Janja critica machismo na política, enquanto “passa pano” para a demissão de mulheres feita por Lula

Janja

Durante um evento sobre igualdade de gênero, realizado no Palácio do Planalto, a primeira-dama Janja criticou o que chamou de machismo e misoginia dentro da política. No entanto, a primeira-dama fez vista grossa para a demissão de mulheres feita pelo seu marido, o presidente Lula.

Igualdade de gênero na política

O evento foi realizado pelo Ministério das Mulheres, tendo Janja como anfitriã. Além da primeira-dama, também discursaram a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet , a ex-presidente da Costa Rica Laura Chinchilla, a primeira-dama do Senegal, Marieme Sall, a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, deputada Benedita da Silva (PT-RJ), e Maiara Folly, cofundadora da plataforma Cipó.

Segundo Janja, o objetivo do encontro era debater o plano das Nações Unidas para alcançar a equidade de gênero. Ou seja, tudo dentro da agenda da ONU de introduzir políticas de gênero para aumentar sua influência políticas sobre os países.

disse Janja

Janja informou que sua participação no G-20 foi para “aprender e se informar”.

A primeira-dama criticou o discurso do presidente Joe Biden dos EUA e o presidente da Índia, Narendra Modi, sobre a necessidade de “dar mais espaço” para as mulheres, afirmando que as mulheres “conseguem conquistar o próprio espaço”.

Ainda assim, Janja defendeu uma mudança na legislação eleitoral para reservar 50% das cadeiras para mulheres no Legislativo.

Vista grossa para demissão de mulheres no governo Lula

Apesar de Janja ter criticado o que considera como machismo na política, ela “passou pano” para a demissão de mulheres de cargos do governo por parte de Lula. Segundo a primeira-dama, a situação em questão é “complexa” e que a política “às vezes nos obriga a algumas coisas”.

Ou seja: Janja é apenas uma ponta de lança na narrativa feminista dentro dentro política, cuja pauta na prática não é uma prioridade para aqueles que de fato governam. As mulheres demitidas no caso foram Ana Moser da pasta de Esporte, Daniela Carneiro do Turismo, além de Rita Serrano da presidência Caixa. Todas foram substituídas por homens.

A decisão do presidente Lula fez parte de seus acordos com o Centrão em troca de apoio político.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escola cívico-militar
Política

Sobre a polêmica em torno do projeto das escolas cívico-militares

Foi aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta terça-feira (21), o projeto de lei que viabiliza a implementação de escolas cívico-militares nas redes municipais e estaduais de educação do estado de São Paulo. Para muitos preocupados com a doutrinação esquerdista sobre as crianças nas escolas, o projeto é visto como uma saída. No […]

Leia Mais
Emchentes no Rio Grande do Sul
Política

Municípios atingidos pelas inundações no RS enfrentam burocracia para receber ajuda do governo federal

Em um artigo da CNN, diversas entidades municipais informaram que estão enfrentando uma enorme burocracia para receber verbas do governo federal para lidar com os impactos das inundações no Rio Grande do Sul. A informação contrasta com a acusação por parte da grande mídia e agentes públicos, de que a afirmação de tal burocracia na […]

Leia Mais
Dique de Mauá
Política

Bombeiros usam sacos de areia de improviso para impedir inundação no RS

Em um vídeo que está circulando na internet, uma equipe de bombeiros usa sacos de areia como improviso para impedir que um determinado lugar no Rio Grande do Sul fosse inundado. Um perfil popular no X chamado Peregrino publicou o vídeo e fez uma comparação com diques construídos por holandeses há mais de 100 anos. […]

Leia Mais