Israel X Palestina: qual deve ser a posição libertária diante deste conflito?

Israel vs Palestina

O conflito entre o estado de Israel e o grupo terrorista palestino Hamas que se iniciou neste domingo retomou a atenção do mundo para mais um conflito militar. E junto a ele um confronto de opiniões sobre este evento, assim como foi no caso da guerra entre Ucrânia e Rússia, com cada pessoa ou grupo tomando um estado como o lado certo da história. Até mesmo no meio libertário, onde teoricamente todos deveriam rejeitar qualquer forma de estado, houve aqueles que tomaram um determinado estado como o lado certo na história. Na maioria das vezes o estado de Israel.

Mas neste caso, qual deveria ser a postura libertária correta diante deste conflito?

Início do atual confronto

Os primeiros ataques realizados pelo grupo terrorista Hamas contra civis israelenses e de outras nacionalidades ocorreram na manhã do último sábado em uma zona rural da Faixa de Gaza. Os cidadãos israelenses e turistas de outros países estavam participando de um festival musical chamado Festival Nova, quando o espaço foi bombardeado por mísseis vindos do território palestino.

Após isso, terroristas do Hamas começaram a atirar nos civis, sequestrando vários deles. Até agora foi confirmado o número de 250 corpos de vítimas do ataque terrorista no local.

Após o ataque o governo de Israel reagiu atacando várias áreas da Palestina, onde alegadamente haviam bases de atuação do Hamas. Após os ataques, houve ao menos 430 palestinos mortos em Gaza, além de 2.200 feridos, segundo o Ministério da Saúde da Palestina. O Ministério também informa que a maioria dos atingidos eram civis.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, informou que a contraofensiva do estado israelense irá continuar e que não cansará até que tenham esmagado o Hamas. Mais que isso. Ele também afirmou que a forças militares de Israel irão tornar Gaza em uma área deserta e que os civis palestinos que quiserem se salvar deverão fugir para outros lugares pois “não ficará pedra sobre pedra”.

Escolhendo um lado

Desde o início dos conflitos entre o estado de Israel e o grupo terrorista Hamas, as vertentes políticas, da direita para a esquerda, vem assumindo de que lado estão em relação à este confronto. Por um lado, há aqueles, principalmente da direita neoconservadora, que mostram total apoio ao estado de Israel e a todas as medidas que eles acreditam serem necessárias para manter a “paz” no Oriente Médio, já que partilham da crença de que somente os EUA e Israel são capazes disso.

Por outro lado, a esquerda, principalmente a ala comunista, assume apoio incondicional ao Hamas. E isso mesmo ciente de todos os métodos criminosos e desumanos que o grupo terrorista utiliza para atingir seus objetivos. E aqui cabe uma breve explicação do porquê a esquerda ainda assim o apoia.

Como para a esquerda toda a dinâmica social se resume a uma luta de classes – e hoje em dia a maior parte da esquerda estende este conceito para sexo, gênero, nacionalidade, etc – e tudo se resume a uma luta entre oprimido e opressor, a esquerda julga qualquer conflito aos olhos desta dinâmica. Sem falar na questão do status de quem é oprimido e quem é opressor.

Para a esquerda, certos grupos – brancos, ricos, ocidentais, heteronormativos, cis – são opressores de outros grupos – pessoas de outras cores, lugares, orientações sexuais diferentes, gêneros diferentes – e que mesmo a violência praticada por um indivíduo de um grupo “oprimido” contra um individuo de um grupo “opressor” nunca será “proporcional”. Isso porque, como já dito, a esquerda não enxerga a dinâmica social a nível individual e de forma particularizada, mas como uma dinâmica entre grupos opressores contra oprimidos e leva em conta a soma destas agressões (ou supostas agressões, muitas vezes).

Além disso, a esquerda também considera a capacidade de dano de um determinado grupo. Para ela, qualquer ato de violência praticado por um indivíduo de um determinado grupo “oprimido” contra outro indivíduo de um determinado grupo “opressor” não pode ser julgado da mesma forma que se julgaria a agressão do segundo. Logo, na visão da esquerda, um grupo minoritário, com menos poder bélico e representando um grupo oprimido, como os palestinos, não pode ter seus atos julgados com o mesmo peso que se deve julgar os atos do exército israelense.

Mas ainda há um segundo motivo para a esquerda apoiar o Hamas, e possui caráter estratégico. A esquerda é inimiga declarada do imperialismo americano. E não é pelos motivos corretos, como os libertários consistentes fazem. Mas apenas porque a existência do imperialismo americano é um empecilho para seu plano de trazer o comunismo ao mundo.

Já que o Hamas além de se opor ao estado de Israel, também se opõe ao estado americano, a esquerda enxerga o Hamas como um aliado estratégico, assim como a maioria dos regimes islâmicos.

Qual deve ser a posição libertária?

Segundo o libertarianismo, o estado é o monopólio territorial do uso da força e da aplicação da lei, bem como portador do direito exclusivo de extorquir os residentes de determinado território via impostos. E, como qualquer estado, o estado de Israel não possui legitimidade alguma. No entanto, o estado não existe em um vácuo. Há pessoas e suas respectivas propriedades residindo em tal território.

Logo, a guerra não é meramente um conflito entre estados. Ela atinge principalmente os residentes dos territórios dos estados envolvidos. E uma vez que tais indivíduos estão tendo suas vidas e propriedades agredidas pelos invasores, eles estão legitimados a resistir e até mesmo executá-los como legítima defesa.

Em tal situação, como no atual ataque do Hamas ao território israelense, os cidadãos israelenses deveriam dispor de armamento pesado para resistir aos agressores. No entanto, essa não é a atual situação, já que apenas o estado de Israel pode dispor de tal tipo de armamento. Sendo assim, o mínimo que o estado israelense pode fazer é executar todos os terroristas que invadirem o território israelense e atentar contra a vida dos civis israelenses inocentes.

Por outro lado, não devemos cair no erro da direita política, que assume erroneamente que todas as ações do estado de Israel sejam justificáveis, incluindo os bombardeios de residências e espaços públicos em território palestino. Mesmo que a justificava seja a de destruir as bases do Hamas. Nenhum objetivo que seja pode justificar a violação dos civis inocentes, sejam eles palestinos ou quaisquer outros.

E se você quer se aprofundar na perspectiva libertária sobre guerras, adquira o livro ‘O Mito da Defesa Nacional’, clicando no banner abaixo. Nele, você encontrará uma coletânea de ensaios sobre guerra de autoria de diversos autores libertários, compilados pelo filósofo e economista libertário, Hans-Hermann Hoppe.

3 respostas para “Israel X Palestina: qual deve ser a posição libertária diante deste conflito?”

  1. Avatar de Júlio
    Júlio

    Excelente artio ????

  2. Avatar de Mendonça Lima Heck João
    Mendonça Lima Heck João

    Texto muito bom mostrando com clareza a perspectiva libertária sobre o tema. Minha ressalva é sobre a grande quantidade de erros de português. Deveria ser revisto!
    Parabéns!

    1. Avatar de Rodrigo
      Rodrigo

      Obg pelo alerta. O artigo já foi revisto!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 thoughts on “Israel X Palestina: qual deve ser a posição libertária diante deste conflito?

  1. Texto muito bom mostrando com clareza a perspectiva libertária sobre o tema. Minha ressalva é sobre a grande quantidade de erros de português. Deveria ser revisto!
    Parabéns!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Renato Moicano
Ética

Renato Moicano: “Se você se preocupa com seu… país, leia Ludwig von Mises”

Na noite da última sexta-feira, o lutador brasileiro Renato Moicano viralizou após sua vitória sobre JalinTurner no UFC 300, fazendo uma saudação ao próprio Ludwig von Mises. “Eu amo os Estados Unidos, amo a Constituição… quero portar… armas. Amo a propriedade privada. Vamos lhe dizer uma coisa. Se você se preocupa com seu país, leia […]

Leia Mais
Elon Musk e Alexandre de Moraes
Ética

Elon Musk ataca censura de Alexandre de Moraes e deixa esquerda em polvorosa

Na última sexta-feira, o CEO da rede social X, Elon Musk, respondeu a uma publicação de Alexandre de Moraes questionando o porque dele estar impondo tanta censura no Brasil. Na publicação em questão, Moraes parabenizava o ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski pelo novo cargo de Ministro da Justiça e Segurança Pública. Confira abaixo: Elon Musk […]

Leia Mais
Roseane Murray
Ética

O ataque de pitbulls contra a escritora e poetisa Roseane Murray

Na manhã de ontem (5), a escritora e poetisa Roseana Murray, de 73 anos, havia sofrido um violento ataque de 3 pitbulls enquanto caminhava em Saquarema, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. O incidente reacende a discussão sobre possuir ou não cachorros da raça pitbull. O inicidente A escritora e poetisa Roseane Murray […]

Leia Mais