segunda-feira, outubro 3, 2022

‘Mão Visível’: Um guia para ajudar você a entender sobre economia

A vida não é sobre o que queremos. É sobre as escolhas que fazemos. Muitos de nós estamos familiarizados com esse velho ditado, mas quantos sabem que é mais que uma mera lição de vida, que é de fato o núcleo central da economia?

O novo livro de Matthew Hennessey, Visible Hand: A Wealth of Notions on the Miracle of the Market, explica como isso acontece e, ao fazê-lo, ele mostra que a economia não precisa ser intimidante para o homem comum. De fato, como alguém que confessa não saber nada de economia antes dos 30 anos, Hennessey, que atualmente é editor de opinião do Wall Street Journal, revela que a entendemos intuitivamente mesmo quando não percebemos.

Como aconteceu, ele escolheu atuar. Perder a oportunidade de jogar beisebol foi, portanto, um “custo de oportunidade” dessa decisão. E não foi o único. De fato, escolher a peça significa renunciar oportunidades de trabalhar, estudar ou passar tempo com amigos, todas as opções viáveis antes que ele tomasse sua decisão. O ponto, então, é que vivemos em um mundo onde os recursos (incluindo o tempo) são escassos e ainda assim nossos desejos são ilimitados, o que significa que não há “soluções” para satisfazer todos os nossos desejos, existem apenas alternativas e escolher entre sempre acarreta custos de oportunidade.

Assim, se “escassez” é a primeira lição de economia, uma consequência é que nossas decisões são tomadas na margem, ou em relação a querermos mais ou menos de algo. Para ver isso, considere a escolha entre água e diamantes, também conhecido como o “paradoxo da água do diamante”, que confundiu os economistas por quase um século. Mesmo que a água seja essencial para a vida e os diamantes não, se tivesse a escolha (e assumindo que todas as coisas são iguais), escolheríamos ter diamantes em vez de água.

Por que?

A resposta é que quando fazemos uma escolha, não estamos escolhendo entre todos os diamantes do mundo e toda a água do mundo, caso em que escolheríamos ter água para nossa sobrevivência. Em vez disso, estamos escolhendo entre ter mais água ou ter um diamante adicional. Dada a relativa abundância da água, ter mais dela proporciona pouca satisfação adicional; inversamente, devido à sua relativa escassez, ter um diamante adicional proporciona uma satisfação considerável, ou “utilidade marginal”, em comparação com a água.

A partir daqui, Hennessey acrescenta a noção de senso comum de que quanto mais temos de algo, menos tendemos a desejá-lo, o que os economistas chamam de “utilidade marginal decrescente”. Ele ilustra isso com um exemplo brilhante que pode ser o mais memorável do livro. Imagine, diz ele, que você está em uma feira local e não comeu o dia todo. Enquanto você examina as opções de comida, você e seus amigos decidem comprar um algodão-doce favorito da infância. “A primeira mordida”, diz ele, é deliciosa.

Todo mundo sorri com os olhos enquanto derrete em suas bocas. A diversão e o riso aumentam na segunda mordida, mas a emoção atinge o pico imediatamente. A maximização foi alcançada momentaneamente. Ele paira como uma bola de futebol no ar. Na terceira mordida, a diversão acabou. Todo mundo está enojado consigo mesmo. Você e seus amigos gostariam de poder voltar no tempo e pular o algodão-doce completamente.

Se a utilidade marginal é a satisfação que recebemos ao comparar o algodão-doce com as alternativas, a satisfação cada vez menor que vem de cada mordida adicional de algodão-doce constitui o conceito de utilidade marginal decrescente. Como diz Hennessey, “cada mordida de algodão-doce produz menos prazer, menos benefícios, menos satisfação do que a anterior”. O “pra viagem”? Nossas decisões são sempre tomadas em um sentido relativo – se vamos comer a próxima mordida de algodão-doce ou não – e não em um sentido absoluto – se devemos comer cada pedaço de algodão-doce ou não comer nada.

Esta é uma lição econômica essencial que nossos políticos fariam bem em aprender. Afinal, como as pessoas tomam decisões na margem, uma alíquota de imposto de renda muito alta pode desencorajar as pessoas de realizar oportunidades adicionais de geração de renda, o que significa que a alta tributação acaba reduzindo o bem-estar, mesmo quando não parece óbvio (ver, por exemplo, o testemunho pessoal do economista Greg Mankiw sobre isso aqui). No entanto, os políticos raramente reconhecem esse fato quando se gabam de todas as vantagens que suas pesadas políticas de impostos e gastos fornecerão.

Além disso, Hennessey aponta que a relação entre “oferta” e “demanda” não é tão confusa quanto parece, pois, são, na verdade, duas faces da mesma moeda. Ou seja, oferta é demanda e vice-versa. Ele ajuda o leitor a ver isso usando o exemplo de uma empresa de Lego que seu filho gosta. Quando a empresa Lego vende Legos para os consumidores, seus funcionários se voltam e gastam dinheiro em mantimentos, gasolina e entretenimento. Assim, a “oferta” de Legos constitui a “demanda” por outros bens e serviços da economia.

No entanto, o livro está repleto de lições como essa que são eminentemente relacionáveis, e é escrito de uma maneira acessível e divertida para os não especialistas. Mais importante, talvez, o leitor sairá disso sabendo que, enquanto a vida se resume às escolhas que fazemos, a economia também.

APOIE GAZETA LIBERTÁRIA

Contamos com a generosidade de nossos doadores para tornar tudo isso possível. Desejamos publicar nosso conteúdo diariamente para todos, semeando o libertarianismo. Apoie nosso grupo de escritores. 

CONTRIBUIR

spot_img

CONFIRA