terça-feira, julho 5, 2022

Eleições de 2022 darão fim à pandemia nos EUA

Sete em cada 10 americanos dizem "é hora de aceitarmos que a COVID está aqui para ficar e só precisamos seguir em frente com nossas vidas". Os políticos estão tomando nota.

É preciso muito para fazer um libertário ansiar pela próxima eleição.

Dois miseráveis anos de mandatos governamentais ignorados por algumas das próprias pessoas que os impõem. Mais de 70.000 adultos sem máscara (e muitas celebridades) festejando em um grande evento esportivo em uma cidade onde as crianças são obrigadas a usar máscaras de grau médico na escola e a mantê-las enquanto praticam esportes. Impor controles na fronteira sobre a imigração e viagens significava combater o COVID-19, e depois mantê-las (sem sair da rampa) muito tempo depois que o vírus já está se espalhando por aqui.

Pela primeira vez, podemos estar gratos por estarmos em outra época eleitoral, já que a política é a última área onde a pandemia domina a tomada de decisões. A economia emergiu da onda ômicron em melhor forma do que o esperado. O Super Bowl de domingo foi o mais recente sinal de que muitos americanos estão cansados da teatro em prol da saúde dos últimos dois anos. Mas até mesmo o compromisso da classe política com a política de COVID está vacilando. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e o Presidente Joe Biden podem se recusar a dar muita esperança de que os mandatos relacionados à COVID serão revogados em breve, mas eles estão cada vez mais prejudicados pelos democratas na população em geral, que estão assistindo à queda da popularidade quase tão rápida quanto o número de casos de COVID.

Em Nova York, por exemplo, a governanta democrata Kathy Hochul anunciou na semana passada que as empresas não serão mais obrigadas a impor o mascaramento de clientes não vacinados. O mandato de máscara interna da Califórnia expirará esta semana, mesmo que alguns governos locais mantenham regras semelhantes no lugar – o Super Bowl de domingo estava supostamente sujeito ao mandato de Los Angeles, embora não se soubesse disso por fotos da multidão esmagadoramente desmascarada vistas na televisão.

As escolas estão finalmente flexibilizando as regras de máscara que nunca fizeram muito sentido, uma vez que as crianças geralmente não correm o risco de doenças graves da COVID. O mandato de mascaramento escolar de Connecticut terminará no final deste mês, e o de New Jersey seguirá o exemplo em 7 de março. A de Delaware está prevista para terminar no final de março. Em todos os três casos, as ordens vieram de governadores democratas nos estados azuis.

Mas um exemplo mais revelador do sentimento que varre o país veio da Virgínia, onde o Senado estadual controlado pelos democratas votou 29-9 na semana passada para deixar os pais decidirem se seus filhos usam máscaras na escola, independentemente das políticas que os conselhos escolares locais possam ter em vigor. Dado o quanto o apoio aos mandatos de máscara foi mapeado para alianças partidárias ao longo do último ano ou mais, esta é uma declaração bipartidária retumbante.

Na segunda-feira, a Casa do Estado também aprovou o projeto de lei, enviando-o para a mesa do Governador Republicano Glenn Youngkin. Espera-se que ele assine o projeto de lei.

A política está sempre a jusante da cultura, e todos os sistemas democráticos são, em última análise, fundamentados na vontade do povo[1]. No sistema americano, o povo não costuma tomar decisões diretamente – em vez disso, as eleições atuam como uma espécie de sistema de feedback para os que estão no poder. Você pode praticamente fazer o que quiser após ser eleito, mas eventualmente (a cada dois, quatro ou seis anos) você terá que enfrentar os eleitores novamente.

A pandemia ajudou a expor o que acontece quando esse sistema de feedback é interrompido, já que os governadores de muitos estados se apoderaram dos estatutos do poder de emergência para cortar a legislatura do processo de regulamentação da pandemia.

Alguns podem argumentar que isso é um benefício, não uma falha. O governo deve responder a uma crise rapidamente e pode não haver tempo para deliberação legislativa.

Isso é verdade, até certo ponto. Dois anos depois, não estamos mais em crise. Estamos em uma situação que pode ser abordada através do funcionamento regular do governo democrático. E quando se permite que o sistema funcione como pretendido, e os formuladores de políticas que têm que enfrentar a reeleição regularmente (como fazem os legisladores estaduais) enfrentam a perspectiva de votar a favor ou contra o mascaramento obrigatório nas escolas – bem, basta olhar o que aconteceu na Virgínia.

Ou veja as urnas. Uma pesquisa da Universidade de Monmouth publicada em 31 de janeiro revelou que 70% dos americanos (e 47% dos democratas) concordaram que “é hora de aceitarmos que a COVID está aqui para ficar e que só precisamos seguir em frente com nossas vidas”. A mesma pesquisa constatou que o apoio às exigências de vacinas caiu 10% desde setembro passado, enquanto o apoio às exigências de distanciamento social (como a limitação da capacidade em ambientes internos) havia caído 11% no mesmo período. Essas tendências parecem continuar à medida que o ômicron desbota no espelho retrovisor e o tempo mais quente chega.

Apenas 38% dos prováveis eleitores vêem a COVID-19 como “uma emergência de saúde pública”, de acordo com uma pesquisa de janeiro da Echelon Insights, enquanto 55% disseram que “deve ser tratada como uma doença endêmica que nunca desaparecerá completamente”.

Essas pesquisas e as próximas eleições intermediárias deixaram os democratas em busca de “uma nova mensagem” sobre a pandemia antes das eleições intermediárias, informou o New York Times no mês passado. O partido está “bem ciente de que os americanos – mesmo alguns dos leais eleitores liberais do partido – mudaram suas atitudes sobre o vírus e que pode ser perigoso deixar os republicanos marcar os democratas como o partido das paralisações e mandatos”.

No entanto, atrapalhar essa nova mensagem é a mesma tendência que tem tropeçado nas respostas governamentais à pandemia desde o seu início: envolver-se em psicologia social, em vez de simplesmente entregar os fatos e confiar no público para tomar suas próprias decisões.

Isto significou duas coisas. Algumas pessoas sentem, provavelmente com razão, que estão sendo manipuladas pelas mensagens em constante mudança do governo e simplesmente desligam tudo isso. Outros adotaram uma resposta devota, quase religiosa, às exortações dos funcionários da saúde pública – completa com condenações morais daqueles que não se sentem da mesma maneira. Também não é ideal se o objetivo for combater uma doença mortal em conjunto, e o resultado previsível é a crescente politização de todos os aspectos do controle da pandemia.

Mas eles continuam a fazer isso. “Estamos caminhando para uma época em que a Covid não perturbe nossa vida diária”, disse um funcionário da administração sênior não nomeado ao Politico na semana passada. “Mas para que as pessoas vejam a pandemia de forma diferente, elas têm que senti-la de forma diferente”.

Isto pode ser novidade para a administração Biden, mas a maioria dos americanos parece já ter mudado suas “mentes” sobre a pandemia. Sim, até mesmo os liberais e os moradores urbanos. Basta olhar para todos aqueles fãs que aplaudem o Super Bowl, ignorando descarada e casualmente as regras. Essa atitude está agora se espalhando com grande alegria. Alguns democratas, como o governador do Colorado, Jared Polis, estavam à frente da curva, e outros finalmente estão recebendo a mensagem.

É possível que estas mudanças na política da COVID se devam, como dizem, à ciência. O número de casos está diminuindo e a promessa de um clima mais quente está bem próximo em grande parte do país. Talvez os democratas não estejam fazendo política e estejam simplesmente ajustando estratégias de acordo com as circunstâncias?

Seja cético em relação a essa conclusão: Biden não tem que enfrentar a reeleição até 2024. O CDC nunca tem que ir antes dos eleitores. Mas os legisladores estaduais e locais estão sendo mais sensíveis à vontade emergente do povo, que está cada vez mais indicando – tanto nas pesquisas como em seu comportamento – que já tiveram máscaras e restrições suficientes.

Artigo escrito por Eric Boehm, publicado no site Reason e traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

O presente artigo não representa a opnião total do site sobre o assunto.

“Libertário” é usado nesse artigo com o sentido norte-americano da palavra.

Nota

  • 1 Para um entendimento libertário mais consistente sobre democracias, leia Democracia, O Deus Que Falhou’, de Hans-Hermman Hoppe, capítulo IV, página 129.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

SourceReason

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

CONFIRA