominante e ao Ação Humana, muito já foi e pode ser dito, mas o ponto principal é que a grande tragédia da corrente dominante é que o que há de valioso nela foi emprestado de Mises e da Escola Austríaca de Economia, e o que há de infeliz vem de sua própria abordagem empirista hipotética.

O trabalho de Mises não é apenas monumental, mas fundamental; os economistas austríacos pós-Ação Humana se definiriam em termos de como eles interpretam a magnum opus de Mises. Com relação à corrente dominante e ao Human Action, muito já foi e pode ser dito, mas o ponto principal é que a grande tragédia da corrente dominante é que o que há de valioso nela foi emprestado de Mises e da Escola Austríaca de Economia, e o que há de infeliz vem de sua própria abordagem empirista hipotética.

O Estado tende a incentivar o coletivismo porque divide a sociedade e cria uma distinção amigo-inimigo entre partes da sociedade. Ele divide e conquista por meio da criação de mitos. Ludwig von Mises lutou durante toda a sua vida contra os mitos estatistas. Ele não se rendeu ao mal – como dizia sua citação favorita -, mas prosseguiu corajosamente contra ele. Mises e a Escola Austríaca são desmascaradores do sistema de mitos que o Estado fabrica.

Interessante é a situação de um país em particular: A Argentina – um país que costumava ser o mais rico em termos de produto interno bruto per capita no final do século XIX, mas que agora ocupa o sexagésimo terceiro lugar. O que eu costumava pensar ser o “mistério da Argentina” não é mais um mistério; não há nada de surpreendente na espiral descendente em termos de prosperidade que esse país sofreu. Foi o ataque maciço do Estado por meio de seus programas públicos coletivos que expulsou esse país das primeiras posições do ranking de bem-estar econômico.

Em comparação com outros países da região, as administrações progressistas da Argentina não optaram pelo militarismo para controlar o povo, mas pelo controle burocrático. Em vez de um exército militar, os argentinos se deparam com um exército de burocratas que só vivem às custas do setor produtivo da sociedade.

Em nome do “interesse nacional”, o que deveria ser gerenciado pela iniciativa privada é, em vez disso, controlado pelos burocratas do Estado. Esses setores incluem, entre muitos, a mídia pública, o sistema de trens, uma companhia aérea e uma empresa de petróleo. Todos eles são ineficientes, mas ainda assim a história progressista os retrata como heróicos e salvadores da nação das garras das corporações multinacionais. É o mercantilismo em nossa era.

Pode-se argumentar que é muito pior do que isso, pois tanto as exportações quanto as importações são desprezadas no discurso progressista. O argumento protecionista usual é contra as importações, mas as exportações raramente são desencorajadas. No entanto, os progressistas argentinos também conseguiram demonizar as exportações como “tirando produtos da população local”, de modo que não apenas comprar internacionalmente é errado, mas também vender.

Essa abordagem ideológica pode ser facilmente identificada como socialista e protecionista, mas também como nacionalista, uma vez que a “indústria nacional” é o que é defendido e o que deve ser protegido de produtos mais baratos e melhores. O amor pela própria nação é o que está em jogo quando se discute sobre isso, de acordo com os progressistas nacionais. Entretanto, um rápido contra-argumento é que nada é mais patriótico do que o bem-estar geral do povo de uma nação e não o interesse especial de um determinado setor da população.

Os acontecimentos recentes podem estar estimulando a opinião pública em relação ao mercado livre, mas esse assunto ainda tem um longo caminho a percorrer. O libertário e famoso presidente da Argentina, Javier Milei, está tentando reduzir o aparato estatal e suas regulamentações, bem como resolver seus problemas monetários. Em relação à última questão mencionada, muito está sendo feito; o Banco Central está conduzindo a política monetária no sentido de eliminar o controle sobre as taxas de câmbio e as transações, uma característica encontrada apenas nos países mais estatistas do mundo. Milei, por meio do banco central e do Ministério da Economia, está visando a essa regulamentação estatal como a principal meta de seu programa no curto prazo. Quando isso for feito, ele poderá avançar em outras desregulamentações estatais e reduções de impostos.

No entanto, desmantelar o exército burocrático de funcionários públicos é uma tarefa difícil. Não são apenas os interesses dos burocratas que estão em jogo, mas muitas pessoas que não fazem parte desse sistema de pilhagem, mas que são vítimas dele, defendem os burocratas. Isso remete ao mito que envolve o Estado e a intervenção.

Os funcionários do governo de Milei não são seguidores da Escola Austríaca de Economia, mas da Escola de Chicago. Eles trabalham com base em seus modelos. Isso pode ser interpretado positiva e negativamente, pois a Escola de Chicago é considerada a abordagem mais orientada para o livre mercado dentro da corrente principal, mas isso é quando se trata de microeconomia; em macroeconomia, como os economistas austríacos bem sabem, eles são estatistas. O próprio Milei não é um praxeologista, pois usa métodos neoclássicos em suas análises econômicas. Ele segue o que a Escola Austríaca ensina, mas não seu método.

O Ação Humana é claro sobre esse assunto, já que Mises dedica grande parte dele à metodologia. É o método apriorístico-dedutivo que chega às conclusões do mercado livre se alguém fizer recomendações de políticas com base na Escola Austríaca de Economia. A praxeologia é a diferença crucial que separa a corrente dominante e a Escola Austríaca; seu método e sua teoria devem ser adotados para criar um programa abrangente de minimização do Estado.

Mises triunfa sobre seus oponentes dessa forma, oferecendo um sistema de interação social e construindo-o a partir de axiomas e de uma metodologia sólida. Ação Humana é uma das mais poderosas e complexas defesas do capitalismo na literatura econômica. O 75º aniversário de sua publicação nos convida a refletir sobre as conquistas de uma obra tão grandiosa e a ver o mundo através das lentes que ela nos fornece.

Artigo escrito por Otávio Bermúdez, publicado em Mises.org e traduzido por Rodrigo


2 thoughts on “Ação Humana em seu 75º aniversário nos ajuda a entender como o estatismo dizimou a Argentina

  1. O que dizimou a Argentina foi o empréstimo impagável do ex-presidente Macri junto ao FMI, que levou o país a falência e hoje os resultados estão aí.

    1. Você está ignorando propositalmente tudo o que aconteceu antes disso, não é? Verdade que o empréstimo que o Macri fez contribuiu para isso, mas a Argentina já vinha passando por uma estagnação econômica desde o advento do peronismo e piorou com a Kishner e depois com o Fernandez. A esquerda adora negar esse fato pq não quer que ninguém saiba que suas políticas econômicas são destrutivas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Praça de Maio
Economia

Mises na Argentina: lições do passado para hoje

Ludwig von Mises visitou a Argentina em junho de 1959 a convite do Dr. Alberto Benegas Lynch. As palestras que Mises proferiu na Universidade de Buenos Aires foram reproduzidas no livro ‘Economic Policy: Thoughts for Today and Tomorrow‘ (Política Econômica: Pensamentos para Hoje e Amanhã, lançado no Brasil como ‘As Seis Lições‘). Como o título […]

Leia Mais
Caridade
Economia

Entendendo o Verdadeiro Significado da Caridade

Na edição de janeiro-fevereiro da revista The Misesian, o economista Jörg Guido Hülsmann fala sobre os insights que o levaram a escrever seu livro ‘Understanding the True Meaning of Charity’ (‘Entendendo O Verdadeiro Significado da Caridade’, ainda sem tradução no Brasil). Confira abaixo a entrevista. The Misesian (TM): A economia das doações e da caridade […]

Leia Mais
Economia

A conta chegou: alta de inflação e dos juros e queda do PIB

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central (BC) mostraram um maior pessimismo em relação a economia do país, voltando a revisar para cima as projeções de juros e inflação para este ano. As informações foram divulgadas no Boletim Focus desta segunda-feira, 20. As previsões pessimistas são reflexo das políticas keynesianas nas quais o governo […]

Leia Mais