De 360% na Venezuela a 42% em Gana, 10 países em todo o mundo sentem o impacto da inflação

Inflação mundial

Com base nas estatísticas mais recentes, dez nações estão enfrentando taxas de inflação superiores a 40% em outubro de 2023, enquanto quatro países estão suportando taxas de inflação superiores a 100%. Uma análise dos dados selecionados pelo World Economic Outlook do Fundo Monetário Internacional revela que o bolívar venezuelano está enfrentando uma inflação significativa a uma taxa de 360%, seguido de perto pelo dólar do Zimbábue a uma taxa de 314,5%.

10 nações lutam contra a inflação crescente, que ultrapassa 40% e abala as economias

Várias moedas fiduciárias enfrentaram desafios ao longo de 2023, resultando em uma desvalorização quando comparadas a outras. Em essência, essa inflação se traduz em uma diminuição da capacidade de adquirir bens e serviços com a mesma quantidade de dinheiro, diretamente ligada à redução do poder de compra. A inflação influencia significativamente os consumidores e também perturba os negócios, levando várias empresas ao colapso. Além disso, a hiperinflação é normalmente caracterizada por taxas de inflação mensais que ultrapassam a marca de 50%.

Em outubro de 2023, dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) destacam que a Venezuela está experimentando a maior taxa de inflação do mundo, com 360%. Situado no extremo norte da América do Sul, o país está há muito tempo no topo das tabelas de inflação global, com o bolívar venezuelano lutando persistentemente contra a diminuição do poder de compra. O dólar do Zimbábue também está sofrendo com uma inflação de três dígitos, registrando 314,5%, de acordo com os dados do FMI.

Os cinco principais países com as maiores taxas de inflação, de acordo com dados do FMI registrados em outubro de 2023.

Essa nação sem litoral no sul da África vem lutando contra a escalada da inflação por um período considerável. No Sudão, localizado no nordeste da África, a libra sudanesa está sofrendo uma taxa de inflação de aproximadamente 256,2%. Por um longo período, a moeda do país tem estado em uma espiral descendente, marcada por desvalorizações e flutuações significativas nos últimos tempos. Enquanto isso, no hemisfério sul da América do Sul, a Argentina está enfrentando sua própria turbulência econômica, com uma taxa de inflação que chega a 121,7%.

Taxa de inflação, preços médios ao consumidor registrados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em outubro de 2023.

A saga da inflação na Argentina é extensa, sendo que um fator importante é o rápido aumento da oferta de moeda. No último ano, o peso argentino testemunhou um declínio substancial no poder de compra. Por outro lado, o Suriname, a menor nação soberana da América do Sul, está experimentando uma taxa de inflação de 53,3% em outubro de 2023. As pressões inflacionárias no Suriname decorrem de uma infinidade de fatores, incluindo a criação desenfreada de dinheiro, desequilíbrios fiscais e perturbações externas. Notavelmente, o dólar surinamês (SRD) sofreu uma desvalorização de 228% de agosto de 2020 a outubro de 2021.

Enquanto isso, a Turquia, que faz fronteira com o sudeste da Europa e o oeste da Ásia, está enfrentando uma taxa de inflação de 51,2%. Esse desafio econômico é alimentado pela postura não convencional do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que favorece as baixas taxas de juros. A narrativa econômica da Turquia foi pontuada por vários casos de períodos inflacionários rápidos e prolongados. A Venezuela, o Zimbábue, o Sudão, a Argentina, o Suriname e a Turquia estão atualmente no topo das tabelas globais com as seis maiores taxas de inflação.

Encontrando refúgio em sistemas de permuta e moedas digitais

Completando a lista das dez principais nações que enfrentam as taxas de inflação mais altas estão Sri Lanka (48,19%), Irã (47%), Haiti (43,6%) e Serra Leoa (42,9%), com Gana em 11º lugar, com uma taxa de inflação de cerca de 42,2% em outubro de 2023. Os residentes de cada um desses países estão adotando várias estratégias para mitigar os efeitos da inflação.

Isso inclui o envolvimento em sistemas de permuta, o comércio direto de bens e serviços em vez de depender de suas moedas nacionais enfraquecidas e o uso crescente de moedas digitais como bitcoin (BTC) e stablecoins. Diversos relatórios destacam o uso predominante de criptomoedas nas regiões mais afetadas pela inflação. Na Venezuela, o USDT é um meio popular de liquidação.

“A Venezuela teve uma das piores taxas de hiperinflação de todos os tempos, com mais de 1 milhão por cento”, disse um cidadão à Chainalysis em um relatório de outubro de 2023. “A criptomoeda, especialmente as stablecoins, ajudou muitos venezuelanos a superar isso.”

Tanto a população em geral quanto as instituições financeiras do Zimbábue estão explorando cada vez mais os criptoativos. Na Argentina, a incerteza econômica levou os residentes a se apoiarem em criptoativos e stablecoins, enquanto no Sudão houve uma mudança notável em direção às moedas digitais. Além disso, além do dólar dos EUA, a lira turca está ganhando força como um dos principais pares de negociação do USDT em todo o mundo. Esses ativos financeiros sem fronteiras oferecem aos indivíduos uma alternativa viável, capacitando-os a preservar seu patrimônio contra a inflação da moeda fiduciária.

Artigo escrito por Jamie Redman, publicado em News.Bitcoin.com e traduzido por @rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tomate
Economia

Saboreie o gosto da Independência, cultive-a você mesmo!

Cultivar os seus próprios tomates pode ser muito mais gratificante do que o doce sabor da sua colheita. Os benefícios adicionais tradicionais fazem com que muitos de nós regressem estação após estação. Se é um jardineiro, conhece a grande sensação de agir diretamente sobre a natureza para produzir os alimentos que come. Cultivar tomates leva-o […]

Leia Mais
MP da tarifa de luz
Economia

Segundo ex-diretor da Aneel, MP assinada por Lula para baixar a conta de energia terá efeito contrário

Segundo Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, a medida provisória para baixar o valor da conta de luz, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na terça-feira (9), tem dispositivos que levarão ao efeito contrário. Segundo Edvaldo Santana e outros especialistas, haverá um aumento da tarifa para os consumidores. A MP […]

Leia Mais
Liga Hanseática
Economia

A Liga Hanseática: Um “Império” do Comércio

Era uma vez um fenômeno medieval do norte, tão sujeito a mitos universais e curiosidade quanto o das encantadoras cidades-república florescentes do sul: a Liga Hanseática dos séculos XIII ao XVI. “O Hansa” (alemão antigo para “associações”) ou “A Liga”, como era conhecido, começou como um tratado entre Lübeck e Hamburgo “para limpar a estrada […]

Leia Mais