sexta-feira, dezembro 3, 2021
InícioEconomiaBanco Central prevê inflação de 10% para o final do ano

Banco Central prevê inflação de 10% para o final do ano

De acordo com o relatórioFocus“, divulgado nesta segunda-feira (22) pelo Banco Central (BC), analistas de mais de 100 instituições financeiras projetaram a estimativa sobre o aumento da inflação de 9,77% para 10,12%. A estimativa é baseada no Índice Nacional e Preços do Consumidor Amplo (IPCA).

A meta da inflação estabelecida foi baseada no Conselho Monetário Nacional. Para 2021 é esperado 3,75%, e será considerada cumprida caso fique entre 2,25% e 5,25%, o que já coloca a projeção como o dobro da meta central, que é de 7,5%.

Já para 2022, a meta será de 4,96%, devido a estimativa da inflação, sendo a 18° seguida. Para o ano que vem, a meta central de inflação é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2% a 5%. Com isso, a estimativa se aproxima mais do teto do sistema de metas.

Impacto da inflação no PIB

Analistas de mercado prevêem uma queda no PIB de 4,88% para 4,80% devido ao aumento da inflação prevista para o final deste ano. O PIB (Produto Interno Bruto) é uma medida usada por analistas do governo para medir a produção de bens de um país.

Os analistas também previram para 2022 um crescimento do PIB abaixo do previsto anteriormente, que era de uma alta de 2,5% em relação a esse ano, agora caindo de 0,93% para 0,70%. A previsão começou a ser revisada em setembro deste ano.

Já o Ministério da Economia insistiu, na semana passada, em manter a previsão de crescimento do PIB de 2022 acima de 2% afirmando que isso se deve “à melhora no mercado de trabalho e no investimento privado, principalmente em infraestrutura”.

Taxa de juros

Para esse ano, os analistas do mercado mantiveram em 9,25% a taxa Selic, enquanto para o fim de 2022, a previsão foi de 11% para 11,25% ao ano, o que supõe alta do juro básico para o próximo ano.

Os analistas baseiam sua suposição numa alta do juros após o Ministro da Economia, Paulo Guedes, ter proposto em outubro a flexibilização do teto de gastos (mecanismo que limita o aumento da maior parte das despesas à inflação do ano anterior).

Segundo Guedes, as mudanças no teto de gastos têm por objetivo ampliar a “proteção social” (assistencialismo), por meio do Auxílio Brasil, mas analistas têm apontado que seria possível incrementar o programa sem estourar o limite para despesas. Também pontuam que as emendas parlamentares seriam um dos destinos desses recursos extras.

Em outubro deste ano, o BC havia elevado a taxa Selic para 7,75% ao ano, sendo a sexta elevação seguida. Já em março, na primeira elevação em quase seis anos, a taxa subiu para 2,75% ao ano. Em maio, o Copom elevou o juro para 3,5% ao ano e, em junho, a taxa avançou ara 4,25% ao ano. Em agosto, a taxa subiu para 5,25% ao ano e, em setembro, foi elevada para 6,25% ao ano.

Outras previsões

  • Dólar: A projeção para a taxa de câmbio no fim de 2021 permaneceu em R$5,50. Para o fim de 2022, ficou estável também em R$5,50 por dólar.
  • Balança comercial: Para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2021 caiu de US$ 70,30 bilhões para US$ 70 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado permaneceu em US$ 63 bilhões de superávit.
  • Investimento estrangeiro: A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil neste ano permaneceu em US$50 bilhões. Para 2022, a estimativa recuou de US$60 bilhões para US$59 bilhões.

NOTÍCIAS SIMILARES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

CONFIRA