quarta-feira, agosto 17, 2022

Imunidade natural protegeu mais contra a variante Ômicron que 3 doses de vacina, diz estudo

As notícias dizem que a administração Biden está atualmente avaliando um plano para permitir que todos os adultos recebam um segundo reforço contra a Covid-19, citando as preocupações do conselheiro médico chefe da Casa Branca, Dr. Anthony Fauci, sobre “um surto em hospitalizações alimentado pelas subvariantes ômicron altamente contagiosas BA.4 e BA.5”.

Atualmente, as segundas doses de reforço são oferecidas apenas para indivíduos com mais de 50 anos.

Enquanto isso, as discussões sobre uma quinta dose em potencial já estão em andamento. Em um programa de TV recente, o apresentador da CNN Don Lemon perguntou ao analista médico da CNN Jonathan Reiner se tal cenário era possível:

  • LEMON: “Essa foi a minha próxima pergunta, estou entregando minha idade porque já tomei quatro doses, tomei dois reforços, então tenho mais de 50 anos.”
  • REINER: “Eu também.”
  • LEMON: “Então, vamos ter uma quinta dose? Vamos ter que ter uma quinta dose?”
  • REINER: “Sim, provavelmente.”

“A imunidade diminui”, disse Fauci durante um briefing da Casa Branca na terça-feira, “seja imunidade após infecção ou imunidade após vacina”.

Imunidade Natural x Vacinação

Embora seja verdade que a imunização diminui, um novo estudo científico do The New England Journal of Medicine sugere que a imunidade natural dura mais do que a imunidade adquirida por vacinas.

O estudo, uma análise de casos-controle baseada em dados do Qatar coletados de 23 de dezembro de 2021 a 21 de fevereiro de 2022, envolveu milhões de pessoas, incluindo 1.306.862 que receberam pelo menos duas doses da vacina Pfizer (BNT162b2) e 893.671 pessoas que receberam pelo menos duas doses da vacina Moderna (mRNA-1273), bem como indivíduos não vacinados.

Os resultados do estudo são um saco misto para as vacinas.

A melhor notícia é que “qualquer forma de imunidade anterior, seja induzida por infecção ou vacinação anterior, está associada a uma proteção forte e durável contra hospitalização e morte relacionadas ao Covid-19”. (Em outras palavras, tanto as vacinas quanto a imunidade natural reduzem o risco de de hospitalização ou morte por Covid.)

Outra boa notícia é que as vacinas Moderna e Pfizer “aumentaram a proteção entre as pessoas que tiveram uma infecção anterior”.

“A combinação de vacinação prévia completa e infecção prévia foi o máximo de proteção”, disseram os pesquisadores em um resumo das descobertas do estudo divulgado no mês passado pela Weill Cornell Medicine Newsroom. “Indivíduos com infecção prévia e três doses de qualquer vacina de mRNA foram, no geral, quase 80% protegidos contra infecção sintomática durante a onda omicron”.

Mas o estudo também descobriu que duas doses de vacinas ofereciam proteção “insignificante” contra a infecção por Omicron.

“Uma descoberta importante foi que um histórico de vacinação com as duas doses padrão da vacina mRNA da Pfizer ou da Moderna, mas sem histórico de infecção anterior, não trouxe proteção significativa contra a infecção sintomática por omícrons”, disseram os pesquisadores.

Em relação à vacina Pfizer, três doses ofereceram consideravelmente mais proteção. Mas a proteção ainda era inferior à imunidade natural, que oferecia uma proteção mais forte e mais sustentada contra a infecção do que a vacinação. (Os pesquisadores observaram que “as pessoas com uma infecção anterior eram moderadamente protegidas contra o ômicron, com pouco declínio na proteção mesmo um ano após sua infecção anterior”).

  • Tradução do tweet de @davidzweig: “A infecção anterior por Covid conferiu melhor proteção contra Omicron sintomático * mais de um ano após a infecção* do que 3 doses de vacina >1 mês após a terceira dose”

As descobertas não são diferentes das de Israel publicadas no ano passado, que descobriram que a imunidade natural oferecia proteção mais robusta contra a variante Delta do que as vacinas.

“A proteção imunológica natural que se desenvolve após uma infecção por SARS-CoV-2 oferece uma proteção consideravelmente maior contra a variante Delta do coronavírus pandêmico do que duas doses da vacina Pfizer-BioNTech”, relatou a Science em agosto de 2021 em um artigo explorando o descobertas de Israel.

Mais de uma dúzia de outros estudos também descobriram que a imunidade natural oferecia uma proteção poderosa contra a Covid, igual ou mais forte que a vacinação.

  • Tradução do tweet de @repthomasmassie: “Entre as mensagens mais fraudulentas da campanha de fraude do CDC está a de forçar a vacina contra aqueles com infecção anterior, que têm um grau de proteção maior contra todas as versões do vírus do que aqueles com qualquer uma das vacinas”.

‘A Fundação de Todos os Direitos’

Mesmo sem essas descobertas, os mandatos de vacinas eram duvidosos desde o início. A moralidade de violar a autonomia corporal por meio de coerção governamental é um assunto sério e perigoso. À luz dessas descobertas, no entanto, os mandatos de vacina também parecem sem sentido.

Embora muitas instituições agora considerem a infecção por Covid uma forma de imunização – incluindo a NCAA, que em janeiro mudou sua política para acomodar atletas que tiveram Covid – muitas não o fizeram. Milhares de soldados foram dispensados ​​por causa de seu estado de vacinação. Os profissionais de saúde continuam a enfrentar mandatos de vacinação em muitos lugares.

É hora de todas as instituições – especialmente os governos – reconhecerem que as escolhas de vacinação devem permanecer com os indivíduos. A ideia de que a liberdade sobre o próprio corpo é a liberdade mais básica e essencial é abraçada não apenas por libertários como Ron Paul, mas por líderes internacionais como Natalia Kanem, médica que lidera o Fundo de População das Nações Unidas.

“A autonomia corporal é a base sobre a qual todos os direitos existem”, afirma Kanem sem rodeios.

À medida que mais estudos como a pesquisa publicada pelo The New England Journal of Medicine são divulgados, fica cada vez mais claro que os mandatos das vacinas não eram apenas imorais. Eles eram insensatos.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA