segunda-feira, novembro 28, 2022

ESG e crédito social chinês

O crédito social chinês é uma forma de controle social muito mais eficiente que o totalitarismo tradicional, uma vez que os aparentes benefícios do sistema desestimulam qualquer possível oposição à ele.

O crédito social chinês

Qualquer pessoa com um cartão de crédito definitivamente sabe o que é um sistema de crédito e uma pontuação de crédito. Quanto mais responsável financeiramente você for, melhor será sua pontuação de crédito, o que o levará a obter melhores negócios em empréstimos, etc. Então, suas escolhas financeiras o levarão a obter certas vantagens ou desvantagens.

Atualmente isso se aplica apenas às suas finanças; a maneira como você gasta, economiza e investe seu dinheiro. O que a China está fazendo é dar um passo adiante e aplicar o mesmo princípio à maneira como você se comporta na sociedade por meio do crédito social chinês.

Seja um bom cidadão, comporte-se de uma maneira geralmente aceita como moralmente “boa” e você obterá certos benefícios; seja um desobediente e você paga o preço, literalmente. Tudo isso exigirá que o governo colete imensas quantidades de dados sobre a vida cotidiana das pessoas; algo que é certamente uma violação do seu direito à privacidade.

Mas como classificar o que constitui “bom comportamento” e “mau comportamento”? porque a diferença pode ser bastante difusa. E quem vai decidir isso?; obviamente, no caso da China, será o Partido Comunista da China que terá a única autoridade moral para decidir.

O governo chinês lançou “programas-piloto” em várias cidades da China. Os Programas-piloto irão determinar quão severa deve ser uma punição por um certo delito ou quão grande deve ser dada uma vantagem por fazer uma certa “boa ação”.

E as punições incluem ser envergonhado publicamente em telas de TV em espaços públicos, ter a chamada telefônica remotamente personalizada para que quem está ligando ouça: “a pessoa que você é chamada está na lista negra”, isso inclui proibição de comprar passagens de trem, avião, ônibus etc.

Por outro lado, as recompensas por “bom comportamento”, ou seja, obedecer ao governo totalitário do país, incluem ter seu nome e foto exibidos em locais públicos como um “herói cívico”, obtendo melhores ofertas em empréstimos de habitação, acesso “gratuito” a academias, isenção de taxas em bibliotecas, transporte público mais barato, tempos de espera mais curtos em hospitais, etc.

Todas as atividades, boas ou ruins, serão respaldadas por documentação oficial, eliminando as chances de “burlar o sistema”, como por exemplo travessia irregular. Houve uma extensa pesquisa feita para esse sistema de crédito social em todo o país, incluindo pesquisas em big data e tecnologias de reconhecimento facial.

O governo usará câmeras instaladas nos cruzamentos para fornecer uma transmissão ao vivo das faixas de pedestres, o reconhecimento facial será usado para identificar as identidades dos pedestres.

Porém, o governo chinês não pensa em fazer com que este sistema seja “unificado”, certamente se recordam de como programas unificados chineses do século passado deram errado, por exemplo o programa de agricultura coletiva, que terminou em um desastre.

Pense neste crédito social como um “ecossistema” de escrutínio burocrático administrado por municípios, bairros, ministérios governamentais, provedores de pagamento online, em ligação com o sistema privado empresarial, ou seja, um totalitarismo no mais elevado nível de sofisticação até então previsto apenas por livros e filmes distópicos. Todos esses serviços serão interligados pela “mágica” do big data.

Desta vez, não é central nem unificado. Cada subsistema individual dentro do ecossistema terá seus próprios pesos, regras, punições, recompensas, etc. O PCC emitirá diretrizes para que os vários sistemas não sejam muito variados entre si.

Mas o maior aliado desse projeto, e a grande mudança em ralação a projetos totalitários anteriores, é simplesmente a tecnologia. Tecnologias como big data e inteligência artificial tornam muito mais fácil manter o controle de um bilhão de pessoas, mais do que jamais foi possível no passado.

Com a “descentralização” e a tecnologia na mão, dois fatores que aumentam muito a probabilidade de sucesso desse ecossistema, o Partido Comunista Chinês (PCC) tem caminho aberto rumo a maior ditadura de todos os tempos.

No entanto, o sistema de crédito social da China não se limita às massas; esse vasto sistema gigantesco também abrangerá as empresas. Estas também terão suas próprias pontuações de crédito social. O governo planeja um mercado diversificado e descentralizado para classificação de crédito social; várias classificações de crédito diferentes com critérios de avaliação variados, cada um empregado para uma finalidade diferente.

Versão ocidental do crédito social chinês, o ESG

Enfim, chegamos ao ponto em que ocidente e oriente se encontram em uma batalha entre o mal e o mal pra ver quem implementa primeiro o maior sistema de controle populacional da história – o sistema de crédito social. Apesar do governo chinês estar bem avançado nisso, nós temos nosso próprio Sistema de Crédito, temos o ESG.

Environmental, Social and Governance, ou Ambiental, Social e Governante, refere-se às políticas que envolvem questões associadas à pautas ambientalistas, sociais e de gestão das empresas.

Os governos ocidentais têm suas regulamentações ambientais e trabalhistas que as empresas devem cumprir e, caso contrário, há uma batalha na justiça; além disso, há classificações e pontuações ESG publicadas para a maioria das empresas que podem incentivar e desencorajar os investidores a investir em uma empresa. O Sistema de Crédito Social da China automatizará esse processo, eliminando a burocracia, os atrasos e contornando o longo processo judicial.

O sistema de crédito social será alimentado por coleta de dados em tempo real. Sempre que uma empresa fazer algo ilegal ou não cumprir as regulamentações governamentais, a pontuação de crédito social da empresa diminui em tempo real; é claro que o mesmo vale sempre que uma empresa fazer algo “moralmente bom”, sua pontuação também aumentará em tempo real.

De acordo com o Sistema de Crédito Social da China, uma empresa obterá uma classificação de crédito mais baixa se não pagar seus empréstimos a tempo, se não cumprir as metas de emissões ou se não entregar produtos encomendado através de plataformas de e-commerce a tempo. Perceba que não são as pessoas dando notas para os serviços prestados pelas empresas, como você está acostumado a fazer nas plataformas como Ifood, Amazon ou Mercado Livre. Trata-se de um sistema de pontos concedidos ou retirados pelo governo de acordo com a preferência governamental e sem ligação alguma com as preferências da população.

Possíveis punições para empresas com classificações de crédito social mais baixas incluem condições desfavoráveis para novos empréstimos, impostos mais altos, negação de emissão de títulos, negação de investir em outras empresas no mercado de ações. Empresas com altas classificações de crédito não precisarão mais de aprovação do governo para investimentos estrangeiros.

Este movimento, agiliza o processo, ou seja, não há mais envolvimento burocrático; isso acaba com qualquer suborno ou corrupção porque não há mais envolvimento burocrático. O governo chinês pensou em tudo para que as empresas sejam, não apenas obrigadas a seguirem o processo determinado, mas também sejam solidárias ao processo, facilitando o caminho do crescimento para os obedientes, em outras palavras, quem obedece ao sistema tem vantagens.

Empresas chinesas já estão trabalhando para melhorar seu desempenho ESG, para melhorar suas classificações ESG ou devido ao “aumento da conscientização do consumidor” referente a CAUSA; esse sistema de crédito social lhes dará a única coisa que está faltando, a atração mais importante, um incentivo monetário; o dinheiro.

Lamento informar, mas o ocidente não está muito longe disso. Cada sistema, seja o Chinês ou o Ocidental, engendra a mesma erosão da liberdade individual através da propagação de uma “moralidade” singular determinada unilateralmente por um supervisor autoritário.

A Responsabilidade Social Corporativa (RSC) é definida pela Investopedia como “um modelo de negócios autorregulado que ajuda uma empresa a ser socialmente responsável – para si mesma, seus stakeholders e o público”, ou seja, uma empresa deve oper de forma a “melhorar a sociedade e o meio ambiente”.

As pontuações ambientais, sociais e de governança (ESG) são definidas como “um conjunto de padrões para as operações de uma empresa que investidores socialmente conscientes usam para selecionar investimentos em potencial”.

As pontuações ESG são mais comumente usadas para avaliar o risco de investimento; teoricamente, supõe-se que uma alta pontuação ESG indica um baixo nível de risco. No entanto, a pontuação consiste em um conjunto de métricas altamente subjetivas e determinadas arbitrariamente por um pequeno grupo de elites, e não por qualquer tipo de processo democráco.

Milton Friedman foi um dos primeiros e mais contundentes críticos das empresas que incorporavam uma “consciência social”. Ele articulou que os empresários que usam os fundos da empresa para assumir responsabilidades sociais, como eliminar a discriminação ou evitar a poluição, estão “pregando o socialismo puro”.

Friedman afirma que um executivo corporativo tem uma responsabilidade singular: ser o agente do acionista da empresa, cujo interesse comercial é maximizar o valor de seu investimento.

Qualquer empreendimento social de um administrador corporativo é um imposto cobrado dos acionistas, que diminui suas margens de lucro e, portanto, contraria os objetivos finais dos acionistas. Se os executivos (ou acionistas) desejam contribuir para objetivos sociais que correspondam aos seus valores individuais, eles têm o poder de fazê-lo como cidadãos privados.

Friedman acreditava que o resultado da implementação em massa da responsabilidade social corporativa mudaria a sociedade de ser “uma coleção de indivíduos e os vários grupos que eles formam voluntariamente” para uma em que “o indivíduo deve servir a um interesse social mais geral – seja este determinado por igreja ou um ditador ou uma maioria”, nesse caso – uma minoria da elite.

O economista Dr. Bill Conerly explica : “A tarefa essencial de uma empresa é converter recursos de baixo valor em bens e serviços de maior valor – do que os recursos usados – conforme avaliado pela disposição do vendedor em aceitar o pagamento.”

Conerly cita Sam Walton, fundador do Walmart: “Nós economizamos dinheiro para que as pessoas possam viver melhor”. Isso é crucial: o livre mercado cria riqueza social que os indivíduos podem capitalizar para melhorar suas vidas da maneira que o indivíduo escolher.

Os defensores do ESG costumam usar a já duvidosa afirmação de que o ESG aumenta o valor de uma empresa como uma cortina de fumaça para impulsionar objetivos políticos. Esses objetivos são muitas vezes determinados por um “governo paralelo”, fortemente composto por titãs de Wall Street cujos valores subjetivos decisões pífias se espalham para o resto da sociedade.

Esses CEOs continuam a ganhar poder sobre a criação de métricas ESG nos últimos anos; uma das evoluções mais drásticas no domínio da governança corporativa foi uma mudança de poder do acionista para o “stakeholder”. Isso foi “oficializado” por meio de uma reunião em 2019, na qual mais de 180 CEOs assinaram uma declaração de propósito corporativo , que afirma diretamente: “As empresas devem servir não apenas seus acionistas, mas também entregar valor aos seus clientes, investir em funcionários, lidar de forma justa com fornecedores e apoiar as comunidades em que operam.”

Quais rumos são pode tomar?

Em 2020, 120 das maiores corporações do mundo se reuniram em Davos na Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial para definir as métricas das partes interessadas, ou pontuações ESG.

Como o desempenho de uma empresa pode ser baseado em métricas subjetivas? Como as métricas subjetivas e objetivas, com pontos de base e métodos de cálculo completamente diferentes, podem ser combinadas em uma representação precisa do bem-estar financeiro de uma empresa?

Richard Morrison, do Competitive Enterprise Institute, ressalta outro problema com RSC e ESG, fornecendo exemplos de como as “encarnações” anteriores de empresas focadas em ESG poderiam ter sido:

“Uma empresa oficialmente considerada ‘socialmente responsável’ na Carolina do Sul em 1850 provavelmente estaria em estrita conformidade com a Lei do Escravo Fugitivo. Em 1917, uma gráfica que entregasse manuscritos anarquistas a funcionários que aplicavam a Lei de Espionagem poderia ter recebido um prêmio do governo do presidente Woodrow Wilson. A empresa de ônibus que levou os nipo-americanos aos campos de internamento de acordo com a ordem executiva 9066 do presidente Franklin Roosevelt pode muito bem ter sido elogiada por sua contribuição na luta contra a Segunda Guerra Mundial.”

Morrison conclui que um mercado livre é mais eficiente na definição de valores sociais por meio da interseção das forças de oferta e demanda.

Essa “definição de valores” arbitrária por um pequeno grupo de elites é estranhamente semelhante à coesão ideológica forçada adotada por governos de partido único em estados socialistas e comunistas.

Ambos os sistemas são compostos por uma combinação de métricas objetivas e subjetivas utilizadas para influenciar o comportamento humano de forma determinada por um organismo autoritário. Enquanto a autoridade dominante é governamental para os chineses e corporativa para o Ocidente, o resultado final é: a deterioração gradual dos direitos individuais com base na determinação subjetiva de uma autoridade do que é “melhor” para a sociedade.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA