quarta-feira, dezembro 7, 2022

Inflação: uma realidade ontológica da vida econômica moderna

As economias de todo o mundo estão sofrendo com níveis de inflação sem precedentes no século XXI. Embora as origens do COVID-19 sejam discutíveis, as causas da inflação não são. Elas residem em ações humanas incontestáveis; ações não dos participantes da economia cotidiana, mas ações de instituições especiais que exercem seu controle sobre assuntos econômicos em nossa vida diária, sufocando a liberdade e a vida de milhões de pessoas. É o lobo que trouxemos voluntariamente para nossas casas, nos tornando cordeiros no processo.

No espírito da árvore sagrada da liberdade, removemos os monarcas e os déspotas. Concordamos com o ditado fundamental e inalienável de que ninguém tem o direito de exercer controle sobre a vida dos outros, mas desde a nacionalização do Banco da Inglaterra em 1694, tem sido uma descida constante até as sarjetas dos perigos e desastres econômicos.

A inflação é um fenômeno moderno, que se tornou uma perpétua realidade ontológica de nossas vidas. A inflação não é um conceito econômico abstrato concebido por economistas para atuar como um dispositivo analítico. Ela afeta a vida até mesmo daqueles que a conhecem pouco, mas nem sempre foi assim. Se pegarmos grandes obras de mestres do passado como Adam Smith, a discussão ou mesmo a menção do problema dificilmente aparece. Isto atiça a imaginação, pensando em como conseguimos entrar nisso. Foi somente com os debates entre a moeda britânica e a escola bancária britânica e, posteriormente, com David Ricardo, economista político clássico, que o problema da inflação chegou à linha de frente das discussões econômicas. No entanto, mesmo para eles, a inflação era uma situação especial e não o estado geral das coisas.

A conexão entre inflação e desordem nos assuntos econômicos também é bastante antiga, por exemplo quando governantes soberanos despóticos entraram em guerra com dinheiro que não tinham. Eles precisavam e dependiam da criação artificial de dinheiro para cobrir seus gastos excessivos, durante a longa guerra entre a Grã-Bretanha e a França, em 1793 e que se prolongou até 1815, terminando com a derrota de Napoleão na Batalha de Waterloo. Os custos de guerra do governo britânico tinham crescido exponencialmente e para cobrir as despesas, elas tinham que ser fortemente subsidiadas pela dívida, com cerca de 70% emprestado do Banco da Inglaterra, enquanto a economia britânica foi deixada em frangalhos, desprovida de crescimento ou de qualquer melhoria na vida dos cidadãos, que apenas o livre mercado garante.

Os estudiosos acertaram em cheio quando argumentam que a nacionalização do Banco da Inglaterra ocorreu com o propósito de auxiliar o governo na criação de dinheiro, dando-lhe assim o controle sobre um dos pilares mais importantes da vida econômica. O caminho do financiamento dos gastos da guerra até o controle de toda a economia não foi linear, mas como sempre, o crescimento do leviatã se justificava por trás da segurança e “o bem social maior”.

Algo extraordinário aconteceu no meio da Grande Depressão da década de 1930. John Maynard Keynes com seu livro The General Theory of Employment, Interest and Money deu aos governos da época tanto a legitimidade de expandir seu controle sobre os assuntos econômicos como o martelo de forja para executá-lo. A inflação atingiu níveis insondáveis mesmo para os mais astutos defensores do intervencionismo, e chegamos à estagflação. Isso provou o que os economistas liberais clássicos sempre argumentaram: Não se pode criar riqueza e prosperidade com dinheiro artificial e colocando correntes no mercado.

A mudança de uma situação especial que surgiu da desordem política e resultou na estagnação econômica tornou-se agora um estado de coisas sem fim, algo que internalizamos e consideramos normal. Bancos centrais em todo o mundo que supostamente foram criados para “salvaguardar a economia para o bem social maior” evoluíram para o papel de controlar a economia, e a vida de todos, distorcendo fundamentalmente o funcionamento do mercado no processo.

O mercado é um processo de coordenação onde a ordem surge espontaneamente das interações voluntárias de milhões de agentes econômicos, cada um buscando seu próprio bem. Os preços no mercado atuam como sinais de coordenação que transmitem informações sobre dados econômicos importantes, que estão espalhados em torno de milhões de pessoas, de forma descentralizada. O papel dos preços na coordenação das ações no mercado foi um dos principais argumentos apresentados por Fredrick Hayek sobre a razão que o planejamento central nunca conseguirá alocar recursos de forma tão eficaz quanto os mercados.

À medida que os bancos centrais ao redor do mundo tentam ditar o curso da economia inflando liquidez, eles permitem distorções de preços na estrutura da produção. Mas o aumento dos preços não é o problema; o aumento dos preços em um mercado que funciona bem possui um papel específico. Quando um objeto de uso se torna escasso no mercado, é um sinal para os consumidores economizá-lo e, ao mesmo tempo, indica aos fornecedores a direção mais lucrativa de alocar recursos, que aumentam sua oferta até que os lucros sejam todos explorados, reduzindo o preço no processo.

É o aumento de preços criado artificialmente que destrói o mecanismo de alocação eficiente dos mercados. É o imposto cobrado dos consumidores que reduz o poder de compra de seu dinheiro, assim como sua riqueza economizada. Ele age como um sinal que direciona mal o emprego de recursos e leva os produtores a fazer escolhas ineficientes, alocando recursos erroneamente. Com o tempo, isto faz com que os empresários percam a confiança no mecanismo de preços. Quem iria querer confiar ou se aventurar por uma via onde o semáforo sempre desorienta o trânsito, levando ao congestionamento de veículos e custando às pessoas o seu recurso mais valioso (tempo)?

Portanto, a alegação de que os bancos centrais, em seus esforços para administrar e ditar o curso dos negócios, não apenas amortecem, mas essencialmente distorcem o papel dos preços no mercado, não é revolucionária ou surpreendente. O funcionamento dos mercados em tal estado de coisas pode ser comparado a uma rua movimentada sem sinais de trânsito ou qualquer outro método de alocação de tráfego. Seria uma bagunça caótica, tal como são as nossas economias atuais.

Como disse Thomas Jefferson, “A árvore da liberdade deve ser refrescada de tempos em tempos com o sangue de patriotas e tiranos. É o esterco natural”. O controle sobre a vida econômica dos indivíduos é um ataque fundamental à liberdade, pois o controle econômico é inseparável de uma dissolução da liberdade natural e da liberdade de que todos nós, como membros da raça humana, somos dotados. Portanto, a separação do banco central dos assuntos econômicos da vida cotidiana é a única solução possível se a liberdade deseja ser preservadas.

Texto por Vibhu Vikramaditya. Traduzido e adaptado por Gazeta Libertária.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA