Entendendo a história da escravidão africana: os europeus não foram os únicos traficantes de escravos

Escravidão Africana

No vasto panteão da história, os negros foram ao mesmo tempo vítimas e opressores. No entanto, a história tem sido tão politizada que ouvimos infinitamente sobre a primeira e quase nunca sobre a segunda. A retórica eclipsou os fatos. É fato, por exemplo, que os africanos participavam do tráfico transatlântico de escravos. A narrativa agora é frequentemente manipulada como uma arma para compelir os brancos à submissão.

Em vez de reconhecer as nuances e complexidades, muitos indivíduos que deveriam ter um entendimento mais profundo abraçaram a narrativa simplista dos ativistas. As principais publicações, como o Atlantic e o New York Times , querem desesperadamente que seja verdade que os negros só foram vítimas dos brancos. No entanto, o sentimentalismo editorial não pode mudar os fatos. Uma análise apropriada da história desmonta as palavras de ordem dos ativistas de esquerda que se contentam em sentir-se moralmente superiores.

Tais ativistas invocam constantemente o papel dos europeus no comércio transatlântico de escravos para evocar sentimentos de culpa entre os brancos contemporâneos. Escondido por trás da propaganda está o fato de que os africanos realmente facilitaram o comércio. A escravidão existia no continente antes do contato com os europeus; os africanos estavam, portanto, bem acostumados com o negócio. Em Slave Traders by Invitation, o historiador Finn Fuglestad argumenta que, em alguns casos, os europeus foram solicitados a participar do comércio. Na verdade, a escravidão era tão lucrativa para os africanos que às vezes atormentava os comerciantes europeus com propostas de negócios. Em The Golden Trade, Richard Jobson contou que um comerciante expressou choque quando o primeiro recusou sua oferta de escravos.

Ao entrar no comércio de escravos africanos, os europeus estavam apenas aprofundando uma prática há muito enraizada. E eles não estavam alheios da realidade de que o sucesso implicava genuflexão para as elites africanas. O historiador Pieter Emmer derrubou o consenso politicamente correto de que os africanos eram atores marginais no comércio de escravos. Ele observa que, se os europeus tivessem estabelecido os termos, teriam adquirido um número maior de escravos das partes costeiras da África Ocidental mais próximas do Novo Mundo – para reduzir os riscos de transporte. No entanto, a maioria dos escravos era obtida de seções da costa africana distantes do Novo Mundo e, portanto, mais difíceis de alcançar. Como os africanos estabeleceram os termos, os europeus recorreram à compra de mais mulheres do que o necessário. O tipo de escravo fornecido dependia dos interesses dos comerciantes africanos.

Os africanos garantiram que os europeus entendessem que o comércio estava sendo realizado em seu território. Eles estabeleceram as condições para acordos comerciais para que as cargas programadas para a África refletissem as peculiaridades dos gostos africanos. As elites africanas eram consumidores exigentes que examinavam cuidadosamente as importações em busca de falhas – às vezes para o desgosto dos europeus. Na década de 1660, um comerciante alemão relatou que os africanos podiam diferenciar rapidamente entre têxteis holandeses ou indianos de alta qualidade e seus concorrentes inferiores produzidos na Inglaterra e na Alemanha. Seus relatos estão repletos de reclamações de que os africanos defraudariam os europeus combinando ouro com substâncias menos valiosas e, em seguida, impedindo os europeus de penalizar os supostos trapaceiros.

Sem cooperar com os africanos, os europeus não poderiam fazer negócios no continente. Os comerciantes europeus eram apenas inquilinos em solo africano, que tinham que pagar às elites para construir seus postos comerciais. No império Asante, os europeus eram obrigados a pagar aluguel ou tributo sempre que construíssem assentamentos. Da mesma forma, o reino de Whydah obrigou os comerciantes europeus a pagar taxas alfandegárias e distribuir presentes ao rei e seus agentes. Dominado pela ganância, um rei em 1700 extraiu taxas equivalentes a dez escravos de cada traficante europeu para abrir o mercado e, em seguida, ordenou-lhes que comprassem seus escravos a um preço exorbitante.

Esse era o padrão em toda a África; os governantes constantemente lembravam aos europeus que os africanos estavam no comando. Até mesmo os poderosos britânicos pagavam um aluguel anual aos Fante para ocupar as terras em que seus fortes foram construídos. O custo de realizar negócios na África continuou a subir, principalmente devido a atrasos burocráticos, apesar dos esforços para agilizar processos comerciais e resolver disputas. Mas como os africanos eram tão formidáveis, podiam punir os europeus por desafiarem sua autoridade.

James Nightingale, o governador do Forte Charles na década de 1680, expressou oposição à política em Annamaboe e foi prontamente despido, espancado e removido do forte. Os europeus também foram mortos por apoiar o lado errado em guerras civis locais ou em guerras entre governantes africanos rivais. As autoridades políticas africanas frequentemente impediam os europeus de expandirem seus empreendimentos comerciais.

O desejo dos europeus por minas e plantações irritou os líderes africanos que acreditavam que tais aquisições implicavam uma perda de soberania. Como tal, os europeus não tiveram sucesso em monopolizar a produção de ouro africano. Talvez o único ouro exportado da África que foi fabricado sob supervisão europeia emanou do Brasil no final do século XVII, tendo sido enviado para a África como pagamento por escravos. Dada a agência que os africanos tinham em suas relações com os europeus, alguns consideram o comércio de escravos um sinal da força da África, em vez de um sinal de fraqueza.

Como escreveu historiador Matthew Heaton, o comércio tornou-se tão importante para certos estados que levou a grandes rivalidades. Negros conquistando e escravizando outros negros evidentemente não era incomum:

“No início do século XVIII, Whydah e Allada tentaram reforçar seu controle sobre o comércio de escravos estabelecendo monopólios costeiros sobre o acesso aos comerciantes europeus. . . . O rei de Allada não proibiu os comerciantes do interior de negociar com os europeus, mas, em vez disso, declarou direitos de monopólio sobre a compra de armas de fogo e conchas de búzios. .. . Esse movimento enfureceu o Daomé, um dos maiores compradores de escravos do interior, cujo rei Agaja retaliou atacando o porto de Jakin em 1724 e Whydah em 1727, trazendo-os ambos para a rede tributária do Daomé ”.

Esses fatos devem acabar com o mito de que os africanos só ocuparam uma posição subordinada no comércio de escravos. Mais evidências refutam a alegação de que a escravidão não beneficiou os africanos. É evidente que o comércio era prejudicial para as pessoas que eram exportadas, mas há uma falta de evidências concretas sobre seus efeitos devastadores nas indústrias africanas.

A análise histórica mostra que o tráfico de escravos não conseguiu entregar lucros desproporcionais para as partes envolvidas, pois era uma atividade muito onerosa. E as evidências sugerem que os termos de troca mudaram gradualmente para favorecer os africanos no final do século XVIII. Claro, isso não significa que os lucros do comércio de escravos enriqueceram as sociedades africanas. Afinal, os benefícios se acumularam em grande parte para as elites. Mas nega a tese de que os europeus foram os únicos beneficiários do comércio.

Outro mito pernicioso é que os africanos não se beneficiaram das importações europeias. O comércio com a Europa prosperou porque os europeus estavam dispostos a fornecer bens que os africanos exigiam, como têxteis, metais e outros bens de luxo que poderiam ser fabricados de forma mais eficiente em outros lugares. Os europeus também introduziram bens que não eram produzidos anteriormente no continente. O historiador Daniel Domingues da Silva argumentou que a maioria das importações não era substituta de itens fabricados localmente.

Em algumas regiões, ele sustenta, os bens importados eram difundidos dentro do público mais amplo, em vez de se concentrarem entre as elites. As conclusões de Da Silva complementam o argumento de David Northrup de que “as importações complementaram em vez de deslocar produtos fabricados localmente em regiões do interior”. Como as elites ansiavam por itens de luxo que sinalizassem seu status para a comunidade, os têxteis importados se tornaram muito populares. Os europeus não podem ser culpados por responder ao mercado.

E sobre a questão da escravidão, vale ressaltar que os ativistas se concentram nas brutalidades do comércio transatlântico, enquanto minimizam ou ignoram as do comércio transaariano. A pesquisa sobre este último é bastante escassa, embora tenha começado muito antes e, portanto, tenha durado muito mais tempo. Os senhores de escravos árabes tendiam a ser particularmente cruéis, estuprando as mulheres e castrando os homens para impedi-los de se reproduzir.

A escravidão diferia no mundo árabe na medida em que a motivação mais comum era adquirir mulheres para fins sexuais . Quando os comerciantes podiam obter mulheres circassianas, eslavas, gregas e outras brancas a preços razoáveis, eles geralmente eram preferidos aos negros. Como os europeus, os árabes inventaram “teorias” estranhas para justificar sua escravização dos africanos negros:

“A explicação de Ibn Khaldun é particularmente perturbadora: as únicas pessoas que aceitam a escravidão são os negros (Sudão), devido ao seu baixo grau de humanidade e sua proximidade com o estágio animal. Outras pessoas que aceitam o status de escravo o fazem como meio de alcançar alta patente ou poder, como é o caso dos turcos mamelucos no Oriente e daqueles francos e galegos que entram a serviço do Estado na Espanha”.

Outro mito que se tornou amplamente aceito é que os negros não se interessavam pelo colonialismo. Em 1822, a Sociedade Americana de Colonização estabeleceu a Libéria como um destino para escravos negros libertados. Como esses indivíduos enfrentaram racismo severo nos Estados Unidos, era de se esperar que eles defendessem os interesses dos negros nativos em sua nova terra natal. Na verdade, ocorreu o contrário.

os nativos da Libéria receberam poucos direitos civis pela Constituição da Libéria de 1847. Apenas um pequeno número alcançou o direito de voto e de trabalhar em departamentos governamentais. Como os britânicos, as elites colonizadoras governavam por meio de um governo indireto, o que criava seus próprios problemas. Soldados corruptos e mal treinados devastaram aldeias, saquearam fazendas e estupraram mulheres. O governo impôs um “imposto cabana” anual sobre homens adultos. Mas o programa ficou atolado em corrupção, com os chefes da aldeia usando os pagamentos para negócios pessoais.

As elites viviam generosamente e raramente pagavam impostos, enquanto mal forneciam infraestrutura social à população. As rebeliões locais foram rapidamente suprimidas. A situação na Libéria ficou tão ruim que, em 1930, a Liga das Nações investigou a alegação de que os africanos estavam sendo escravizados.

Muitos moradores locais esperavam que a chegada de afro-americanos aumentasse as condições de vida no país, apenas para ficarem desiludidos com a incompetência dos colonos. Esta carta perspicaz do rei Yado Gyude, da tribo Cape Palmas Grebo, ilustra as frustrações dos liberianos nativos:

“No ano de 1834, um grupo de colonos negros… chegou às nossas costas em busca de um lar. Compadecendo-se de sua condição e . . . antecipando que, ao se estabelecerem entre nós, os benefícios do esclarecimento e da civilização cristã seriam disseminados . .. nossos pais abriram os braços para eles. . . . Nossos pais sempre fizeram amizade com a República da Libéria como uma nação em dificuldades de nossa raça, mas o governo logo começou a nos desprezar, colocando-nos em seus quartos e eles em seus senhores, da mesma forma que em seus dias de escravidão na América”.

Os estudos históricos revisados neste artigo revelam as complexidades da humanidade. Todos os grupos têm a capacidade de fazer o mal, bem como o bem. Diminuir a capacidade dos negros para o mal e lançá-los como vítimas indefesas dos brancos não é apenas falso, mas também paternalista. Ele remove a agência dos negros, consignando-os a um papel subserviente em cada episódio histórico. O passado nunca deve ser retocado ou distorcido em um esforço equivocado para elevar a autoestima dos negros.

Artigo escrito por Lipton Matheus, publicado em Mises.org e traduzido por Isaías Lobão


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Samourai Wallet
Ética

A prisão de desenvolvedores de carteiras Samourai mostra que o governo dos EUA odeia privacidade e liberdade

Em 24 de abril, dois desenvolvedores líderes da Samourai Wallet (SW), a carteira centrada na privacidade mais avançada do ecossistema bitcoin, foram presos e acusados de crimes de lavagem de dinheiro e violações na transmissão de dinheiro por ordem do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ). Este é apenas o mais recente ataque de […]

Leia Mais
Caminhão do MTST
Ética

Caminhão do MTST que levava marmitas para desabrigados no RS é apreendido por estar com IPVA vencido

Na última segunda-feira, um caminhão do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que transportava marmitas para desabrigados em Porto Alegre foi guinchado pela Brigada Militar. Segundo a BM, o veículo foi apreendido na Avenida Bento Gonçalves por estar com o IPVA, o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotores, vencido. O ocorrido foi divulgado no […]

Leia Mais
William Ling
Ética

Família Ling quer reconstruir pontes e estradas no Rio Grande do Sul

A família Ling — cujo patriarca começou a vida do zero e fez fortuna no Rio Grande do Sul — se comprometeu a doar R$ 50 milhões para obras emergenciais de infraestrutura. A iniciativa visa ajudar as comunidades a reconstruírem pontes e estradas destruídas pelas inundações. “Quando meu pai chegou no Rio Grande do Sul […]

Leia Mais