É possível alguém ficar preso em sua própria liberdade?

Usamos a palavra liberdade como um bem supremo a ser alcançado/mantido. Parece que sempre estamos na busca por desatar alguns nós que nos prendem a algo. Temos a impressão de que existem forças, estruturas e pessoas tirando o nosso direito de sermos livres.

O trabalho tira a nossa liberdade de estarmos de folga. A fome tira a nossa liberdade de estarmos saciados, enquanto a saciedade nos tira a liberdade de estarmos com fome.

A liberdade de pensamento (partimos da premissa que ela existe) parece evidenciar que não somos livres para não pensarmos. Pensamos até quando não queremos executar tal ato.

Buscamos a liberdade por que nos sentimos presos a alguma coisa, e nessa busca por liberdade podemos chegar ao ápice da escravatura: a ilusão que nos faz cegos para o fato de que a liberdade nunca será plena.

Queremos falar e fazer o que quisermos, pois acreditamos que são essas coisas que demonstram o exercício da liberdade. Na defesa da liberdade total para a ação humana, caímos facilmente na teia dos monstros fictícios. 

A pessoa que é escrava da liberdade transforma a própria palavra liberdade em um objeto sagrado. Essa perspectiva a coloca numa constante paranóia. Se a liberdade se torna um fetiche, ser livre só terá sentido após se passar por um processo de libertação/purificação.

Se não há  liberdade para pensar em algo fora dela, a liberdade é apenas uma prisão com permissões relativas. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cavaco Chinês
Ética

Ilhados, moradores da ZN de Natal abrem vala em via para escoar água

Cansados de esperar pela ajuda do estado, moradores da comunidade Cavaco Chinês em Natal (RN) decidiram abrir uma vala para escoar a água que havia inundado toda a região. A inundação que impedia a passagem dos moradores havia sido causada pelas fortes chuvas na cidade. Chuvas fortes inundaram a região Após as últimas chuvas em […]

Leia Mais
Gradualismo
Ética

Gradualismo e o princípio da não agressão

O princípio central da filosofia libertária é o que é conhecido como princípio da não agressão. Ele sustenta que é moralmente errado uma pessoa usar a força contra outra, direta ou indiretamente, por meio do uso do governo. Os libertários entendem a importância fundamental do princípio da não agressão e o adotam… em sua maioria. […]

Leia Mais
Bem-estar
Ética

Bem-estar fora do estado

Uma razão frequentemente citada para a necessidade do estado é que ele é o único meio pelo qual os pobres podem ter acesso a bem-estar suficiente para aliviá-los das duras realidades que podem acompanhar suas circunstâncias. No entanto, apesar das promessas feitas ao longo de muitas décadas e das enormes somas gastas em programas de […]

Leia Mais