Governo Lula extingue direito de empregadores e trabalhadores de decidirem trabalhar em feriados

Lula e Luiz Marinho

O governo Lula, para agrado dos sindicatos, decidiu extinguir o direito até então exclusivo dos empregadores e trabalhadores de acordarem sobre trabalhar ou não durante feriados. A medida foi efetivada por meio de uma portaria assinada pelo ministro do Trabalho, Luiz Marinho (PT), publicada nesta segunda-feira (13) no Diário da União.

A medida revoga uma decisão do governo Bolsonaro, de 2021, que autorizava de forma permanente o funcionamento dos comércios durante feriados. De acordo com essa regra, eram permitidas as jornadas de trabalho durante feriados, desde que existisse um acordo entre patrões e empregados registrado em cláusula no contrato de trabalho.

Agora, com esta mudança realizada pelo governo Lula, é retomado o entendimento anterior baseado no artigo 6-A, da Lei 10.101 de 19 de dezembro de 2000. Este artigo estabelece que “é permitido o trabalho em feriados nas atividades do comércio em geral, desde que autorizado em convenção coletiva de trabalho e observada a legislação municipal, nos termos do art. 30, inciso I, da Constituição”.

Resumindo: a decisão sobre trabalhar ou não em feriados foi retirada dos trabalhadores individuais e empregadores, e entregue novamente aos sindicatos, que agora possuem maior poder de decisão sobre os trabalhadores novamente.

Reações e consequências

Os sindicatos, como era de se esperar comemoraram a decisão. Apesar do mesmo discurso de sempre, de que os acordos coletivos irão “beneficiar os trabalhadores”, a verdade é que somente os agentes e líderes sindicais e trabalhadores sindicalizados empregados é que poderão se beneficiar de tal medida.

Enquanto isso, os trabalhadores menos qualificados, ou que trabalham em empresas menores, sofrerão o risco de perderem seus empregos. Afinal, com menos dias em funcionamento, as empresas irão faturar menos e será pouco viável manter mais alguns funcionários.

Por outro lado, mesmo os trabalhadores que permanecerem empregados não estarão em condição muito melhor. Agora com a decisão sobre trabalhar ou não nos feriados cabendo aos sindicatos, a renda extra que os trabalhadores obtinham de tais dias já não estará mais à critério deles.

Como era de esperar, as empresas do ramo comercial mostraram preocupação com a medida. Não apenas estão cientes da queda em seu faturamento, como alertam corretamente sobre a possibilidade de aumento de desempregos no setor.

Segundo a Abras (Associação Brasileira de Supermercados), a decisão do MTE é “um cerco à manutenção e criação de empregos, o que representa o maior desafio do século na geração de renda e valor para a sociedade brasileira”.

Em nota, a entidade afirmou que medida significaria um retrocesso para o setor, que hoje emprega 3,2 milhões de pessoas no país, além de atender 28 milhões de consumidores diariamente.

“Os supermercados e hipermercados terão dificuldades para abrir as lojas em domingos e feriados, […] o que representará aumento significativo nos custos de mão de obra, além de reduzir a oferta de empregos, face à redução da atividade econômica”, diz o texto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Censura
Ética

A visão controversa da ONG Artigo 19 sobre o que é liberdade de expressão

Em um artigo publicado no jornal Folha de SP no dia 20 deste mês, foi apresentado um “estudo” realizado pela ONG Artigo 19, onde foi afirmado que o Brasil “subiu” no ranking mundial da liberdade de expressão. O estudo, chamado de ‘Global Expression Report 2024’, é baseado em dados relativos a 2023 para 161 países, […]

Leia Mais
Samourai Wallet
Ética

A prisão de desenvolvedores de carteiras Samourai mostra que o governo dos EUA odeia privacidade e liberdade

Em 24 de abril, dois desenvolvedores líderes da Samourai Wallet (SW), a carteira centrada na privacidade mais avançada do ecossistema bitcoin, foram presos e acusados de crimes de lavagem de dinheiro e violações na transmissão de dinheiro por ordem do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ). Este é apenas o mais recente ataque de […]

Leia Mais
Caminhão do MTST
Ética

Caminhão do MTST que levava marmitas para desabrigados no RS é apreendido por estar com IPVA vencido

Na última segunda-feira, um caminhão do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que transportava marmitas para desabrigados em Porto Alegre foi guinchado pela Brigada Militar. Segundo a BM, o veículo foi apreendido na Avenida Bento Gonçalves por estar com o IPVA, o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotores, vencido. O ocorrido foi divulgado no […]

Leia Mais