terça-feira, julho 5, 2022

Bancos Centrais: Quem precisa deles? Ninguém

Como o Fed aumenta sua taxa de empréstimo para uma faixa de 0,25-0,50%, ouvem-se murmúrios em todo o mundo, com os especialistas financeiros prevendo a perdição devido ao aumento das pressões impostas às estruturas de custo das empresas que estão se recuperando dos bloqueios pandêmicos. O Federal Reserve é líder do grupo de bancos centrais em todo o mundo que são ostensivamente dirigidos por seus respectivos países para buscar a estabilidade e o bom funcionamento de suas economias.

A suposta legitimidade dos bancos centrais repousa em três objetivos fundamentais que os bancos centrais de todo o mundo compartilham. O primeiro objetivo é a estabilidade de preços, que é a crença de que os bancos centrais devem expandir e contrair a oferta de dinheiro em relação à demanda real e às pressões de oferta da economia. O segundo objetivo é alimentar as perspectivas de crescimento macroeconômico, o que é feito através da redução do custo dos empréstimos, o que supostamente leva as empresas a aumentar seus investimentos, levando a aumentos na produção e no crescimento geral.

Finalmente, o último objetivo é realizar medidas contracíclicas, que são ações que o banco central realiza para compensar as altas taxas de desemprego que podem resultar da queda da produção durante os ciclos econômicos.

Estabilidade de preços

O papel do banco central na manutenção da estabilidade de preços em vigor consiste em controlar o valor do dinheiro, ou seja, não permitir que ocorra uma inflação geral ou uma deflação geral. Um índice é criado compreendendo uma cesta de bens que são ponderados em termos de gastos com eles, e então seus movimentos de preços são rastreados como um proxy para mudanças no nível geral de preços na economia.

O aumento ou diminuição do valor do índice são julgados juntamente com uma regra de crescimento percentual constante. Quando o valor do índice aumenta ou diminui mais que a taxa designada de crescimento constante, geralmente 2%, o banco central intervém com seus instrumentos de política monetária para influenciar o valor do dinheiro nos mercados.

Embora a idéia de preservar o valor do dinheiro possa ser bem intencionada, ela sofre de um mal-entendido sobre o papel que o aumento e a queda dos preços desempenham na economia de mercado. Os preços atuam como sinais coordenadores que transmitem informações sobre dados econômicos importantes espalhados de forma descentralizada. O aumento de preços em um mercado que funciona bem tem um papel específico: quando um objeto se torna escasso no mercado, o aumento de preços é um sinal para os consumidores para economizar nele, ao mesmo tempo em que aponta um emprego de recursos mais rentável para os fornecedores, que aumentam a oferta do objeto até que os lucros supernormais sejam todos explorados, diminuindo seu preço no processo.

Portanto, quando os preços das mercadorias na cesta de mercadorias aumentam, o valor do índice aumenta, fornecendo ao banco central motivos para interferir no mercado a fim de compensar os aumentos de preço, mas ao fazer isso, os bancos centrais interferem no processo de mercado. Isto impede que os empresários capitalizem as oportunidades de lucro elevado; se o aumento dos preços for causado pela inflação da demanda, a intervenção também impede que os consumidores obtenham mercadorias que os tornariam melhores.

Crescimento macroeconômico e objetivos contracíclicos

Os bancos centrais modernos traçam altos e baixos através dos desvios da taxa de crescimento real da economia em relação à sua tendência de crescimento de longo prazo. Em outras palavras, um ciclo de crescimento ascendente (downturn) é marcado por um crescimento maior (menor) do que a taxa de tendência de longo prazo. A saúde de uma economia é entendida em termos da proximidade entre sua taxa de crescimento atual e sua taxa de crescimento projetada com base nas tendências de longo prazo. Os bancos centrais também utilizam outros indicadores de atraso e liderança, tais como pesquisas de confiança dos consumidores, pesquisas semanais de tempo de trabalho e índices de produção industrial para avaliar a saúde atual da economia.

Quando o nível atual de crescimento ou o valor dos indicadores sugere que a economia precisa ser estimulada, vários instrumentos de política monetária são usados para influenciar a demanda e a oferta de dinheiro na economia para atingir o objetivo de trazer a economia de volta ao caminho certo. Ao tentar baixar o custo de empréstimos para as empresas, os bancos centrais também reduzem o custo de empréstimos para os bancos comerciais, o que então reduziria as próprias taxas de juros dos bancos comerciais. A diminuição das taxas de juros deveria diminuir o custo do empréstimo para as empresas de tal forma que o retorno de um investimento se tornasse marginalmente maior do que seu custo e assim aumentasse o investimento e a produção através do processo multiplicador.

Mas embora à primeira vista tais medidas contra a queda da produção e dos gastos possam parecer sólidas, elas justificam um olhar mais profundo, pois as ações dos banqueiros centrais impactam a economia de forma desproporcional. O gasto total na economia consiste em duas partes, sendo uma para apoiar a estrutura da produção e a outra para os produtos finais. Os gastos com a estrutura de produção consistem em gastos com investimentos de capital para aumentar a produtividade, bem como a escala das empresas, e em capital circulante, que é usado como insumo para produzir produtos, enquanto que os gastos com produtos finais implicam em gastos dos consumidores com bens e serviços acabados.

As empresas freqüentemente economizam uma parte de seus lucros e utilizam este pool para financiar seus investimentos de capital no futuro. Quando as empresas recorrem à economia em vez de gastar, pode haver queda na produção, mas tal queda na produção e nos gastos não é um sinal de má saúde da economia, mas meramente um processo que a economia precisa passar e que resulta em aumento de produtividade, inovação e eficiência na produção devido à redução dos custos.

Esta eficiência resulta de mudanças nas estruturas de capital das empresas à medida que elas mudam suas máquinas ou aumentam sua escala. O processo também resulta em um aumento do valor do dinheiro, à medida que as mercadorias por unidade de dinheiro gasto aumentam.

Uma queda na produção desaceleraria rapidamente para um nível mais alto de produtividade e riqueza para a economia, mas se o banco central intervém com uma política de dinheiro fácil para reduzir os custos de empréstimo, isso leva a efeitos de Cantillon. Os poupadores perdem devido à produção adicional de dinheiro artificial, que diminui o valor de seu dinheiro, levando à inflação.

Conclusão

As políticas de dinheiro fácil alimentam barreiras insustentáveis que eventualmente resultam em má alocação de capital, uma vez que o investimento de capital é redirecionado em uma direção insustentável. Cada empresa faz seus investimentos com base na comparação de custos e benefícios. Quando os custos são artificialmente reduzidos através da diminuição das taxas de juros, investimentos que antes não eram lucrativos agora parecem lucrativos, mas como tal rentabilidade não se baseia na verdadeira demanda de consumo subjacente, a inflação logo aumenta à medida que os produtores competem por recursos escassos.

O aumento da inflação reduz as margens de lucro originalmente alimentadas por taxas de juros artificialmente baixas, onde um impulso monetário adicional seria novamente necessário para evitar que os investimentos atuais se tornassem insustentáveis. Assim, concluímos que os bancos centrais criam ciclos comerciais e distorcem os processos de mercado. Portanto, devemos reexaminar a necessidade de bancos centrais, uma vez que eles são a fonte de muitos males econômicos.

Artigo escrito por Vibhu Vikramaditya, publicado no Mises.org e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária

Quer entender melhor porque o Banco Central precisa ser abolido e o quão destrutivo ele é para a economia? Baixe o livro ‘Pelo Fim do Banco Central’, do grande economista austríaco, Murray Rothbard, traduzido e disponibilizado gratuitamente pela Editora Konkin. Para fazer o download do livro, clique aqui.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceMises.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA