sábado, novembro 26, 2022

Como a esquerda defende o totalitarismo comunista

"Quando se trata do uso da palavra 'genocídio', a opinião pública tem sido mais gentil com Stalin do que com Hitler."

Em setembro de 2010, a Universidade de Stanford publicou um artigo chamado “Stalin matou milhões“, com a frase de efeito: “Quando se trata do uso da palavra ‘genocídio’, a opinião pública tem sido mais gentil com Stalin do que com Hitler”.

O sentimento ecoou mais de uma década depois, e do outro lado do oceano Atlântico, em uma entrevista com o historiador britânico Giles Udy, os anfitriões perguntaram: “por que a suástica nazista é merecidamente vista como um símbolo horrendo do mal e de opressão, mas quanto ao martelo e a foice, as pessoas apenas dão de ombros?”, “por que nunca nos ensinaram isso?”, referindo-se aos crimes cometidos sob o comunismo.

Pesquisa após pesquisa, realizada ao longo dos anos e em diferentes países ocidentais – como Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Alemanha, Nova Zelândia e outras nações que compartilham os dois pilares da civilização ocidental – mostraram que aqueles com menos de 35 anos de idade em sua maioria apoiam o socialismo, com um número surpreendente de jovens vivendo no Reino Unido em 2018 acreditando que “o comunismo poderia ter funcionado se tivesse sido melhor executado”.

Como tal, muitos jovens do Ocidente continuam a ter uma visão romântica sobre o socialismo internacional (comunismo), muitas vezes expressa em slogans apologéticos como o conhecido “não foi comunismo de verdade”, destinado a encobrir a ideologia de Marx que foi responsável por mais de 100 milhões de mortes nos últimos 100 anos.

Por que isso ocorre? Uma resposta simplista, mas não totalmente inverídica, seria que o Ocidente era aliado da URSS contra os nazistas, daí a diferença de percepção dos dois regimes totalitários do século XX. No entanto, se a principal razão pela qual a percepção pública das ações diabólicas dos nacional-socialistas foi porque eles eram inimigos do Ocidente, então o que dizer do Japão Imperial?

Como Avani Sihra, da Atomic Heritage Foundation (uma instituição de Washington DC que é “dedicada à preservação e interpretação do Projeto Manhattan e da Era Atômica e seu legado”), escreveu: “Crimes alemães, como testes médicos em humanos cometidos em campos de concentração, tendem a receber mais atenção do que os crimes do Japão contra a humanidade […] Entretanto, os japoneses também desempenharam um papel nos testes médicos em humanos em um projeto secreto chamado Unidade 731″.

Quantas vezes você ouviu o Imperador Hirohito ser mencionado como a face do mal? Provavelmente nunca. Além disso, pergunte a si mesmo quando foi a última vez que você viu um anúncio de filme, programa ou livro sobre as ideias e comportamentos do Japão Imperial ao longo do século XX? Leve todo o tempo que precisar, mas aposto que você não precisa pensar muito sobre quando foi a última vez que viu um filme sobre os nazistas, ou ouviu falar deles na imprensa. Eu forneci uma grande quantidade de evidências para apoiar esta afirmação em meu relatório completo.

A semelhança da gravidade por trás das ações que os nazistas cometeram e como o Japão imperial se comportou é provavelmente melhor ilustrada pelos Julgamentos de Nuremberg e Tóquio, durante os quais funcionários de alto escalão de ambos os regimes foram julgados sob o Artigo 6 da Carta do Tribunal Militar Internacional por crimes contra a humanidade.

Consequentemente, aqui temos dois regimes genocidas, governados por autoridades acusadas de crimes contra a humanidade que foram aliadas contra o Ocidente e, no entanto, um deles – a Alemanha Nazista – recebeu muito mais atenção do que o outro – o Japão Imperial. O que é ainda mais interessante é que, em comparação com a Alemanha nazista, um regime que tinha elementos socialistas embutidos em sua ideologia, o Japão Imperial era puramente ultranacionalista, o que é conhecido como extrema-direita.

Também é importante notar que nunca houve julgamentos semelhantes para os crimes dos regimes comunistas. O fato de os ocidentais não verem o que aconteceu sob a URSS como crimes contra a humanidade foi claramente demonstrado por uma pesquisa realizada pelo New Culture Forum em 2017. Apesar das muitas semelhanças entre o regime de Hitler e o de Stalin.

Surpreendentemente, porém, não é porque “comunismo” ou “Stalin” são termos obscuros para o público ocidental que os crimes dos regimes comunistas não são vistos com a mesma severidade que os dos nazistas. Como mostrei em meu ensaio, há muita informação sobre o comunismo e seus crimes.
A resposta pode ser encontrada em duas forças poderosas que moldam a percepção pública do socialismo e até mesmo do comunismo. Uma delas é a academia. Já em 1941, o escritor inglês George Orwell observou que “agora não há intelligentsia que não seja, em certo sentido, de ‘esquerda’”.

A observação de Orwell permanece verdadeira até hoje, como uma pesquisa de 2017 que mostra que “a inclinação esquerda-liberal da academia pode ter aumentado desde os anos 60”. Um desenvolvimento semelhante aconteceu também nos Estados.

O fato de as visões de esquerda dominarem a academia ocidental, pelo menos o ensino superior, pode ser visto na forma como alguns professores se veem como ativistas políticos de ideais socialistas, e através da imposição do politicamente correto (que é “propaganda comunista” de acordo com o crítico cultural inglês, Theodore Dalrymple) e a teoria crítica racial, um vetor primário da versão atual do marxismo: o Marxismo Identitário, ou “Wokeismo”, que é o resultado do Neomarxismo (ele próprio a sobreposição entre o Marxismo Cultural e a Teoria Crítica Marxista) e pós-modernismo.
Além disso, fora dos campi universitários, a percepção dos comunistas e nacional-socialistas continua distorcida. Em um artigo para o The Guardian intitulado “Por que somos obcecados pelos nazistas?“, o autor afirmou: “A ideologia que sustentava as políticas de extermínio em massa de Stalin morreu em 1989 com a queda do comunismo, mas o racismo que impulsionou a vida de Hitler em miríades de formas que continuam a incomodar o mundo de hoje”.

Esta é uma afirmação falsa: O comunismo não morreu em 1989 (ou para ser mais preciso, em 1991, quando a URSS finalmente caiu). Como o instituto de pesquisa sediado em Washington DC, The Victims of Communism Memorial Foundation, afirma em sua página inicial:

“O Muro de Berlim caiu em 1989, mas o comunismo não. Cem anos após a Revolução Bolchevique, um quinto da população mundial ainda vive sob regimes comunistas de partido único na China, Cuba, Laos, Coreia do Norte e Vietnã.”

Os equívocos generalizados detalhados acima também são possíveis porque a academia não é o único lugar que molda as mentes jovens dos ocidentais para serem mais amorosas com o socialismo. Artistas e apresentadores também são predominantemente “de esquerda”.
Como documenta o livro de Mark Dice — Propaganda de Hollywood: Como a TV, os Filmes e a Música Moldam Nossa Cultura —, a indústria cinematográfica dos Estados Unidos fez maravilhas na promoção de visões de esquerda. Por exemplo, o The Hollywood Reporter recentemente escreveu um artigo sobre como “Leah Cameron se orgulha de The Communist’s Daughter ter um viés socialista descarado, mesmo que sua comédia na web, de extrema-esquerda canadense, esteja a um mundo de distância das filas de pão russas e do stalinismo com mão de ferro.” Cameron acrescentou: “Eu queria fazer um show em que, mesmo que a busca da política e do bairro se tornasse mesquinha e boba, ainda pudéssemos ver o lado positivo nos ideais do socialismo e do marxismo, e que vale a pena lutar por eles”.

Além disso, em um artigo de 2021 intitulado “Vire à esquerda?”, o Instituto de Assuntos Econômicos reuniu uma longa lista de artigos da Teen Vogue, revista voltada aos adolescentes que, em 2017, afirmou que “nossos leitores se consideram ativistas”, o que ilustra o ângulo agudo de inclinação à esquerda em seus artigos.

Portanto, as razões pelas quais muitos jovens ocidentais não parecem estar chocados com o totalitarismo soviético é uma mistura de intelectuais de esquerda nas instituições de ensino e na indústria do entretenimento. Duas das forças mais poderosas que moldam a mente da juventude atual.

Para ler o relatório completo “Por Que Muitos Jovens Ocidentais Odeiam Hitler, Mas Não Têm Certeza Sobre Stalin?”, visite Power of Ideas.

31/01/2022


Texto por Anton Balint. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA