segunda-feira, novembro 28, 2022

Campanha Clinton financiou espionagem contra Trump

A campanha presidencial de Hillary Clinton em 2016 pagou a uma empresa de internet para “infiltrar-se” nos servidores da Trump Tower e da Casa Branca a fim de ligar Donald Trump à Rússia, de acordo com um novo documento legal.

O arquivo de um promotor do Departamento de Justiça encarregado de investigar as origens da sonda russa do FBI, serviu para lançar água fria sobre as alegações de conluio de longa data dos democratas.

O advogado especial John Durham apresentou uma moção relacionada a potenciais conflitos de interesse no caso do advogado da campanha Clinton Michael Sussmann, que segundo a Fox News, é acusado de mentir às autoridades federais.

Sussmann supostamente disse ao FBI que não estava trabalhando em nome de Clinton quando apresentou à agência documentos que supostamente ligavam a Organização Trump a um banco vinculado ao Kremlin dois meses antes das eleições.

O advogado se declarou inocente da acusação de fazer uma falsa declaração a um agente federal.

A moção de Durham alegou que Sussmann “tinha reunido e transmitido as alegações ao FBI em nome de pelo menos dois clientes específicos, incluindo um executivo de tecnologia (Tech Executive 1) em uma empresa de Internet com sede nos EUA (Internet Company 1) e a campanha Clinton”.

Em 2017, Sussmann forneceu “um conjunto atualizado de alegações” sobre os laços russos do então presidente Trump com outra agência governamental, de acordo com o jornal britânico.

Entre as acusações levantadas naquela época estava a de que as buscas suspeitas de DNS por endereços IP afiliados à Rússia “demonstraram que Trump e/ou seus associados estavam usando telefones sem fio supostamente raros, fabricados na Rússia, nas proximidades da Casa Branca e em outros locais”, disse a moção relatada.

As alegações “baseavam-se, em parte, no suposto tráfego DNS” que o Tech Executive-1 e outros “tinham se reunido em relação à Trump Tower, ao prédio de apartamentos de Donald Trump em Nova York, ao EOP e ao provedor de saúde acima mencionado”, de acordo com o relatório da Fox.

Durham disse que seu escritório não encontrou “nenhum apoio para estas alegações”, afirmando que as supostas provas fornecidas por Sussmann eram incompletas e distorcidas.

Trump disse que foi justificado pelo arquivamento de Durham em uma declaração na noite de sábado, acrescentando que houve um tempo em que o suposto crime de Sussmann “teria sido punido com a morte”.

O documento fornece provas indiscutíveis de que minha campanha e presidência foram espiadas por operativos pagos pela Campanha Hillary Clinton em um esforço para desenvolver uma conexão completamente fabricada com a Rússia

leu a declaração do ex-presidente republicano.

Este é um escândalo de muito maior alcance e magnitude do que Watergate e aqueles que estavam envolvidos e sabiam desta operação de espionagem deveriam estar sujeitos a processo criminal.

concluiu.

O Deputado Republicano Kash Patel, que foi o principal investigador da investigação da Câmara sobre as supostas ligações russas de Trump, disse à Fox News que o arquivo de Durham era uma prova “definitiva” de que a campanha de Clinton orquestrou “um empreendimento criminoso para fabricar uma ligação entre o Presidente Trump e a Rússia”.

O ex-advogado do FBI Kevin Clinesmith foi a primeira pessoa acusada de fazer uma falsa declaração em conexão com a investigação de Durham. Ele se declarou culpado em 2020 de falsificar um documento usado pelo FBI para vigiar um assistente do Trump.

Artigo escrito por Jessi O’Nell, publicado no site New York Post. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA