Mises na Argentina: lições do passado para hoje

Praça de Maio

Ludwig von Mises visitou a Argentina em junho de 1959 a convite do Dr. Alberto Benegas Lynch. As palestras que Mises proferiu na Universidade de Buenos Aires foram reproduzidas no livro ‘Economic Policy: Thoughts for Today and Tomorrow‘ (Política Econômica: Pensamentos para Hoje e Amanhã, lançado no Brasil como ‘As Seis Lições‘). Como o título sugere, o conhecimento econômico transmitido por Mises foi tanto para aqueles dias quanto para o futuro. A Argentina em 1959 estava em recessão, o governo Frondizi tentava lidar com a terrível situação deixada pelo presidente Juan Domingo Perón (1946–55) e o governo militar que o exilou.

Em seu tempo, Perón transformou a economia argentina em uma economia de comando com enormes regulamentações de preços, descapitalização que prejudicou muito os salários e a infraestrutura, nacionalizações, inflação, controle cambial e restrições de importação e exportação (impostos e limitações quantitativas) entre uma miríade de intervenções. O golpe militar que o derrubou do cargo teve visões mistas sobre como conduzir a política econômica. Houve um consenso de que a política deveria focar na recapitalização e na redução das restrições. O sistema de múltiplas taxas de câmbio foi removido e os depósitos bancários que anteriormente haviam sido nacionalizados e transferidos para o banco central foram devolvidos aos bancos privados. No entanto, o governo militar interveio nas finanças e nos bancos de outras maneiras, ao determinar as taxas de juros e realizar operações no mercado aberto comprando ou vendendo moeda e documentos de absorção. O governo militar não se preocupava com a inflação nem dava lugar ao livre mercado. Isso reverteu alguns “excessos” da administração anterior, mas o papel geral do Estado na economia permaneceu inalterado.

No final de 1958, foram realizadas eleições, e Arturo Frondizi foi eleito presidente (com a ajuda de Perón do exterior). Os erros de Perón e do governo militar ainda estavam na memória quando Mises visitou a Argentina, e Frondizi estava apenas começando suas reformas econômicas de substituição de importações por investimentos estrangeiros. Para deixar mais claro, as importações foram desencorajadas e o investimento estrangeiro foi procurado para substituir o que estava sendo desencorajado.

Mises falou da livre iniciativa, da importância da livre circulação de capitais, do acúmulo de capital e da luta contra a inflação por meio da redução da quantidade de dinheiro. Ele estava correto em sua análise, mas fora de tom com o plano político implementado naqueles dias na Argentina. Frondizi pretendia reduzir a inflação livrando-se dos gastos deficitários e obtendo o equilíbrio fiscal como âncora monetária. Como Mises sabia, essa não era uma maneira de enfrentar a inflação.

As lições de Mises não foram ouvidas naqueles dias, e os argentinos sofreriam políticas governamentais por muitos anos à frente. No entanto, olhando para o presente, as coisas parecem estar mudando. As lições de Mises encontraram o caminho de volta para a Argentina com a atual administração. Especialmente entre os jovens, os ensinamentos de Mises encontraram seu lugar. Javier Milei conseguiu canalizar os pensamentos de Mises para as pessoas comuns que durante anos só receberam programas estatistas.

Presos no paradigma estatista, muitos apontam os “monopólios” e a concorrência “desleal” como as causas dos problemas da Argentina. O estado é totalmente omitido da análise; não é tomado como o que é, um monopólio coercitivo que se expande onde quer que possa e superará todas as barreiras que supostamente o restringem. O processo de mercado sai prejudicado pelo estado, enquanto os indivíduos que fazem transações voluntárias fazem o melhor que podem dentro da estrutura que lhes é dada. O que as pessoas podem esperar das atividades dos indivíduos nesse tipo de economia? Se o estado for retirado da análise, o capitalismo parecerá bastante falho. Até que o estado seja levado em consideração como um ator destrutivo, o estatismo será a política seguida.

Embora a Argentina esteja em recessão econômica, por ter cessado a “fiesta” (festa) dos gastos públicos, ela já entrou em um caminho de recuperação. A inflação está caindo rapidamente. No entanto, a recuperação requer alguns ajustes importantes, e a administração Milei terá que entregá-los se a recuperação deve ser realizada rapidamente. O maior obstáculo é o controle cambial e os impostos; é crucial que Milei se livre dessas duas barreiras para permitir a livre entrada de capital e investimento. Só assim os salários reais aumentarão e vencerão a inflação.

O capitalismo foi “o início da produção em massa”, como Mises argumentou decisivamente. Isso é verdade para todos os países que, até certo ponto, abraçaram a livre iniciativa individual. A Argentina negligenciou a produção para as massas por um longo tempo. A produção para os burocratas é o projeto de muitos anos. Com Milei no governo, comentaristas políticos igualitários perguntam: “E quanto à redistribuição de renda?” A resposta deve ser: o que tem? A distribuição será decidida pelas pessoas no mercado e não por você.

Assim como Mises teria desejado, o movimento em direção ao livre mercado deve ser rápido e decisivo. Se o estatismo prevalecer – mesmo a curto prazo – então será mais difícil recuperá-lo, e o que foi feito permanecerá. Voltando ao início do artigo, as palestras de Mises eram para seu tempo e amanhã. Bem, o amanhã chegou. Se a mudança real está por vir, então deve ser o tempo de Mises e – caso a história o tenha – o tempo da liberdade.

Artigo escrito por Octavio Bermudez, publicado em Mises.org e traduzido por Isaías Lobão


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

"Quem construirá as estradas?"
Economia

“Quem construirá as estradas?” — Parte 1

Todos que defendem o mercado livre em detrimento do envolvimento do governo na economia já ouviram essa resposta comum: “Quem vai construir as estradas?” Às vezes, a pergunta é sincera e merece ser respondida com paciência. Na maioria das vezes, no entanto, é a rejeição de um argumento complexo e tem a intenção de encerrar […]

Leia Mais
Dólar
Economia

Dólar tem 4ª alta seguida e fecha a R$ 5,40 após declarações de Lula e decisão do Fed

O dólar teve seu quarto dia de alta nesta quarta-feira (12), fechando em R$ 5,40. O mercado financeiro atribui tal alta do dólar à repercussão das falas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deu sinais de que queria aumentar os gastos do governo e fazer corte de juros usando “questões sociais” como justificativa. […]

Leia Mais
Forbs
Economia

A política industrial está de volta — e é um erro gigantesco

Desde a crise financeira, os formuladores de políticas nas economias ocidentais se voltaram cada vez mais para políticas industriais de grande escala. As chamadas políticas orientadas para a missão são implementadas em resposta a diversos problemas percebidos, destacando-se as mudanças climáticas e o recente desejo dos países ocidentais de diminuir sua dependência da China. O […]

Leia Mais