Como os subsídios agrícolas nos países ricos prejudicam os produtores africanos

Como os subsídios agrícolas nos países ricos prejudicam os produtores africanos

Estima-se que em 2021, cerca de 490 milhões dos quase 1,4 bilhões de pessoas da África viviam com menos de US$1,90 por dia. Para ter uma noção da pobreza africana, observe que 9 dos 10 países mais pobres estão na África subsaariana. Muitos fatores explicam o subdesenvolvimento da África, mas ao contrário do que alguns podem acreditar, as perspectivas econômicas do continente estão longe de ser desesperadoras. De fato, mesmo no mundo desenvolvido, muito pode ser feito para ajudar a melhorar a vida de milhões das pessoas mais pobres do mundo. Se nós, no Ocidente, quisermos ajudar aqueles com quem nos preocupamos, uma das primeiras políticas a serem removidas deveria ser a de subsídios agrícolas que distorcem os preços.

Os subsídios ocidentais (e chineses) são ruins para muitos agricultores africanos. A África depende das exportações de commodities, e quando os países desenvolvidos distribuem somas enormes aos produtores domésticos, os preços globais das commodities caem. Estes subsídios não só desperdiçam enormes quantidades de dinheiro dos contribuintes, mas ao baixar artificialmente os preços das mercadorias, os subsídios distorcem o mecanismo de preços e impedem os produtores africanos de obter um preço de mercado justo para sua mão-de-obra.

O estudo de caso dos subsídios ao algodão que afetam os produtores da África Ocidental ilustra bem este fenômeno.

Os quatro países da África Ocidental com um interesse significativo no comércio global de algodão são Benin, Burkina Faso, Chade e Mali. Juntos eles são conhecidos como os quatro países produtores de algodão. Todos eles estão na lista dos Países Menos Desenvolvidos da ONU e juntos ganham cerca de 60% de sua renda total diretamente do algodão.

Os 4 países produtores de algodão produzem apenas cerca de 3% do algodão do mundo. A China e os EUA juntos produzem mais de 40%, embora os agricultores africanos sejam muitas vezes mais eficientes na produção de algodão. Por que a China e os EUA produzem muito mais quando seus produtores de algodão são relativamente ineficientes? Uma razão é que os governos americano e chinês enviam somas enormes para a produção de algodão, distorcendo incentivos e fazendo com que os agricultores aumentem artificialmente a oferta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Praça de Maio
Economia

Mises na Argentina: lições do passado para hoje

Ludwig von Mises visitou a Argentina em junho de 1959 a convite do Dr. Alberto Benegas Lynch. As palestras que Mises proferiu na Universidade de Buenos Aires foram reproduzidas no livro ‘Economic Policy: Thoughts for Today and Tomorrow‘ (Política Econômica: Pensamentos para Hoje e Amanhã, lançado no Brasil como ‘As Seis Lições‘). Como o título […]

Leia Mais
Caridade
Economia

Entendendo o Verdadeiro Significado da Caridade

Na edição de janeiro-fevereiro da revista The Misesian, o economista Jörg Guido Hülsmann fala sobre os insights que o levaram a escrever seu livro ‘Understanding the True Meaning of Charity’ (‘Entendendo O Verdadeiro Significado da Caridade’, ainda sem tradução no Brasil). Confira abaixo a entrevista. The Misesian (TM): A economia das doações e da caridade […]

Leia Mais
Economia

A conta chegou: alta de inflação e dos juros e queda do PIB

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central (BC) mostraram um maior pessimismo em relação a economia do país, voltando a revisar para cima as projeções de juros e inflação para este ano. As informações foram divulgadas no Boletim Focus desta segunda-feira, 20. As previsões pessimistas são reflexo das políticas keynesianas nas quais o governo […]

Leia Mais