Biden sugere liberdade para Julian Assange

Julian Assange

Isso não lhe devolverá os anos que passou em confinamento, mas o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pode finalmente obter um pouco de justiça após anos de perseguição por constranger autoridades dos EUA. Sob pressão do governo da Austrália, país de origem do jornalista, o presidente Joe Biden disse que está “considerando” desistir do caso contra Assange. Já faz muito tempo, mas tal movimento seria bem-vindo não apenas pelo prisioneiro, mas por pessoas em todos os lugares que examinam a conduta do governo.

Uma mudança tardia de política?

“Estamos considerando isso”, disse o presidente Biden na Casa Branca na semana passada, em resposta a uma pergunta sobre honrar o pedido da Austrália de que Assange seja libertado.

“Esta é uma declaração encorajadora do presidente Biden”, respondeu o primeiro-ministro australiano Anthony Albanese. “Eu disse que levantamos, em nome do Sr. Assange, os interesses nacionais da Austrália, que já é suficiente, isso precisa terminar”.

Albanese há muito tem destacado a questão do encarceramento de Assange, comentando em fevereiro: “Nossa visão é muito clara. É a mesma visão que eu tinha na Oposição, é a mesma visão que eu tenho como Primeiro-Ministro, é hora de encerrar. Não há nada a ser ganho com o encarceramento em curso do Sr. Assange e ele deveria permitir sua volta para casa.”

O primeiro-ministro falou dias depois que o parlamento de seu país votou 86-42 a favor de pedir aos EUA e ao Reino Unido que encerrassem “o assunto para que Assange pudesse voltar para casa para sua família na Austrália”.

Claro, “estamos considerando” não é exatamente uma admissão de erro nos procedimentos legais contra o fundador do WikiLeaks, muito menos uma concessão da liberdade do homem. Mas é uma mudança significativa para um governo que perseguiu Assange em três administrações e que há apenas alguns meses, na pessoa do porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, insistiu que a aquisição e publicação pelo WikiLeaks de informações embaraçosas para as autoridades dos EUA “não era uma atividade jornalística legítima”.

Espionagem ou Jornalismo?

Assange enfrenta acusações sob a Lei de Espionagem, que data de 1917. Seu suposto “crime” é publicar documentos confidenciais do governo dos EUA no WikiLeaks, incluindo o vídeo “Collateral Murder” de um ataque aéreo dos EUA matando civis em Bagdá. As publicações foram baseadas em vazamentos da analista de inteligência do Exército dos EUA Chelsea Manning. O governo dos EUA, que considerou as revelações extremamente inconvenientes, chamou os vazamentos de “um dos maiores comprometimentos de informações classificadas na história dos Estados Unidos” em uma acusação de substituição de Assange em 2020 .

Manning cumpriu sete anos de prisão, depois foi brevemente preso novamente em 2020 por se recusar a testemunhar contra Assange. O fundador do WikiLeaks estava então, como agora, sob custódia britânica aguardando extradição para os EUA após sete anos de refúgio/exílio na embaixada do Equador em Londres. Após uma mudança de governo, o Equador o entregou ao Reino Unido, que o mantém preso desde 2019.

Esse é um preço alto a pagar por deixar as autoridades desconfortáveis por meio do jornalismo – que é o que Assange fez, mesmo que os lacaios do governo insistam que divulgações não autorizadas de segredos devem necessariamente ser espionagem.

“O Departamento de Justiça dos EUA afirma que Assange infringiu a lei ao receber documentos confidenciais de uma fonte, falar com essa fonte, possuir os documentos e publicar alguns deles. Ou seja, coisas que jornalistas de veículos de notícias de todo o país fazem todos os dias ”, pontua a Fundação Liberdade de Imprensa.

“Os jornalistas e seus sindicatos reconheceram desde o início que Julian Assange está sendo alvo por realizar tarefas que são o trabalho diário de muitos jornalistas – procurar um denunciante e expor a criminalidade”, segundo Maja Sever, presidente da Federação Europeia de Jornalistas.

Tipos de mídia de elite contra o jornalismo

O governo dos EUA pode dizer que as ações de Assange não constituem jornalismo, mas jornalistas reais discordam. Bem, a maioria faz. De fato, a perseguição a Assange recebeu cobertura de alguns tipos de mídia e instituições reconhecidas. Eles ressentiram que ele conseguiu uma grande matéria que escapou deles, seu status fora dos círculos de imprensa de elite e sua personalidade francamente difícil e, às vezes, conduta duvidosa — como se pessoas difíceis fossem desconhecidas em uma indústria conduzida pelo ego.

“O Sr. Assange não é um herói da imprensa livre”, zombou o conselho editorial do Washington Post em 2019. “Sim, o WikiLeaks adquiriu e publicou documentos secretos do governo, muitos deles dignos de notícia”, permitiu o conselho, mas ele o fez “contrariamente às normas do jornalismo”.

“A administração começou bem acusando o Sr. Assange de um crime indiscutível”, concordou o conselho editorial do New York Times. No entanto, protegeu suas apostas e permitiu que “a acusação do Sr. Assange pudesse se tornar um ataque à Primeira Emenda e aos denunciantes”.

Isso foi absolutamente bizarro vindo de dois jornais importantes na publicação, em 1971, dos documentos governamentais vazados conhecidos como Documentos do Pentágono, que revelaram análises secretas do envolvimento dos Estados Unidos na Indochina. Mas isso faz sentido dado o crescente afastamento da mídia de elite do público dos EUA, e o status de muitos grandes veículos de mídia como locais temporários de descanso para oficiais de inteligência e aplicação da lei que fazem breves pausas em suas carreiras no governo. Entrelaçados com o estado, muitos nomes de destaque da mídia se tornaram defensores do autoritarismo.

Mas as pessoas comuns que fazem jornalismo reconhecem Assange como um deles. Os defensores da liberdade veem os perigos em processar aqueles que revelam má conduta do governo. E os australianos querem que um deles volte para casa.

O triunfo da Realpolitik

Em um momento em que a liberdade mal é ouvida nos círculos governamentais, esse último ponto pode ser o fator decisivo. Com o aumento das tensões entre o Ocidente e a China, os EUA precisam de aliados no Pacífico.

“Os Estados Unidos se aliaram à Grã-Bretanha e à Austrália para formar um novo grupo anti-China”, observou Tom McTague, do The Atlantic, em 2021. Descobrimos no ano passado que a aliança AUKUS incluirá submarinos de ataque nucleares para a Austrália, além de cooperação naval trilateral entre os parceiros.

Em última análise, a realpolitik pode ter sucesso onde as preocupações libertárias civis e a simples decência falharam. Se Julian Assange finalmente recuperar sua liberdade, pode ser devido à disposição dos EUA de superar as revelações de seus fracassos de política externa do passado para que possa abrir caminho para novos empreendimentos diplomáticos e militares.

Sem dúvida, isso deixará a necessidade de que a Assanges do futuro cubra os resultados.

Artigo escrito por J.D Tuccille, publicado na Reason e traduzido por Isaías Lobão


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Samourai Wallet
Ética

A prisão de desenvolvedores de carteiras Samourai mostra que o governo dos EUA odeia privacidade e liberdade

Em 24 de abril, dois desenvolvedores líderes da Samourai Wallet (SW), a carteira centrada na privacidade mais avançada do ecossistema bitcoin, foram presos e acusados de crimes de lavagem de dinheiro e violações na transmissão de dinheiro por ordem do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ). Este é apenas o mais recente ataque de […]

Leia Mais
Caminhão do MTST
Ética

Caminhão do MTST que levava marmitas para desabrigados no RS é apreendido por estar com IPVA vencido

Na última segunda-feira, um caminhão do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que transportava marmitas para desabrigados em Porto Alegre foi guinchado pela Brigada Militar. Segundo a BM, o veículo foi apreendido na Avenida Bento Gonçalves por estar com o IPVA, o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotores, vencido. O ocorrido foi divulgado no […]

Leia Mais
William Ling
Ética

Família Ling quer reconstruir pontes e estradas no Rio Grande do Sul

A família Ling — cujo patriarca começou a vida do zero e fez fortuna no Rio Grande do Sul — se comprometeu a doar R$ 50 milhões para obras emergenciais de infraestrutura. A iniciativa visa ajudar as comunidades a reconstruírem pontes e estradas destruídas pelas inundações. “Quando meu pai chegou no Rio Grande do Sul […]

Leia Mais