Avaliando a expansão dos BRICS: Desmistificando as expectativas

Expansão do BRICS

No encerramento da cúpula do BRICS em Joanesburgo, em 24 de agosto de 2023, foi anunciado que o grupo de cinco países, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, havia convidado mais seis países para participar: Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Irã, Egito, Etiópia e Argentina. As novas adesões, que entrarão em vigor em janeiro de 2024, foram consideradas “históricas” pelo líder chinês Xi Jinping, enquanto Vladimir Putin, impossibilitado de viajar devido a um mandado do Tribunal Penal Internacional, parabenizou remotamente os novos membros do BRICS e prometeu expandir a influência global do grupo.

No entanto, dadas as condições econômicas e políticas da maioria dos países membros, bem como os conflitos entre eles e os interesses divergentes, os objetivos do grupo BRICS expandido são, em grande parte, inatingíveis. No final, se for bem-sucedido, o BRICS substituirá a hegemonia dos EUA pela hegemonia chinesa.

O economista Jim O’Neill, do Goldman Sachs, criou o acrônimo BRIC em 2001 para designar as quatro economias em rápido crescimento (a África do Sul ainda não estava incluída), que ele previu que poderiam estar entre as maiores do mundo em 2039. Nos últimos anos, Xi Jinping promoveu o BRICS como um rival do Grupo dos Sete (G7), mas ele continua organizado de forma vaga e não tem instituições ou moeda própria. A China, a Rússia e, até certo ponto, a Índia detêm a maior parte da influência política e econômica do BRICS.

Aqueles que acreditam que o BRICS perturbará a ordem internacional podem citar várias estatísticas impressionantes. Com a adesão dos novos membros, os países do BRICS contribuirão com mais 400 milhões de pessoas, totalizando 46% da população mundial. Eles também responderão por 37% do produto interno bruto (PIB) global (mais do que o G7), 42% da produção mundial de petróleo e porcentagens significativas de vários minerais essenciais. Além disso, espera-se que o grupo cresça: quarenta países manifestaram interesse em participar.

Os membros acreditam que o BRICS obterá empréstimos de desenvolvimento flexíveis apoiados pela China, defenderá seus próprios interesses, desdolarizará suas economias, combaterá a hegemonia dos EUA e aumentará as receitas de minerais e petróleo. Cada um desses pontos é discutido a seguir.

Falta de interesses compartilhados

Xi Jinping disse que a expansão do BRICS “injetará nova vitalidade no mecanismo de cooperação do BRICS e fortalecerá ainda mais as forças para a paz e o desenvolvimento mundiais”. No entanto, a Rússia, o segundo membro mais poderoso e desenvolvido do grupo, está ativamente envolvida em uma guerra e é amplamente sancionada pela ordem internacional; a Etiópia, membro proposto, está no meio de uma guerra civil; o Irã é fortemente sancionado por seu apoio à guerra na Ucrânia, bem como por suas ambições de armas nucleares; e, até recentemente, o Irã e a Arábia Saudita estavam envolvidos em guerras por procuração na Síria e no Iêmen.

A Índia, o país mais populoso do mundo em julho de 2023, está em uma disputa de fronteira com a China, que resultou em pequenos confrontos militares em 2020 e 2022. As atividades navais da China no Oceano Índico levaram a Índia a fortalecer os laços de defesa com os Estados Unidos, a Austrália e o Japão por meio do Diálogo de Segurança Quadrilateral (QSD). Poucos dias após a cúpula do BRICS, em uma ação que põe em risco uma cooperação significativa para a paz global e o desenvolvimento econômico, o Ministério de Recursos Naturais da China divulgou uma nova versão de seu mapa nacional que reivindica o território indiano e russo. A Índia prontamente apresentou uma reclamação diplomática.

Desdolarização

Tem havido discussões sobre a criação de uma moeda do BRICS, que os proponentes acreditam que poderia desbancar o dólar americano. Substituir o dólar no comércio, entretanto, seria problemático: por ser líquido e livremente conversível, o dólar é amplamente utilizado no comércio, muitas nações produtoras de petróleo atrelam suas moedas a ele e é a moeda preferida para reservas estrangeiras. Em geral, nem mesmo as nações do BRICS querem manter as moedas do BRICS como reservas. A única moeda do BRICS usada em reservas globais é o yuan chinês, que representa uma baixa recorde de cerca de 2,5%. A substituição do dólar por uma moeda do BRICS nem sequer estava na pauta da mais recente cúpula do BRICS.

Falta de instituições

A única instituição do BRICS existente é o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), que até recentemente era um banco exclusivamente em dólares americanos. Apoiado e financiado em grande parte pela China, ele fornece empréstimos semelhantes aos fornecidos pela China por meio do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura e da Iniciativa Cinturão e Rota. Em 2016, o NDB começou a estruturar alguns empréstimos nas moedas de outros países do BRICS; mas, dada a baixa conversibilidade e a alta instabilidade das moedas dos membros, sua moeda de trabalho continua sendo o dólar americano. Na mais recente cúpula do BRICS, a estabilização das moedas dos membros foi uma prioridade maior na agenda do que a desdolarização.

Evitando a economia global liderada pelos EUA

O tamanho e a saúde das economias do BRICS variam drasticamente. A perspectiva da Índia é brilhante, com um PIB e um IED crescentes. A Arábia Saudita é uma rica nação produtora de petróleo com uma das maiores taxas de crescimento do Grupo dos 20 (G20). O Brasil está enfrentando crescimento lento e alto índice de desemprego, mas está se saindo melhor do que nos anos anteriores. A África do Sul acaba de retornar aos níveis pré-pandêmicos de atividade econômica, mas o desemprego continua alto. A inflação na Argentina, por sua vez, subiu acima de 100%. A Etiópia, apesar do rápido crescimento do PIB, continua sendo um dos países mais pobres da África, com um PIB per capita de pouco mais de US$ 1.000 por ano. Por fim, o Egito tem um PIB crescente e uma pobreza crescente.

As maiores economias do BRICS são a China, a Índia e a Rússia. Essas três nações também são as maiores potências militares do mundo, depois dos Estados Unidos. Indiscutivelmente, as nações do BRICS com maior poder e influência global na política e na diplomacia são a China e a Rússia. Porém, desde o início da guerra na Ucrânia, a economia da Rússia vem se deteriorando e agora enfrenta a diminuição das reservas de moeda estrangeira e sanções econômicas. Como resultado, a Rússia está se tornando cada vez mais dependente financeiramente da China. Ao mesmo tempo, como a China está lutando contra o declínio do comércio e dos investimentos, a redução das exportações e o desemprego recorde entre os jovens, Pequim pode achar difícil ou até mesmo impossível financiar as outras nações do BRICS. Se encontrar uma maneira, o BRICS poderá substituir a ordem internacional liderada pelos EUA por uma ordem liderada pela China.

Um grupo de reflexão indiano, o United Services Institute (USI), acusou Pequim de querer encher o BRICS de aliados chineses para promover sua própria agenda. O USI afirmou que a China estava tentando construir sua própria influência por meio do BRICS, assim como fez com outros grupos, como a Organização de Cooperação de Xangai e a Iniciativa Cinturão e Rota.

Controle de minerais e petróleo

Com sua inclusão, a Arábia Saudita, o maior exportador de petróleo bruto, se juntará à China, o maior importador de petróleo, em uma coalizão econômica que será responsável por 42% da produção global de petróleo. A expansão do número de membros também inclui vários membros da OPEP+ no grupo. Há sugestões de que o BRICS se beneficiará de alguma forma com a venda de petróleo, mas os membros da OPEP+ do BRICS não anunciaram que deixarão a OPEP, que ainda controla a quantidade e o preço do petróleo.

Com a expansão, o BRICS terá três dos cinco maiores produtores de lítio do mundo, 75% do suprimento mundial de manganês, 50% do grafite, 28% do níquel e 10% do cobre. Entretanto, assim como acontece com os membros produtores de petróleo do BRICS, não há coordenação entre seus produtores de minerais para controlar a quantidade ou o preço dos minerais.

Além disso, a oposição oficial do grupo a restrições comerciais artificiais tornaria impossível o controle dos preços das commodities. A Declaração de Joanesburgo II, emitida pelo BRICS, afirma claramente que eles “se opõem às barreiras comerciais” e atribui o declínio econômico global à “fragmentação do comércio”.

A Grande Contradição

No final, muitos dos objetivos do grupo, como a desdolarização ou a regulamentação do preço e da quantidade de petróleo e minerais, parecem improváveis ou impossíveis. Enquanto isso, a meta de escapar da hegemonia dos EUA, se alcançada, poderia apenas levar à hegemonia chinesa. No entanto, a maior contradição da agenda do BRICS é revelada no discurso de encerramento de Xi Jinping, quando ele aconselha as nações do BRICS a evitarem a hegemonia, a formação de blocos e a entrada sonâmbula em uma “nova Guerra Fria”, uma vez que sua visão para o BRICS é construir e dominar um grande bloco para se opor aos EUA e ao G7.

Artigo escrito por Antonio Graceffo, publicado em Mises.org e traduzido por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tomate
Economia

Saboreie o gosto da Independência, cultive-a você mesmo!

Cultivar os seus próprios tomates pode ser muito mais gratificante do que o doce sabor da sua colheita. Os benefícios adicionais tradicionais fazem com que muitos de nós regressem estação após estação. Se é um jardineiro, conhece a grande sensação de agir diretamente sobre a natureza para produzir os alimentos que come. Cultivar tomates leva-o […]

Leia Mais
MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais