Colômbia pedirá quebra de patente de remédio para AIDS, afirma MSF

Colômbia irá quebrar patentes de medicamento para AIDS

Segundo o Médico Sem Fronteiras (MSF) o governo da Colômbia deverá decidir em breve se autoriza a quebra de patente de um importante medicamento para o tratamento da AIDS: o dolutegravir. A expectativa é de que caso a patente seja quebrada, haja uma notável redução dos preços do medicamento para a população como consequência do fim do monopólio do laboratório ViiV Healthcare (uma joint venture entre a GlaxoSmithKline, Pfizer e Shionogi), que atualmente produz e distribui o produto farmacêutico no país.

Em antecipação à decisão da nova resolução do Ministério da Saúde da Colômbia em uma das nações mais influentes do hemisfério sul, mais de 120 organizações da sociedade civil e outros atores escreveram ao Ministro da Saúde da Colômbia, Guillermo Alfonso Jaramillo, reforçando a necessidade de ampliar o acesso ao dolutegravir, afirmando que a medida é uma forma de “defender a justiça na saúde”. 

Segundo Francisco Viegas, assessor da Campanha de Acesso a Medicamentos de Médicos Sem Fronteiras (MSF), “a decisão, que permitirá a liberação de versões genéricas mais acessíveis do dolutegravir, é louvável. Esse compromisso reforça a crença de que a vida das pessoas vale mais do que o lucro das empresas.”

Por meio de tal medida, a Colômbia fabricar ou importar dolutegravir genérico sem a permissão do proprietário da patente.

Pela quebra de todas as patentes

Como o advogado e autor libertário Stephen Kinsella deixa claro em sua obra ‘Contra a Propriedade Intelectual‘, não existe nenhuma justificativa tanto ética quanto econômica para a falaciosa “propriedade intelectual”. Pelo contrário. Tal ideia é ela mesma uma violação dos verdadeiros direitos de propriedade, ao restringir o uso de cada indivíduo sobre seu próprio corpo e propriedade na aplicação de qualquer ideia que seja.

E em particular no caso da saúde, as patentes (que são uma forma de “propriedade intelectual”) sobre medicamentos e outras formas de tratamento de doenças, geram entraves no acesso à estes bens, uma vez que conferem privilégios à determinados indivíduos e empresas na produção e distribuição de tais bens, o que implica em uma verdadeira violação dos direitos de propriedade dos indivíduos, bem como um atentado à sua saúde.

Uma resposta para “Colômbia pedirá quebra de patente de remédio para AIDS, afirma MSF”

  1. Avatar de Nikus
    Nikus

    O único problema é que isso configura como quebra de contato, mas não é como se importasse por se tratar de um monopólio garantido pelos governos, é ele que dá, é ele que tira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

One thought on “Colômbia pedirá quebra de patente de remédio para AIDS, afirma MSF”

  1. O único problema é que isso configura como quebra de contato, mas não é como se importasse por se tratar de um monopólio garantido pelos governos, é ele que dá, é ele que tira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Elon Musk e Alexandre de Moraes
Ética

Elon Musk ataca censura de Alexandre de Moraes e deixa esquerda em polvorosa

Na última sexta-feira, o CEO da rede social X, Elon Musk, respondeu a uma publicação de Alexandre de Moraes questionando o porque dele estar impondo tanta censura no Brasil. Na publicação em questão, Moraes parabenizava o ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski pelo novo cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública. Confira abaixo: Elon Musk […]

Leia Mais
Roseane Murray
Ética

O ataque de pitbulls contra a escritora e poetisa Roseane Murray

Na manhã de ontem (5), a escritora e poetisa Roseana Murray, de 73 anos, havia sofrido um violento ataque de 3 pitbulls enquanto caminhava em Saquarema, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. O incidente reacende a discussão sobre possuir ou não cachorros da raça pitbull. O inicidente A escritora e poetisa Roseane Murray […]

Leia Mais
Álcool 70%
Ética

Anvisa proíbe venda de álcool 70% em supermercados e farmácias a partir de 30 de abril

Por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o álcool líquido 70% terá sua venda em farmácias e supermercados proibida a partir do dia 30 de abril. A agência já havia proibido o produto em 2002 e havia feito uma breve liberação durante a pandemia devido a escassez de álcool em gel. Segundo a […]

Leia Mais