Fisco anula isenção fiscal para líderes religiosos

Isenção fiscal para lideres religiosos

Por determinação da Receita Federal, líderes religiosos – como padres e pastores – não estarão mais isentos de pagar o Imposto de Renda. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (17/1), e assinado pelo secretário do Fisco, Robinson Barreirinhas. A isenção fiscal para líderes religiosos havia sido concedido pela Receita em 29 de julho de 2022, durante o governo Jair Bolsonaro (PL).

O ato declaratório havia sido assinado pelo ex-secretário do órgão Julio Cesar Vieira Gomes. Gomes havia entendido que naquele contexto, os valores pagos pelas igrejas aos líderes religiosos não eram considerados remuneração direta ou indireta, e por isso deveriam ser isentos de IR.

Atos declaratórios são interpretações da Legislação Tributária que só podem ser aplicadas por autoridades tributárias — como a Receita. São aplicadas em casos onde há interpretações divergentes sobre tributação — como no caso de líderes religiosos.

Justificativa da RF para o fim da isenção

Em nota, o Tribunal de Constas da União (TCU) se manifestou sobre a anulação da tributação a líderes religiosos, e afirmou que o processo ainda está sendo analisado pelo órgão e que ainda não há uma decisão sobre o caso.

“Em relação à informação de que a Receita Federal do Brasil teria suspendido, por determinação proposta pelo Ministério Público junto ao TCU (MPTCU), a eficácia do Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 1, de 29 de julho de 2022, o Tribunal de Contas da União esclarece que o assunto é objeto de análise no processo TC 018.933/2022-0, de relatoria do ministro Aroldo Cedraz, ainda sem decisão do TCU.

O processo trata de representação do MPTCU para avaliar a legalidade e legitimidade da ampliação de isenção de impostos para remuneração recebida por pastores conferida pela referida norma, diante de possível desvio de finalidade e ausência de motivação.

O TCU se manifesta apenas por meio de seus acórdãos ou por decisões monocráticas dos seus ministros.”

Reação de líderes religiosos

A decisão da Receita Federal de por fim a isenção de tributos a líderes religiosos gerou (com razão) indignação por parte de pastores e outros líderes religiosos. O pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, se manifestou e disse que o ex-presidente Jair Bolsonaro nunca havia concedido nenhuma isenção tributária a lideranças evangélicas.

Apesar de vários internautas questionarem a publicação de Silas Malafaia, e afirmarem que o Bolsonaro de fato havia isentado os líderes religiosos de pagar IR, um usuário chamado Carlos Andrade fez um importante apontamento. Como mostrado por ele, a isenção já estava prevista na Lei n° 8.212/1991, em seu art.22, parágrafos 13 , com redação incluída pela Lei nº10.170/2000.

A extensão desta isenção aos líderes religioso foi apenas fruto de um entendimento de que a lei também se aplicaria ao caso deles.

De toda forma, a Constituição Federal estatal com seu viés juspositivista não deve ser tomada como um parâmetro jurídico absoluto. No entanto, é importante mostrar como tal isenção se tratava de uma novidade, como a esquerda vem tentando vender.

A publicação de Silas Malafaia no X foi republicada pelo deputado federal e segundo-vice-presidente da Câmara, Sóstenes Cavalcante (PL-RJ). Cavalcante classificou o ato normativo como uma iniciativa “típica da esquerda”, e também declarou que tudo faz parte de uma perseguição a evangélicos.

“Eu me nego a acreditar que evangélicos vão ceder à chantagem desse governo e ir lá conversar por causa dessa decisão. Se querem perseguir, que persigam”, afirmou o parlamentar em entrevista ao jornal Valor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cavaco Chinês
Ética

Ilhados, moradores da ZN de Natal abrem vala em via para escoar água

Cansados de esperar pela ajuda do estado, moradores da comunidade Cavaco Chinês em Natal (RN) decidiram abrir uma vala para escoar a água que havia inundado toda a região. A inundação que impedia a passagem dos moradores havia sido causada pelas fortes chuvas na cidade. Chuvas fortes inundaram a região Após as últimas chuvas em […]

Leia Mais
Gradualismo
Ética

Gradualismo e o princípio da não agressão

O princípio central da filosofia libertária é o que é conhecido como princípio da não agressão. Ele sustenta que é moralmente errado uma pessoa usar a força contra outra, direta ou indiretamente, por meio do uso do governo. Os libertários entendem a importância fundamental do princípio da não agressão e o adotam… em sua maioria. […]

Leia Mais
Bem-estar
Ética

Bem-estar fora do estado

Uma razão frequentemente citada para a necessidade do estado é que ele é o único meio pelo qual os pobres podem ter acesso a bem-estar suficiente para aliviá-los das duras realidades que podem acompanhar suas circunstâncias. No entanto, apesar das promessas feitas ao longo de muitas décadas e das enormes somas gastas em programas de […]

Leia Mais